Entenda as regras de transição da reforma da Previdência – Portal Plural
Connect with us

Geral

Entenda as regras de transição da reforma da Previdência

Publicado

em



 

A promulgação, nos próximos dias, da emenda à Constituição que reformou a Previdência exigirá atenção do trabalhador, principalmente do que estiver próximo de se aposentar. A proposta aprovada pelo Congresso prevê seis regras de transição que abrandam a idade mínima de aposentadoria e o tempo de contribuição em alguns casos.

Ao todo, são quatro regras para os trabalhadores da iniciativa privada e das estatais, inscritos no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), uma regra para os servidores públicos federais e uma regra para as duas categorias. Profissões como professores e agentes de segurança da União terão idades mínimas diferenciadas em algumas regras.

Quem cumpriu os requisitos para se aposentar pelas regras atuais, mas ainda não se aposentou, não precisa se preocupar. Esses trabalhadores estão preservados pelo direito adquirido e não serão afetados pela reforma da Previdência. Nesses casos, o segurado mantém o direito a aposentar-se pelos critérios presentes, mesmo depois da promulgação da emenda.

Cada trabalhador tem uma situação única. Mestre em direito constitucional, Rodrigo Mello, professor de direito no Centro Universitário de Brasília (Uniceub) explica que cada caso é um caso, e uma regra mais vantajosa para um segurado pode não ser a mais apropriada para outro. Ele recomenda cautela e análise de vários cenários antes de optar pela melhor regra de transição.

Segundo o professor, o trabalhador precisa simular o quanto vai receber de aposentadoria tanto na regra geral como nas regras de transição. Se o segurado tiver conquistado o direito adquirido, precisará também comparar com a regra geral atual e as regras de transição atuais (se estiver enquadrado em alguma). Dependendo do caso, pode ser mais vantajoso para o segurado trabalhar um pouco mais e garantir um benefício maior.

Confira como ficaram as regras de transição

Trabalhadores do INSS (iniciativa privada e estatais)

Regra geral

Pela reforma de Previdência, os trabalhadores urbanos se aposentarão apenas a partir dos 65 anos para mulheres e 62 anos para homens. As mulheres terão 15 anos mínimos de contribuição. Os homens que já contribuem para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) também terão 15 anos de contribuição, mas os que ainda não entraram no mercado de trabalho terão de contribuir por pelo menos 20 anos para conquistar a aposentadoria.

Regras de transição

Sistema de pontuação

Numa extensão da regra 86/96, a soma do tempo de contribuição e da idade passa a ser a regra de acesso. Homens com pelo menos 35 anos de contribuição e mulheres com pelo menos 30 anos de contribuição poderão se aposentar respectivamente a partir dos 61 anos (homens) e 56 anos (mulheres) em 2019, por terem conquistado 86 pontos (mulheres) e 96 pontos (homens).

A pontuação mínima sobe para 87/97 em 2020, 88/98 em 2021 e um ponto para homens e mulheres a cada ano até atingir 105 pontos para os homens em 2028 e 100 pontos para as mulheres em 2033. As trabalhadoras terão transição mais suave que os homens.

Professores: terão redução de cinco pontos. A soma do tempo de contribuição e da a idade se inicia, em 2019, com 81 pontos para mulheres e 91 pontos para homens, até chegar a 95 pontos para as professoras em 2033 e 100 pontos para os professores em 2028. O bônus, no entanto, só valerá para quem comprovar ter trabalhado exclusivamente nas funções de magistério na educação infantil e nos ensinos fundamental e médio.

Redução da idade mínima

Favorece quem contribuiu por muitos anos, mas ainda não alcançou a idade mínima. Homens com pelo menos 35 anos de contribuição e mulheres com pelo menos 30 anos de contribuição poderão aposentar-se aos e 61 anos (homens) e 56 anos (mulheres) em 2019. A idade mínima sobe seis meses a cada ano até atingir 62 anos (mulheres) em 2031 e 65 anos (homens) em 2027.

Professores: começarão com redução de cinco anos. A idade mínima começa em 2019, com 51 anos para mulheres e 56 anos para homens, aumentando seis meses por ano, até chegar a 60 anos para os dois sexos. O bônus, no entanto, só valerá para quem comprovar ter trabalhado exclusivamente nas funções de magistério na educação infantil e nos ensinos fundamental e médio.

Redução do tempo de contribuição

Favorece trabalhadores idosos que contribuíram pouco. Homens com 65 anos e mulheres com 60 anos em 2019 precisam contribuir apenas 15 anos para terem direito à aposentadoria. Em 2020, a idade mínima para homens continua em 65 anos. Para mulheres, sobe seis meses por ano até alcançar 62 anos em 2023.

Por essa característica, essa regra de transição beneficia os trabalhadores mais pobres, que atualmente se aposentam por idade, ou que passaram mais tempo na informalidade, sem contribuir para o INSS.

O tempo mínimo de contribuição para as mulheres está em 15 anos em todas as circunstâncias. No entanto, os 15 anos mínimos de contribuição para homens só valem para quem se aposentar por essa regra. Os demais segurados terão de contribuir por pelo menos 20 anos. O homem que se aposentar com 15 anos de contribuição receberá o mesmo que quem se aposentar com 16 a 20 anos de contribuição. A aposentadoria só aumentará para quem tiver contribuído 21 anos ou mais.

Na prática, o texto aprovado com o tempo mínimo de 15 anos para homens só beneficia quem entrou no mercado formal de trabalho e contribui para o INSS. A proposta de emenda à Constituição (PEC) paralela, em tramitação no Senado, pretende reduzir para 15 anos contribuição mínima para todos os trabalhadores da iniciativa privada e das estatais.

Pedágio de 50%

Quem está a dois anos de cumprir o tempo de contribuição mínimo para aposentadoria pelas regras atuais – 30 anos (mulher) e 35 (homem) – poderá optar pela aposentadoria sem idade mínima se cumprir pedágio de 50% sobre o tempo restante. O valor do benefício será calculado por meio da aplicação do fator previdenciário, que deixará de ser aplicado para os demais beneficiários.

Exemplos: mulher com 29 anos de contribuição (a um ano da aposentadoria pelas regras atuais) poderá aposentar-se pelo fator previdenciário se contribuir mais seis meses, totalizando um ano e meio de contribuição; homem com 33 anos de contribuição (a dois anos da aposentadoria pelas regras atuais) poderá aposentar-se pelo fator previdenciário se contribuir mais um ano, totalizando três anos de contribuição.

Servidores públicos federais

Regra geral

Idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com tempo mínimo de contribuição de 25 anos para ambos os sexos, 10 anos de serviço público e cinco anos no cargo.

Regra de transição

Sistema de pontuação

Variação da regra 86/96 para que os servidores que ingressaram até 31 de dezembro de 2003 recebam aposentadoria integral – último salário da ativa. Servidores com 35 anos de contribuição (homem), 30 anos de contribuição (mulher), 20 anos de serviço público e cinco anos no cargo obedecerão a uma pontuação formada pela soma da idade e do tempo de contribuição.

Tabela começa em 86 pontos (mulher) e 96 pontos (homem) em 2019, subindo um ponto por ano até atingir 105 pontos (homem) em 2028 e 100 pontos (mulher) em 2033. Servidoras terão transição mais suave que homens. Só pode entrar na regra homens com 61 anos de 2019 a 2021 e 62 anos a partir de 2022 e mulheres com 56 anos de 2019 a 2021 e 57 anos a partir de 2022.

Trabalhadores do INSS e servidores federais

Regra de transição

Pedágio de 100%

Inserida pela Câmara dos Deputados e aprovada pelo Senado, estabelece que o trabalhador poderá optar pela aposentadoria abaixo da idade mínima se cumprir pedágio de 100% sobre o tempo que falta pelas regras atuais. Vantajosa para trabalhadores a poucos anos de se aposentarem, principalmente servidores públicos federais que ingressaram até 31 de dezembro de 2003, que não tinham nenhum pedágio na proposta original do governo e poderão usar a regra para receber a aposentadoria integral.

Exemplos: servidora com 29 anos de contribuição (a um ano da aposentadoria pelas regras atuais) poderá aposentar-se com o último salário da ativa se contribuir mais dois anos, totalizando três anos de contribuição; homem com 33 anos de contribuição (a dois anos da aposentadoria pelas regras atuais) poderá aposentar-se pelo fator previdenciário se contribuir mais dois anos, totalizando quatro anos de contribuição.

Professores: Câmara dos Deputados diminuiu idade mínima para 55 anos (homens) e 52 anos (mulheres) para quem cumprir o pedágio de 100%, com aprovação pelo Senado. Essa nova regra, na prática, torna ineficazes as demais regras de transição para os professores. Benefício vale para professores federais, da iniciativa privada e dos municípios sem regime próprio de Previdência. Professores de estados e municípios com regime próprio não foram incluídos na reforma.

Policiais e agentes de segurança que servem à União: Câmara dos Deputados diminuiu idade mínima para 53 anos (homens) e 52 anos (mulheres) para o agente ou policial que cumprir o pedágio de 100%, com aprovação pelo Senado. Benefício vale para policiais federais, policiais rodoviários federais, policiais legislativos, agentes penitenciários federais e policiais civis do Distrito Federal, entre outros.

AGB
Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Geral

Obras de pavimentação de R$ 2 milhões entregues na Auxiliadora II

Publicado

em



Através do Planejamento Estratégico implementado no Governo Municipal, a gestão tem garantido melhorias na infraestrutura e mais mobilidade urbana para a população. O Prefeito Anderson Mantei esteve reunido na tarde desta sexta-feira (01), com a comunidade do loteamento Auxiliadora II. Na oportunidade, foi realizada a entrega oficial das obras de pavimentação asfáltica da localidade.
O projeto contemplou obras de sinalização, drenagem e serviços complementares. Foram pavimentadas as ruas: São Guido, São Judas Tadeu, São Roque, Santa Marta, São Vicente, São Joaquim, São Francisco de Assis, São Miguel Arcanjo e Nossa Senhora da Saúde. O Prefeito Anderson Mantei, destacou que as melhorias impactam positivamente na mobilidade urbana e na qualidade de vida da população, “Esta é mais uma obra realizada a partir das demandas trazidas pela população. As melhorias beneficiam toda a comunidade e facilitam o deslocamento dos moradores desta região”. Ao todo, foram investidos R$ 1.761.212,99 com recursos do município.
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Inaugurado novo prédio da APADEV

Publicado

em



O novo prédio para o Centro-Dia de Referência da APADEV – Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Visuais foi inaugurado nesta sexta-feira (01). Ao todo, foram construídos 235,67 m². A inauguração contou com a participação de autoridades, representantes de entidades e instituições e da comunidade.
O novo espaço conta com sala de direção, ambulatório, banheiros masculino e feminino, com acessibilidade, sala de convivência, cozinha, refeitório, despensa, área de serviço e sala de repouso. O Prefeito, Anderson Mantei falou sobre a entrega da obra, “Estamos muito contentes de proporcionar esse novo local para o funcionamento da APADEV. Com certeza vai trazer muitos benefícios para todos os usuários desse importante serviço”.
A APADEV Santa Rosa atende crianças, adolescentes e jovens, nos turnos manhã e tarde. Além disso, a associação dá suporte aos familiares dos usuários. Foram investidos na obra: R$ 666.874,73, sendo, R$ 414.666,00 de repasse através de emenda do Deputado Federal Osmar Terra e R$ 252.208,73 com recurso do município.
Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Santo Ângelo autorizado a receber aeronaves de 189 passageiros

Publicado

em



A ANAC autorizou o Aeroporto Regional Sepé Tiarajú de Santo Ângelo/RS a receber voos com aeronaves Boing 737-800, que possuem até 189 assentos. A portaria foi publicada na quinta-feira, 30, e é assinada pela Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária, autorizando operações ligando a região a São Paulo. O início da validade do documento é imediato.

Obras no Aeroporto

A construção do Terminal de Passageiros do Aeroporto Sepé Tiarajú está em andamento e com as obras em fase de conclusão. O investimento é de mais de R$ 600 mil. Enquanto isso, as entidades empresariais contrataram o projeto para a instalação do sistema de iluminação às margens da pista de pouso e decolagens para orientação aos pilotos, que foi encaminhado à Secretaria de Aviação Civil. A instalação dos equipamentos está orçada em R$ 1,2 milhão.

Sobre o aterramento da cabeceira, a chamada Resa (sigla em inglês), foi informado que o Estado sinalizou a abertura da licitação, possuindo valor de R$ 700 mil. O custo é orçado entre R$ 800 mil e R$ 1,4 milhão. Diante da lentidão do Estado e da manifestação do diretor do Departamento Aeroportuário (DAP), expressando dificuldades para realizar o procedimento, a alternativa foi efetivar uma parceria para a obra. Segundo o diretor do Sindicato Rural de Santo Ângelo, Elso Everling, a entidade fará o levantamento do maquinário necessário e o Governo Municipal se responsabilizará pelo combustível.

Fonte: Grupo Sepé

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PORTAL PLURAL LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2022 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×