El Niño deve se estender até março, indicam análises climáticas
Connect with us

Agro

El Niño deve se estender até março, indicam análises climáticas

Publicado

em

portal plural el niño deve se estender até março, indicam análises climáticas

Academia PersonaFAST AÇAÍtopo humbeto pluralNuvera

Com base nas análises mais recentes do Centro de Previsão Climática (CPC) em colaboração com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), a probabilidade de persistência do El Niño de janeiro a março de 2024 agora ultrapassa 95%. Esse período de influência é um pouco mais extenso do que a previsão anterior, que indicava 95% de probabilidade de impacto do fenômeno entre dezembro de 2023 e fevereiro de 2024.

O El Niño, fenômeno climático caracterizado pelo aquecimento atípico das águas do Oceano Pacífico Equatorial, perturba o padrão normal das correntes marítimas, causando alterações significativas nos padrões de chuva e temperatura globalmente. Essas mudanças podem ter repercussões substanciais na agricultura.

Durante agosto, as temperaturas da superfície do mar no Oceano Pacífico equatorial registraram valores acima da média, alcançando até +2,9°C em algumas regiões. O setor responsável por avaliar a intensidade do El Niño observou um aumento de +1,6°C em relação à média, classificando o evento como “Forte”.

Conforme os dados mais recentes do Instituto Internacional de Pesquisa para o Clima e a Sociedade (IRI), a presença do El Niño deverá persistir ao longo do verão de 2023-24. Embora a projeção de curto prazo apresente uma diferença média semelhante à do mês anterior, as chances de um El Niño “forte” aumentaram para 71%.

Previsões indicam que cerca de 25% das terras agrícolas globais serão afetadas pela influência do El Niño, conforme o Monitoramento Agrícola Global do Grupo de Observações da Terra (GEOGLAM). Os impactos regionais nas precipitações e nos rendimentos agrícolas são esperados.

Setores como café, hortifrutis e citros estão em alerta, pois, após três anos de La Niña, o retorno da estação chuvosa agora traz preocupações com as altas temperaturas, que podem afetar as áreas de produção. No Centro-Norte do Brasil, a redução das chuvas é uma preocupação, com o potencial de impactar significativamente as áreas rurais e o abastecimento de água, de acordo com as projeções associadas ao El Niño.

Fonte: Blog Verde

Compartilhe

Agro

Clima favorece plantio da safra de inverno no RS

Publicado

em

portal plural clima favorece plantio da safra de inverno no rs
Foto: Divulgação/ Emater-Ascar
Academia Personatopo humbeto pluralNuveraFAST AÇAÍ

As condições climáticas, observadas no período, favoreceram a intensificação da semeadura das lavouras de inverno no Rio Grande do Sul, especialmente de trigo. Anteriormente, essa atividade havia sido represada devido à concentração dos produtores na conclusão da safra de verão e às condições ambientais adversas (chuvas e excesso de umidade no solo), que limitavam a operação apenas nos terrenos mais secos. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado nesta quinta-feira (13/06) pela Emater/RS-Ascar, houve intensa movimentação de tratores e máquinas semeadoras, visando ampliar a extensão cultivada, considerada em atraso. Nas áreas implantadas mais precocemente, observa-se boa evolução das lavouras de trigo, embora algumas partes apresentem problemas no estande de plantas, em razão da semeadura em solo excessivamente úmido, que causou o selamento dos sulcos pela passagem dos discos das semeadoras, agravado pela ausência de chuvas após essa operação.

A área cultivada com trigo na safra 2023 no Estado foi de 1.505.807 hectares, e a produtividade foi de 1.751 kg/ha (IBGE). A Emater/RS-Ascar está realizando o levantamento de intenção de plantio para a safra 2024, que deverá ser apresentado nas próximas semanas. Preliminarmente, a tendência observada é de pequena redução, comparativamente à safra anterior. A redução da área de plantio se justifica pelos baixos preços do cereal e pela frustração de produtividade na última safra.

No caso da aveia branca, outra importante cultura de inverno, houve intensa atividade de semeadura durante o período, visando aproveitar as condições adequadas de umidade do solo. As primeiras lavouras semeadas estão em desenvolvimento vegetativo e apresentam elevada incidência de pulgões e complexo de manchas foliares, cuja proliferação é favorecida pelas altas temperaturas, atípicas para o período. A área cultivada com aveia branca na safra anterior no Estado (2023) foi de 364.989 hectares, e a produtividade foi de 1.619 kg/ha (IBGE).

A semeadura da canola está mais avançada em comparação a outras culturas de inverno, pois o período preferencial de cultivo, segundo o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), ocorre de forma antecipada em relação às demais cultivadas no mesmo período produtivo. A área cultivada com canola na safra anterior no Estado (2023) foi 77.418 hectares, e a produtividade foi de 1.474 kg/ha (IBGE). A

Cevada – É período de semeadura e os principais produtores localizam-se nas regiões do Alto Uruguai e Planalto. A área cultivada na safra anterior no Estado (2023) foi de 40.695 hectares, e a produtividade foi de 1.961 kg/ha (IBGE). A Emater/RS-Ascar está conduzindo o levantamento de intenção de plantio para a safra 2024; os resultados preliminares indicam decréscimo significativo em comparação à safra anterior. A tendência é de que, proporcionalmente, haverá a maior redução de área entre as principais culturas de inverno. Segundo os produtores, a principal razão para essa diminuição foi a frustração da safra anterior, na qual quase a totalidade dos grãos produzidos não obteve classificação comercial adequada para a indústria cervejeira.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Sensibilizados com efeitos da enchente, agricultores de Senador Salgado Filho doam feno a propriedades atingidas

Publicado

em

portal plural sensibilizados com efeitos da enchente, agricultores de senador salgado filho doam feno a propriedades atingidas
Foto: Divulgação/ Emater-Ascar
Academia PersonaNuveraFAST AÇAÍtopo humbeto plural

Diante do cenário enfrentado por aqueles que vivem em municípios atingidos pelas recentes enchentes e que estão com dificuldade de alimentar seus animais, agricultores de Senador Salgado Filho atenderam ao chamado para adesão à campanha de arrecadação de feno, que está sendo realizada na região de Santa Rosa. Para a mobilização local das doações, uniram esforços a Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural, e a Secretaria Municipal de Agricultura.

Foram doados 400 fardos de feno, pelos produtores de Senador Salgado Filho Arno Martin, Nelson Sergio Barbosa da Silva, Jair Friske e Lauri Adelar Bloch. O transporte do feno até o Parque de Exposições de Santa Rosa também ocorreu de forma voluntária, sendo realizado pelo produtor Arisvaldo Pazze. No local, através de parceria entre Emater/RS-Ascar, Fenasoja e Prefeitura de Santa Rosa, estão sendo recebidas doações de diferentes pontos da região.

As cargas de feno estão sendo levadas até regiões atingidas pelas enchentes que assolaram o RS, onde são encaminhadas para propriedades rurais em que os animais sofrem com a deficiência de disponibilidade de alimentos.

Mais de 50 toneladas já foram recebidas e outras cargas estão sendo aguardadas. Para saber como aderir à campanha ou obter mais informações sobre como receber o feno, caso você esteja em um dos locais atingidos pelas enchentes, contate o escritório da Emater/RS-Ascar de seu município.

 

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Agro

Colheita da soja é concluída em parte do RS

Publicado

em

portal plural colheita da soja é concluída em parte do rs
Foto: Divulgação/ Emater-Ascar
Academia Personatopo humbeto pluralFAST AÇAÍNuvera

A colheita da soja foi concluída nas regiões Noroeste, Alto Uruguai, Nordeste e parte do Planalto do Rio Grande do Sul. Nas últimas lavouras colhidas, em que os produtores aproveitaram os breves períodos secos e ensolarados, os grãos retirados apresentaram condições físicas e sanitárias relativamente melhores, apesar do longo período de maturação a campo. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado nesta quinta-feira (06/06) pela Emater/RS-Ascar, as lavouras em colheita apresentaram perdas crescentes devido à debulha natural, aos grãos germinados e avariados e às falhas na trilha, causadas pelo excesso de umidade. Destaca-se, de forma geral, a perda expressiva de qualidade dos grãos.

Ainda restam muitas lavouras de soja a serem colhidas nas regiões Sul e Campanha do RS, resultando em elevadas perdas de produção e econômicas. Na ponderação estadual, estima-se que 96% das áreas foram colhidas, estando 4% em maturação.

Até o início das intensas precipitações, ocorridas após 29/04, as produtividades obtidas eram consideradas muito satisfatórias, atingindo picos de 5.400 kg/ha e produção mediana pouco acima de 3.300 kg/ha. Entretanto, em função da impossibilidade de colheita imediata das lavouras maduras e da continuidade nas em maturação, a perspectiva para as áreas remanescentes, que representam aproximados 24% do total, foi abruptamente alterada, impactando de forma negativa, tanto a produção quanto a produtividade.

Destaca-se que a queda da produtividade da soja deverá repercutir na redução da safra estadual. A estimativa, realizada em novembro de 2023 pela Emater/RS-Ascar, indicava produção de 22.246.630 toneladas em área de 6.681.716 hectares, com produtividade de 3.329 kg/ha. A área afetada pelo evento climático está estimada em 1.490.505 hectares, e as perdas de produção são de 2.714.151 toneladas. A nova estimativa de produção estadual, descontando as perdas levantadas, deverá totalizar 19.532.479 toneladas, e a produtividade deve ser reduzida para 2.923 kg/ha.

Após a retirada da soja, parte dos produtores está realizando reparos em inúmeros locais onde ocorreu erosão do solo e buscando recuperar parte da fertilidade com a adição de corretivos de acidez e de nutrientes.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×