Covid: OMS avalia argumento chinês de que novos surtos têm relação com congelados – Portal Plural
Connect with us

Mundo

Covid: OMS avalia argumento chinês de que novos surtos têm relação com congelados

Publicado

em



A Organização Mundial da Saúde (OMS) avalia o argumento da China de que os novos surtos de coronavírus identificados no país asiático têm relação com embalagens de alimentos congelados Enquanto Pequim intensifica os esforços para promover a teoria, a União Europeia (UE) e os Estados Unidos fazem lobby contra as verificações extras em seus produtos.

Um rascunho de um documento da OMS, enviado ao Wall Street Journal, destaca que o vírus pode se espalhar no frio e ser reintroduzido em países onde a pandemia está sob controle. Autoridades do organismo multilateral disseram que o rascunho não foi liberado para publicação e foi enviado por engano.

Recentemente, após culpar as importações de alimentos congelados pelos surtos recentes de coronavírus, a China introduziu testes obrigatórios e desinfecção de produtos estrangeiros, dizendo ter encontrado traços do vírus nas embalagens de produtos, incluindo carne suína americana, camarão saudita e carne bovina brasileira

Enquanto isso, os EUA, a UE e vários outros governos estão contestando a avaliação de Pequim sobre as evidências, assim como muitos especialistas de fora da China. Esses países estão preparando uma carta conjunta para Pequim chamando suas restrições de injustas, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto. Fonte: Dow Jones Newswires.

Estadão

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Ginecologista parisiense renomado é acusado de violentar pacientes

Publicado

em



O chefe do centro de endometriose do Hospital Tenon, em Paris, Emile Daraï, foi denunciado por diversas pacientes, que relataram ter sido submetidas a violências físicas e verbais, e é alvo de uma investigação interna. A reportagem foi publicada com exclusividade pelo site da rádio Franceinfo, da França.

Algumas das pacientes o descrevem como um “açougueiro”, relata a Franceinfo, que ouviu várias mulheres. Outras o comparam a um “veterinário” após consultas tão esperadas com o médico, um dos maiores especialistas parisienses de endometriose.

 

Uma das vítimas descreve que, depois de meses de espera, conseguiu um horário com o especialista. À Franceinfo, a paciente contou que o exame foi feito com extrema violência. A tal ponto que os pontos de uma operação recente que ela tinha realizado acabaram cedendo. “Senti uma dor extrema, senti que estava sangrando, comecei a me debater e soltei um grito. Ainda sinto no meu corpo uma parte dessa sensação. A gente não esquece esse tipo de coisa”, relata.

Ela deixou o consultório chorando e decidiu alertar, algumas semanas mais tarde, o Conselho Regional de Medicina e o hospital Tenon. Na carta, que ela escreveu em agosto de 2014, ela denunciou os atos de violência. “Os gestos do médico são particularmente chocantes e suas práticas deontológicas são questionáveis. Sofro de uma endometriose ginecológica e digestiva e estou habituada a exames vaginais e anais. Nunca recusei esse tipo de gesto sem ter uma boa razão para isso, e estou acostumada à dor que esses exames normalmente provocam. Durante toda minha trajetória de paciente, nada se compara à violência do exame de toque retal imposto pelo Dr. Daraï”, denunciou.

O clínico-geral da paciente também escreveu uma carta para o especialista dizendo que ela estava em “estado de choque” depois do exame. Depois de ser submetida a uma nova operação para, segundo ela, tratar as fissuras provocadas pelo exame brutal, ela recebeu uma carta do Dr. Daraï em casa. Ele desmentiu a versão da paciente e afirmou que seu exame clínico “é sempre praticado com delicadeza”.

Outras pacientes também se queixaram do comportamento do ginecologista e descreveram a brutalidade dos exames.

Residentes presenciaram atos

 

A rádio francesa entrou em contato com outras pacientes e também com estudantes de Medicina que denunciaram as práticas do especialista. “Tive a impressão de estar ficando louca, mas nunca nenhum ginecologista jamais agiu desse jeito comigo”, diz Lucie, outra vítima.

Uma estudante conta ter assistido a uma consulta em que o médico violentou uma paciente com o espéculo. “Tive vontade chorar. Tinha acabado de assistir a um estupro e não disse nada”, declarou a residente à Franceinfo. Outros descrevem comentários de mau gosto feitos pelo médico durante cirurgias para retirar tumores do ovário em estágio avançado.

 

O Conselho Departamental do Conselho Regional de Medicina de Paris disse ter recebido três queixas em 2014 contra o médico, mas nenhuma paciente levou o procedimento adiante. A APHP, instituição que administra os hospitais públicos parisienses, também declarou ter recebido cinco reclamações. Segundo a APHP, uma investigação interna conjunta será realizada pelo hospital Tenon e a faculdade de Medicina da Sorbonne.

Fonte: g1.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

6 pessoas morrem em queda de avião na Rússia

Publicado

em



Todas as seis pessoas a bordo de um avião Antonov An-26 morreram após o turboélice bimotor cair no Extremo Oriente da Rússia, confirmaram autoridades do país nesta quinta-feira (23).

O ministério de serviços de emergência disse que encontrou os destroços em uma área de difícil acesso e que equipes de resgate caminharam por mais de cinco horas para chegar ao local.

“Infelizmente, como resultado do acidente, não há sobreviventes”, disse o ministério em um comunicado.

A aeronave tinha 42 anos e pertence a uma empresa que faz inspeções técnicas em aeroportos russos, segundo a agência de notícias TASS.

Os padrões de segurança da aviação russa melhoraram nos últimos anos, mas os acidentes não são incomuns — sobretudo de aviões envelhecidos em regiões remotas.

Em julho, todas as 28 pessoas a bordo de um outro turboélice bimotor Antonov An-26 morreram em um acidente em Kamchatka, também no Extremo Oriente do país.

Fonte: G1

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Talibã nomeia enviado à ONU e pede para falar a líderes mundiais

Publicado

em



O Talibã pediu para se pronunciar aos líderes mundiais na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova York nesta semana, e nomeou seu porta-voz Suhail Shaheen, radicado em Doha, como embaixador do Afeganistão na ONU, de acordo com uma carta vista pela Reuters na terça-feira (21).

O ministro das Relações Exteriores do Talibã, Amir Khan Muttaqi, fez o pedido em uma carta ao secretário-geral da ONU, António Guterres, na segunda-feira. Muttaqi pediu para falar durante o encontro anual de líderes da Assembleia-Geral.

O porta-voz de Guterres, Farhan Haq, confirmou a carta de Muttaqi. A medida estabelece um conflito com Ghulam Isaczai, embaixador na ONU em Nova York representando o governo afegão derrubado no mês passado pelo Talibã.

Haq disse que os pedidos rivais pela vaga do Afeganistão na ONU foram enviados a um comitê de credenciais de nove membros, entre eles Estados Unidos, China e Rússia. O comitê não deve se reunir sobre a questão antes do prazo, então é incerto que o ministro do Talibã fale diante da Assembleia-Geral.

A aceitação de um eventual embaixador do Talibã na ONU seria um passo importante para a proposta de reconhecimento internacional do grupo islâmico de linha dura, que pode ajudar a desbloquear verbas necessárias para ajudar a empobrecida economia afegã.

Guterres disse que o desejo do Talibã por reconhecimento internacional pode ser o único poder de barganha que outros países tenham para pressionar o governo e pedir o respeito por direitos, especialmente para as mulheres, no Afeganistão.

A carta do Talibã diz que a missão de Isaczai “foi considerada encerrada, e ele não representa mais o Afeganistão”, disse Haq.

Fonte: CNN Brasil.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×