Entenda o que são os ‘permafrost’ e por que são uma ameaça à saúde humana

Gelo está derretendo no Mar de Chukchi, na costa do Alasca. Imagem feita pela embarcação enquanto atravessava o noroeste de Ártico, neste domingo (16) — Foto: David Goldman/AP Photo
Apoiadores:

 

Os solos congelados “permafrost”, dos quais se espera que uma parte significativa venha à superfície até 2100 por causa do aquecimento global, de acordo com um relatório da ONU, ameaçam liberar vírus esquecidos e bilhões de toneladas de gases de efeito estufa, com o risco de acelerar aquecimento global.

O que é o permafrost?
O permafrost é o solo que passa todo o ano congelado e que cobre 25% da superfície terrestre do Hemisfério Norte, sobretudo na Rússia, Canadá e Alasca. Pode ser composto por pequenos fragmentos de gelo ou grandes massas, e sua espessura pode ir de poucos metros a centenas.

Contêm quase 1,7 trilhão de toneladas de carbono, ou seja, quase o dobro do dióxido de carbono (CO2) presente na atmosfera.
Com o aumento das temperaturas, o permafrost esquenta e começa a derreter, liberando progressivamente os gases que estavam neutralizados. O fenômeno, segundo os cientistas, deve ganhar velocidade.

Aceleração do aquecimento global
O degelo do permafrost já ameaça o cumprimento das decisões do Acordo de Paris, de limitar o aquecimento global a menos de +1,5 ºC em relação à era pré-industrial, segundo um estudo publicado em setembro.

Os cientistas descrevem um círculo vicioso: os gases emitidos pelo permafrost aceleram o aquecimento, que acelera o derretimento do permafrost.

Os solos congelados “permafrost”, dos quais se espera que uma parte significativa venha à superfície até 2100 por causa do aquecimento global, de acordo com um relatório da ONU, ameaçam liberar vírus esquecidos e bilhões de toneladas de gases de efeito estufa, com o risco de acelerar aquecimento global.

O que é o permafrost?
O permafrost é o solo que passa todo o ano congelado e que cobre 25% da superfície terrestre do Hemisfério Norte, sobretudo na Rússia, Canadá e Alasca. Pode ser composto por pequenos fragmentos de gelo ou grandes massas, e sua espessura pode ir de poucos metros a centenas.

Contêm quase 1,7 trilhão de toneladas de carbono, ou seja, quase o dobro do dióxido de carbono (CO2) presente na atmosfera.
Com o aumento das temperaturas, o permafrost esquenta e começa a derreter, liberando progressivamente os gases que estavam neutralizados. O fenômeno, segundo os cientistas, deve ganhar velocidade.

Aceleração do aquecimento global
O degelo do permafrost já ameaça o cumprimento das decisões do Acordo de Paris, de limitar o aquecimento global a menos de +1,5 ºC em relação à era pré-industrial, segundo um estudo publicado em setembro.

Os cientistas descrevem um círculo vicioso: os gases emitidos pelo permafrost aceleram o aquecimento, que acelera o derretimento do permafrost.

G1
Apoiadores:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, escreva seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui