Empresas tem comprado likes no Instagram  – Portal Plural
Connect with us

Geral

Empresas tem comprado likes no Instagram 

Publicado

em



 

Comprar seguidores no Instagram pode ser tentador, diversos aplicativos e plataformas na web prometem aumentar o número de fãs, curtidas e até comentários em um curto espaço de tempo, sem esforço algum. Alguns oferecem contas falsas para “bombar” seu perfil, enquanto outros captam perfis reais, por meio de mecanismos para automatizar o processo de seguir as contas, essa prática tem sido usada por algumas empresas para conseguir retorno financeira divulgando um alto número de seguidores em suas redes.

“O Portal Plural tem mais de 18 mil seguidores e um engajamento auto em suas publicações no instagram, que podem ser comprovadas, em número de visualizações ou curtidas em cada publicação de pessoas com perfil verdadeiro, nunca usamos esse método para conquistar algo, somo honesto com nossos seguidores e clientes, esse sempre foi e será o diferencial do Portal Plural”, afirma co-fundador Lucian Zorzan Andreola.

COMO PERCEBER QUE TEM ALGO DE ERRADO?
É tanto perfil falso que se somarem todos os usuários do Instagram o resultado será sete vezes a população da Terra. E basta uma olhada cuidadosa para saber quem está comprando seguidores, likes e comentários. Desconfie de perfis que tem 10 mil seguidores e baixo nível de engajamento, só 10 ou 30 likes por foto. Aproveite para abrir uma foto e dar uma olhada nos perfis que a curtiram. Tem uns nomes meio estranhos, do tipo “taraqjdylan”, ou indianos, russos, árabes, filipinos na lista? Ao entrar nesses perfis, está vendo que eles são privados ou suspeitos, tipo, com duas ou dez fotos, sem nenhuma descrição, e com imagens meio bizarras ou aleatórias? Se a resposta for afirmativa, isso significa que grande parte dos “k” de seguidores do perfil em questão é formado por robôs.

É claro que existem os perfis com milhares ou milhões de seguidores, de gente que se dedica de forma genuína à construção de sua audiência, com um comprometimento enorme — de tempo, de recursos — com o Instagram, que se preocupa com a qualidade do conteúdo e que não se deixa levar por essas práticas que só fazem destruir a credibilidade de quem decide trilhar por esse caminho. Mas, infelizmente, no mundo da internet, tudo pode ser sempre muito nebuloso, sempre pode surgir uma nova maneira de se fazer coisas erradas e se a gente quiser seguir nesse mercado, teremos de encontrar meios de garantir a autenticidade dos dados. Valorize o conteúdo e não apenas os números, falsos.

Os preços começam em torno dos US$ 2,99 — aproximadamente R$ 12, pela cotação atual. Com valores baixos para começar a investir, é natural que a tática pareça o atalho perfeito para quem quer se tornar um digital influencer ou divulgar sua marca. Mas os resultados revelam outro cenário, bem mais desanimador: no geral, o método funciona como uma antipropaganda. Entenda os riscos de comprar seguidores no Instagram com a lista que o TechTudo preparou.

1. É contra os termos de uso do Instagram

Os termos de uso proíbem o usuário de coletar ou acessar informações de forma automatizada, por métodos não autorizados pela plataforma, o que abrange todas as aplicações que não sejam propriedade do Instagram. Dessa forma, sua conta pode ser desativada ou excluída, caso a rede social identifique o uso de bots para seguir, curtir, comentar, entre outras ações.

2. Você pode perder os seguidores comprados a qualquer momento

Como o Instagram exclui constantemente contas falsas, os seguidores fake comprados podem ser desativados pouco tempo depois. Ou seja, há uma grande chance de você gastar dinheiro e ainda perder seguidores de maneira drástica em seu perfil.

3. É fácil perceber um perfil com seguidores comprados

Há duas formas mais comuns para investir em seguidores. A primeira é ao contratar um serviço responsável por criar contas falsas para curtir seu perfil pessoal ou da sua marca. Elas também podem curtir seus posts, conforme a negociação com a empresa. A segunda consiste em acessar um bot designado a seguir contas verdadeiras, curtir algumas postagens de forma automática e, depois de um tempo, deixar de segui-las. O objetivo é que pessoas reais sigam a etiqueta do “me segue que eu te sigo de volta” e passem a acompanhar a conta.

No entanto, os dois métodos deixam rastros. O primeiro é o mais aparente, pois esses perfis fake não têm fotos nem interações próprias. E mesmo no segundo, voltado para contas reais, é comum as pessoas deixarem de seguir após perceberem que se trata de um robô.

Isso ocorre quando o perfil curte várias fotos em um curto espaço de tempo ou tem 150 mil seguidores, mas apenas 200 curtidas por postagem, por exemplo. Esse tipo de conta também costuma ter uma quantidade enorme de curtidas em posts, mas poucos comentários, pois os likes são mais baratos. A presença massiva de comentários genéricos, como “É isso aí” ou “Legal”, também desperta o alerta vermelho de compra de seguidores.

4. Estraga sua reputação

Caso seu intuito com a aquisição de seguidores seja se tornar influencer ou promover uma marca, o método pode ter efeito contrário. As empresas anunciantes possuem mecanismos para identificar se uma conta possui muitos perfis falsos e, caso encontrem, nunca farão negócio com você.

Os seguidores que perceberem a artimanha, provavelmente, não deixarão apenas de seguir a conta, como perderão a credibilidade na marca. Assim, a conversão de seguidores em clientes se tornar ainda mais difícil. Em algumas situações mais tensas, é possível que alguém exponha a fraude nos comentários e promova uma repercussão negativa para o perfil.

5. Seguidores falsos não geram engajamento

A métrica mais importante do Instagram é o engajamento. Ela é essencial para definir a divulgação do seu conteúdo no feed de seus seguidores e, eventualmente, na aba “Explorar”. Por essa razão, é na taxa de engajamento — não apenas no número absoluto de seguidores em um perfil — que as marcas se baseiam na hora de contratar um influenciador.

O problema é: essa métrica nunca aumenta com a compra de seguidores e curtidas — pelo contrário, ela diminui. Isso porque esses perfis não vão efetivamente interagir com a conta, mesmo os que dão likes. As interações com post — curtidas e comentários — serão divididas pelo número de seguidores para gerar a taxa. Com um alto número de seguidores, o engajamento será baixo e não será possível se sobressair na rede social.

A falta de engajamento foi verificada em um teste realizado pela Hootsuite. Eles também contrataram o serviço de bot e, depois de duas horas, a conta já tinha 412 seguidores. Porém, ao postar uma foto, nenhuma dessas pessoas curtiu ou comentou. O perfil atingiu 1 mil seguidores no dia seguinte e, ainda assim, ninguém interagiu com a publicação.

6. Você não ganha dinheiro com perfis falsos

Apesar de saber que os perfis falsos não vão comprar seu produto, os interessados no serviço esperam dar “bombada” na conta e assim, serem mais vistos por pessoas reais. Porém, isso não se mostra verdadeiro na prática. Como dito anteriormente, sua taxa de engajamento cai e isso reflete em menos visibilidade no feed.

Em um experimento feito pela AdeEpresso em 2016, a loja online vinculada à conta do Instagram não conseguiu vender nada quando a empresa usou um bot (com o esquema de seguir pessoas reais). No período anterior, quando o perfil utilizou boas práticas para crescimento orgânico, houve compras reais.

Informações TechTudo e Portal Plural
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Veja os medicamentos contra Covid já disponíveis e como funcionam

Publicado

em



As vacinas contra covid-19 são cruciais no combate à pandemia, mas a necessidade de medicamentos que possam tratar a doença persiste.

A imunidade obtida por vacinas é muito importante, mas existe um problema sério de desigualdade de acesso aos imunizantes pelo mundo. Além disso, o surgimento de novas variantes reforça a necessidade de medicamentos, principalmente para tratar casos graves de covid-19.

Quais medicamentos estão disponíveis?

Há atualmente alguns medicamentos que ajudam a combater o vírus ou os efeitos dele e que agem sobre o corpo de diferentes maneiras:

  • medicamentos anti-inflamatórios para conter reações exageradas e potencialmente letais do nosso sistema imune
  • drogas antivirais que dificultam a replicação do coronavírus dentro do corpo
  • terapias de anticorpos que imitam nosso próprio sistema imunológico para atacar o vírus

Esses medicamentos são necessários em diferentes estágios da infecção e variam de muito baratos a incrivelmente caros. Alguns são mais resilientes a novas variantes que outros.

É importante destacar que até agora nenhum remédio se mostrou eficaz para prevenir infecção por coronavírus. E vários dos tratamentos disponíveis se referem a medicamentos de uso restrito a hospitais.

Drogas anti-inflamatórias

Quando você pega covid, seu corpo libera uma enxurrada de químicos para alertar que ele está sob ataque. O alerta químico é chamado de inflamação e é vital para mobilizar o sistema imune para combater a covid.

Mas se você não se livrar do vírus rapidamente, a inflamação pode sair do controle e eventualmente danificar órgãos vitais, como os pulmões. E essa inflamação excessiva pode matar. É no controle da inflamação que agem os chamados corticosteroides, recomendados pela OMS para uso em pacientes com quadro grave ou crítico de covid-19.

Um esteroide anti-inflamatório que já existia antes da pandemia, a dexametasona, foi a primeira droga aprovada para ajudar a salvar a vida de pessoas com a doença. Ela é administrada a pacientes em estado grave, com problemas respiratórios. Testes revelam que esse remédio reduz em um quinto o risco de morte para pacientes com suporte de oxigênio e em um terço para pacientes que necessitam de ventilação mecânica.

Mais recentemente, no dia 21 de janeiro, a Organização Mudial da Saúde recomendou o uso do medicamento baricitinibe para o tratamento da covid-19.

O baricitinibe é um anti-inflamatório usado principalmente no tratamento da artrite reumatoide. Na pesquisa publicada pelo grupo de trabalho da OMS, o uso do baricitinibe é recomendado em pacientes graves, pois aumenta a probabilidade de sobrevivência às complicações que o coronavírus pode causar, além de reduzir a necessidade de ventilação mecânica.

Drogas antivirais

Um antiviral ataca a habilidade do coronavírus de fazer cópias de si mesmo dentro do corpo humano. Esse tipo de droga serve para manter o vírus em baixas quantidades, para que haja menos dele para o sistema imune lidar.

Aprovado em janeiro de 2022 para uso no Reino Unido, o paxlovid é uma pílula tomada duas vezes por dia por cinco dias. De acordo com seu fabricante, a Pfizer, ela reduz o risco de hospitalização e morte em 89% em adultos vulneráveis.

Outro antiviral, o remdesivir, é administrado por infusão intravenosa e reduziria o tempo de recuperação da covid. Esse remédio foi aprovado em março de 2021 para utilização no Brasil, para pacientes de covid com idade igual ou superior a 12 anos, peso corporal de pelo menos 40 kg, com pneumonia e necessidade de suplementação de oxigênio de baixo ou alto fluxo ou outra ventilação não invasiva.

Essas drogas vão funcionar contra variantes?

A expectativa é que os anti-inflamatórios funcionem contra todas as variantes porque visam nosso organismo, não o próprio vírus.

Há mais preocupação sobre se os anticorpos monoclonais funcionariam com novas variantes, porque eles foram desenvolvidos para se espelhar no vírus. Se a variante tem muitas mutações, ela terá menos semelhanças com os anticorpos monoclonais sintéticos. No entanto, a GSK diz que testou a terapia com sintrovimabe contra a variante Ômicron e disse que ela continua eficaz em estudos de laboratório.

Espera-se que os antivirais resistam às variantes vistas até agora. Nenhuma das mutações observadas no Ômicron parece afetar a capacidade de ação desses medicamentos.

Que outras drogas estão disponíveis?

O uso de diversas outras drogas chegou a ser defendido para tratamento da covid, embora sem indicativo de serem eficazes contra a doença. No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro continua defendendo o uso da cloroquina, sendo que a utilização desse medicamento para a covid-19 é expressamente desaconselhado pela Organização Mundial da Saúde.

A ivermectina também foi promovida por Bolsonaro e outros lideres em diferentes partes do mundo, mas não há evidências científicas de que funcione. A OMS desaconselha o uso da ivermectina para covid-19, com exceção de sua utilização em contexto de ensaio clínico.

A coleta de anticorpos do sangue dos sobreviventes – conhecida como terapia de plasma convalescente – chegou a ser divulgada como possibilidade, mas não reduziu as mortes.

Também houve especulação de que os medicamentos usados ​​para tratar a malária e o HIV poderiam funcionar, mas nenhum teste comprovou eficácia. E até agora nenhum remédio se mostrou eficaz para prevenir infecção por coronavírus.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Mãe flagra enfermeira injetar seringa sem aplicar vacina no filho

Publicado

em



Ao registrar o filho de 11 anos tomando a vacina contra a Covid-19, uma mãe flagrou a enfermeira injetando a seringa no braço do garoto sem aplicar o imunizante. O caso ocorreu na manhã desta terça-feira (25) em um posto em Taubaté (SP). De acordo com Paola Dino, mãe do garoto, o filho estava ansioso pela vacina. Ao perceber que a profissional da saúde havia retirado a seringa sem apertar o êmbolo para aplicar o imunizante, ela alertou a equipe da unidade de saúde do Jardim Mourisco.

“Eu sou mãe e surda. Ser não fosse esse vídeo, ninguém iria acreditar em mim. Foi minha filha de 9 anos que me pediu para gravar um vídeo. Ainda bem que gravei, na hora de aplicar eu vi o que aconteceu. Mas eu sou mãe igual uma leoa. Os pais têm que ficar alerta”, disse a mãe.

Após ser constatado pela filmagem que o garoto não havia tomado a vacina, ele recebeu a dose de forma correta.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Horizontina registra 42 casos em 24h

Publicado

em



Nas últimas 24 horas foram registrados 42 casos novos de Covid 19. 20 do sexo feminino e 22 do masculino.

No mesmo período tivemos 115 (cento e quinze) altas do monitoramento clínico domiciliar. Quarenta e sete (47) são altas de casos positivados, seguindo os novos protocolos da SES, que tornaram de menos dias a necessidade de isolamento.

É de 458 nesta data, o número de pessoas em monitoramento domiciliar, por apresentarem sintomas gripais leves, e/ou por terem tido contatos com pessoas positivadas no município ou fora dele. Temos uma pessoa internada por SRAG.

NÚMEROS DO DIA

PACIENTES SRAG – SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE (quando necessita internação hospitalar): 1

ÓBITOS NO DIA: NÃO

REGISTROS CUMULATIVOS DO COES

19/03/2020 a 25/01/2022

-3.691 casos de COVID 19 confirmados no município.

-3.283 RECUPERADOS.

–   368 CASOS ATIVOS

–     40 ÓBITOS:

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×