Em uma semana, duplica a área de soja colhida no Estado - Portal Plural
Connect with us

Agro

Em uma semana, duplica a área de soja colhida no Estado

Publicado

em

Foto: Djonatan Coppetti

Academia Personatopo humbeto pluralNuveraFAST AÇAÍ

As lavouras de soja no Rio Grande do Sul estão com 39% das áreas cultivadas colhidas, o que representa mais que a duplicação em uma semana, visto na semana passada (19/03) recém 18% das áreas cultivadas havia sido colhidas. De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado pela Emater/RS-Ascar, em parceria com a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), o restante da cultura está 1% em floração, 17% em enchimento de grãos e 43% madura e por colher.

Este período foi marcado pela ocorrência de chuvas de baixo volume na maior parte do Estado e a temperatura se manteve amena durante o dia e predominou o ar seco, que deixou o tempo firme em todo RS. Essas condições têm contribuído para ampliação das perdas na cultura, exigindo que os produtores de todas as regiões recorram à cobertura de Proagro e de seguros.

De acordo com a publicação semanal, as lavouras de milho estão 3% em germinação e desenvolvimento vegetativo, 4% em floração, 13% em enchimento de grãos, 15% dos cultivos estão maduros e 65% já foram colhidos. O prolongamento da estiagem tem forçado também os produtores de milho a solicitar vistorias para comprovar as perdas e viabilizar o acesso ao seguro agrícola e ao Proagro.

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Pelotas, a colheita das lavouras de milho para silagem já chega a 51% da área. Em Cerrito, a colheita corresponde a 70% das áreas semeadas, e em Pelotas, a 60%. A silagem elaborada tem se mantido com qualidade inferior e com rendimentos bastante baixos, entre seis mil e oito mil quilos por hectare.  

A colheita do feijão 1ª safra avança nos Campos de Cima da Serra, na regional de Caxias do Sul, onde predominam as grandes áreas cultivadas. É boa a qualidade dos grãos, e os preços em elevação animam os produtores.  Na região de Pelotas, predomina a fase de colheita (74%), já concluída em Tavares, Arroio do Padre, Cerrito, Pinheiro Machado, Piratini, Canguçu, Santana da Boa Vista, Pelotas e em São Lourenço do Sul.  

Na regional da Emater/RS-Ascar de Frederico Westphalen, 60% das lavouras da segunda safra de feijão estão em estágio de desenvolvimento vegetativo e 40% em floração. De maneira geral, as lavouras implantadas apresentam retardo no desenvolvimento vegetativo e os produtores têm dificuldades de fazer a aplicação de adubação nitrogenada e o controle de pragas e doenças.  

OLERÍCOLAS
Com as temperaturas mais amenas e a ocorrência de chuvas na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Santa Rosa, produtores iniciam o preparo das áreas para a implantação das hortas domésticas, com colocação de adubo químico e orgânico, revolvimento do solo, demarcação e construção dos canteiros. Entretanto, o quadro climático não reverteu a baixa oferta de hortaliças na região, provocando alta nos preços.

A entrada do outono tende a melhorar as condições de clima para o desenvolvimento das novas hortas e, assim, no final de abril, melhorar a oferta de produtos no mercado, retomando preços normais. Alguns produtores iniciaram o plantio de alho e a semeadura de cebola, para posterior replantio na área definitiva. Também ocorre o plantio de cebola em forma de bulbos para a produção de mudas, a cebola-família. Iniciou o plantio de ervilha.

É menor a oferta de mudas de olerícolas nas agropecuárias. Alguns agricultores que fornecem um número maior de olerícolas e fazem entregas a domicílio estão optando por entregar toda a produção em um único lugar, preferencialmente nas cooperativas ou fruteiras, a fim de diminuir o contato com pessoas em função da Covid-19.

FRUTÍCOLAS
Entre as frutícolas cultivadas na Regional de Santa Rosa, o abacate está em plena frutificação, com boa carga de frutos, e o caqui está em fase final de colheita. A cultura de abacaxi, predominada com cultivos da variedade Pérola, está em fase final de colheita, e alguns frutos apresentam queima pelo sol. Nogueiras estão em plena frutificação, com grande variação de carga de frutos entre as plantas. Esporadicamente, há plantas com a broca do tronco e também com antracnose, causando secagem de ramos. A cultura da banana apresenta forte emissão de clones/brotos e cachos. Laranjais estão com boa brotação nova, bergamota segue em pleno desenvolvimento e a variedade Satsuma Okitsu apresenta queima dos frutos devido à forte insolação.
 
PASTAGENS
A ocorrência de chuva em pequena quantidade e com distribuição irregular na semana passada alterou muito pouco o quadro nas diversas regiões do Rio Grande do Sul em relação às pastagens. Os campos nativos e as pastagens cultivadas de verão continuam predominantemente com poucos rebrotes, muito fibrosos, pouco palatáveis e com qualidade nutricional reduzida.  
 
APICULTURA
Em todas as regiões do Estado foi boa a atividade das colmeias, mas a produção de mel é variada, dependo da maior ou menor disponibilidade de floradas.

PSICICULTURA
A diminuição continuada do nível de água dos açudes implica diretamente na redução da qualidade da água, dificultando a oxigenação e as demais condições alimentares necessárias à manutenção dos peixes.

Nas regiões da Emater/RS-Ascar de Porto Alegre e de Erechim, foram registrados alguns casos de morte de peixes criados em viveiros, causada por níveis muito baixos de água e consequente deficiência de oxigenação. Entre as medidas tomadas para prevenir a disseminação da Covid-19, em alguns municípios foram canceladas as feiras para comercialização de peixes.

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agro

Clima favorece plantio da safra de inverno no RS

Publicado

em

portal plural clima favorece plantio da safra de inverno no rs
Foto: Divulgação/ Emater-Ascar
Academia PersonaFAST AÇAÍtopo humbeto pluralNuvera

As condições climáticas, observadas no período, favoreceram a intensificação da semeadura das lavouras de inverno no Rio Grande do Sul, especialmente de trigo. Anteriormente, essa atividade havia sido represada devido à concentração dos produtores na conclusão da safra de verão e às condições ambientais adversas (chuvas e excesso de umidade no solo), que limitavam a operação apenas nos terrenos mais secos. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado nesta quinta-feira (13/06) pela Emater/RS-Ascar, houve intensa movimentação de tratores e máquinas semeadoras, visando ampliar a extensão cultivada, considerada em atraso. Nas áreas implantadas mais precocemente, observa-se boa evolução das lavouras de trigo, embora algumas partes apresentem problemas no estande de plantas, em razão da semeadura em solo excessivamente úmido, que causou o selamento dos sulcos pela passagem dos discos das semeadoras, agravado pela ausência de chuvas após essa operação.

A área cultivada com trigo na safra 2023 no Estado foi de 1.505.807 hectares, e a produtividade foi de 1.751 kg/ha (IBGE). A Emater/RS-Ascar está realizando o levantamento de intenção de plantio para a safra 2024, que deverá ser apresentado nas próximas semanas. Preliminarmente, a tendência observada é de pequena redução, comparativamente à safra anterior. A redução da área de plantio se justifica pelos baixos preços do cereal e pela frustração de produtividade na última safra.

No caso da aveia branca, outra importante cultura de inverno, houve intensa atividade de semeadura durante o período, visando aproveitar as condições adequadas de umidade do solo. As primeiras lavouras semeadas estão em desenvolvimento vegetativo e apresentam elevada incidência de pulgões e complexo de manchas foliares, cuja proliferação é favorecida pelas altas temperaturas, atípicas para o período. A área cultivada com aveia branca na safra anterior no Estado (2023) foi de 364.989 hectares, e a produtividade foi de 1.619 kg/ha (IBGE).

A semeadura da canola está mais avançada em comparação a outras culturas de inverno, pois o período preferencial de cultivo, segundo o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), ocorre de forma antecipada em relação às demais cultivadas no mesmo período produtivo. A área cultivada com canola na safra anterior no Estado (2023) foi 77.418 hectares, e a produtividade foi de 1.474 kg/ha (IBGE). A

Cevada – É período de semeadura e os principais produtores localizam-se nas regiões do Alto Uruguai e Planalto. A área cultivada na safra anterior no Estado (2023) foi de 40.695 hectares, e a produtividade foi de 1.961 kg/ha (IBGE). A Emater/RS-Ascar está conduzindo o levantamento de intenção de plantio para a safra 2024; os resultados preliminares indicam decréscimo significativo em comparação à safra anterior. A tendência é de que, proporcionalmente, haverá a maior redução de área entre as principais culturas de inverno. Segundo os produtores, a principal razão para essa diminuição foi a frustração da safra anterior, na qual quase a totalidade dos grãos produzidos não obteve classificação comercial adequada para a indústria cervejeira.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Sensibilizados com efeitos da enchente, agricultores de Senador Salgado Filho doam feno a propriedades atingidas

Publicado

em

portal plural sensibilizados com efeitos da enchente, agricultores de senador salgado filho doam feno a propriedades atingidas
Foto: Divulgação/ Emater-Ascar
Academia PersonaNuveratopo humbeto pluralFAST AÇAÍ

Diante do cenário enfrentado por aqueles que vivem em municípios atingidos pelas recentes enchentes e que estão com dificuldade de alimentar seus animais, agricultores de Senador Salgado Filho atenderam ao chamado para adesão à campanha de arrecadação de feno, que está sendo realizada na região de Santa Rosa. Para a mobilização local das doações, uniram esforços a Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural, e a Secretaria Municipal de Agricultura.

Foram doados 400 fardos de feno, pelos produtores de Senador Salgado Filho Arno Martin, Nelson Sergio Barbosa da Silva, Jair Friske e Lauri Adelar Bloch. O transporte do feno até o Parque de Exposições de Santa Rosa também ocorreu de forma voluntária, sendo realizado pelo produtor Arisvaldo Pazze. No local, através de parceria entre Emater/RS-Ascar, Fenasoja e Prefeitura de Santa Rosa, estão sendo recebidas doações de diferentes pontos da região.

As cargas de feno estão sendo levadas até regiões atingidas pelas enchentes que assolaram o RS, onde são encaminhadas para propriedades rurais em que os animais sofrem com a deficiência de disponibilidade de alimentos.

Mais de 50 toneladas já foram recebidas e outras cargas estão sendo aguardadas. Para saber como aderir à campanha ou obter mais informações sobre como receber o feno, caso você esteja em um dos locais atingidos pelas enchentes, contate o escritório da Emater/RS-Ascar de seu município.

 

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Colheita da soja é concluída em parte do RS

Publicado

em

portal plural colheita da soja é concluída em parte do rs
Foto: Divulgação/ Emater-Ascar
topo humbeto pluralAcademia PersonaNuveraFAST AÇAÍ

A colheita da soja foi concluída nas regiões Noroeste, Alto Uruguai, Nordeste e parte do Planalto do Rio Grande do Sul. Nas últimas lavouras colhidas, em que os produtores aproveitaram os breves períodos secos e ensolarados, os grãos retirados apresentaram condições físicas e sanitárias relativamente melhores, apesar do longo período de maturação a campo. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado nesta quinta-feira (06/06) pela Emater/RS-Ascar, as lavouras em colheita apresentaram perdas crescentes devido à debulha natural, aos grãos germinados e avariados e às falhas na trilha, causadas pelo excesso de umidade. Destaca-se, de forma geral, a perda expressiva de qualidade dos grãos.

Ainda restam muitas lavouras de soja a serem colhidas nas regiões Sul e Campanha do RS, resultando em elevadas perdas de produção e econômicas. Na ponderação estadual, estima-se que 96% das áreas foram colhidas, estando 4% em maturação.

Até o início das intensas precipitações, ocorridas após 29/04, as produtividades obtidas eram consideradas muito satisfatórias, atingindo picos de 5.400 kg/ha e produção mediana pouco acima de 3.300 kg/ha. Entretanto, em função da impossibilidade de colheita imediata das lavouras maduras e da continuidade nas em maturação, a perspectiva para as áreas remanescentes, que representam aproximados 24% do total, foi abruptamente alterada, impactando de forma negativa, tanto a produção quanto a produtividade.

Destaca-se que a queda da produtividade da soja deverá repercutir na redução da safra estadual. A estimativa, realizada em novembro de 2023 pela Emater/RS-Ascar, indicava produção de 22.246.630 toneladas em área de 6.681.716 hectares, com produtividade de 3.329 kg/ha. A área afetada pelo evento climático está estimada em 1.490.505 hectares, e as perdas de produção são de 2.714.151 toneladas. A nova estimativa de produção estadual, descontando as perdas levantadas, deverá totalizar 19.532.479 toneladas, e a produtividade deve ser reduzida para 2.923 kg/ha.

Após a retirada da soja, parte dos produtores está realizando reparos em inúmeros locais onde ocorreu erosão do solo e buscando recuperar parte da fertilidade com a adição de corretivos de acidez e de nutrientes.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×