Coronavírus não será problema para Olimpíada, diz embaixador do Japão – Portal Plural
Connect with us

Mundo

Coronavírus não será problema para Olimpíada, diz embaixador do Japão

Reporter Global

Publicado

em

© Wilson Dias/Agência Brasil


A pouco mais de cinco meses dos Jogos Olímpicos de Tóquio, o número de casos confirmados de contaminação por coronavírus continua crescendo no mundo, sobretudo na China. O número passa de 40 mil casos, com mais de 900 mortes confirmadas naquele país. Para o governo do Japão, entretanto, o maior evento esportivo do mundo não será afetado pela epidemia. Na opinião do embaixador do Japão no Brasil, Akira Yamada, o coronavírus não será um problema.

“Estou observando as notícias do Japão todos os dias e a gente tem muito cuidado com a saúde. A vida é normal, e nossos colegas estão se esforçando muito no preparo dos Jogos Olímpicos. Para mim, ainda que tenha problema de coronavírus, os Jogos Olímpicos e Paralímpicos em Tóquio não terão problemas”, enfatizou o embaixador.

Ele reconhece que o coronavírus tornou-se um problema mundial e tem feito turistas cancelarem viagens para a Ásia. Contudo, Yamada confia no sistema de saúde japonês e nas medidas que o governo tem tomado para evitar que o vírus se espalhe. “O Japão é um país onde o sistema de saúde é muito avançado. Os governos locais e hospitais estão trabalhando para conter a contaminação pelo coronavírus. Não podemos dizer muito [sobre a doença], mas posso dizer que o governo e as autoridades estão tomando medidas máximas para prevenir a contaminação”, disse o embaixador.

Yamada também acredita que, apesar do cenário de gravidade existente hoje, o surto já terá perdido força até os Jogos Olímpicos. “Estamos, bem como a comunidade internacional, empreendendo esforços para lutar contra o coronavírus. Creio que até os Jogos Olímpicos o problema será solucionado.”

Entre as medidas tomadas pelo governo do Japão, está a negativa de visto de entrada no país para estrangeiros com histórico de permanência na província chinesa de Hubei (onde está Wuhan, cidade considerada epicentro do surto), ou passaporte emitido naquela localidade; e a obrigatoriedade de quarentena para pessoas com o vírus. As autoridades locais também têm informado constantemente a população sobre as medidas básicas necessárias para evitar a contaminação, como lavar regularmente as mãos.

De acordo com o Centro de Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins, de Baltimore, nos Estados Unidos, o Japão tem atualmente 26 casos de contaminação confirmados, além de 135 pessoas contaminadas no navio Diamond Princess, que está agora sob quarentena no Porto de Yokohama, ao sul de Tóquio. Mais quatro pessoas chegaram a ter vírus, mas estão curadas.

Várias cidades japonesas serão sede de competições olímpicas ou receberão delegações no período de adaptação, antes do início das disputas. Os Jogos Olímpicos começarão em 24 de julho e irão até 9 de agosto. Já os jogos Paralímpicos ocorrerão entre 25 de agosto e 6 de setembro.

EBC

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

YouTube suspende conta de Trump por tempo indeterminado.

Reporter Regional

Publicado

em



A plataforma de vídeos YouTube suspendeu a conta de Donald Trump por tempo indeterminado – informou a imprensa americana, enquanto seu advogado, o ex-prefeito de Nova York Rudy Giuliani, não poderá mais ganhar dinheiro com suas gravações.

O YouTube suspendeu o canal do agora ex-presidente, com 2,77 milhões de assinantes, pela primeira vez, em 13 de janeiro, após a violenta invasão ao Capitólio em 6 de janeiro. E, há uma semana, anunciou que iria prorrogar essa suspensão por sete dias.

A plataforma norte-americana, de propriedade do Google, foi criticada pela lentidão de sua resposta, em comparação com as medidas mais contundentes de outras redes sociais. O YouTube apenas suspendeu a transmissão de novos vídeos no canal oficial do ex-presidente.

Fonte: ISTOÉ.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Joe Biden anuncia medidas para diminuir a desigualdade racial nos Estados Unidos

Reporter Global

Publicado

em



 

 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, fez um apelo firme na terça-feira (26) pela cura da divisão racial histórica no país, tomando várias medidas e prometendo outras para confrontar o racismo e a desigualdade, que segundo ele, afligem o país por muito tempo.

 

 

As tensões raciais dispararam durante os quatro turbulentos anos do governo Donald Trump e Biden apontou que o ataque do dia 6 de janeiro ao Capitólio feito por apoiadores de Trump foi conduzido por “bandidos, insurrecionalistas, extremistas políticos e supremacistas brancos”. Mas Biden disse acreditar que a grande maioria dos norte-americanos acreditam na igualdade.

“Nós nunca honramos completamente os princípios fundadores deste país para dizer o óbvio de que todas as pessoas são criadas iguais e têm o direito de serem tratadas igualmente enquanto viverem”, disse Biden em um pronunciamento na Casa Branca.

“E é hora de agir agora, não apenas porque é a coisa certa a se fazer, mas porque se o fizermos, seremos todos melhores por causa disso.”

Biden adotou medidas em quatro frentes: para conter o uso de prisões privadas pelo governo dos EUA, para incentivar a fiscalização contra a discriminação no setor de habitação, para sublinhar um comprometimento com a soberania das tribos de comunidades indígenas norte-americanas e para condenar a discriminação contra os asiático-americanos e americanos de ascendência das Ilhas do Pacífico, que segundo o democrata haviam crescido na pandemia de Covid-19.

O presidente busca reverter algumas políticas de seu antecessor republicano e cumprir as reformas de Justiça Racial prometidas durante a campanha eleitoral.

Críticos acusam Trump de seguir políticas construídas ao redor de “queixas dos brancos” no país que tem visto sua população branca diminuir em porcentagem.

O eleitorado negro se provou crítico para as vitórias de Biden, tanto na campanha pela indicação democrata, quanto para a vitória sobre Trump nas eleições em novembro.

 

Rússia

O presidente da Rússia, Vladimir Putin , e o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden , se falaram por telefone pela primeira vez desde que o americano assumiu o cargo. A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, anunciou o contato entre os líderes políticos.

Entre os temas tratados foram a proposta de extensão do tratado de armas nucleares do Novo Start, que limita o armamento de ambos países, a prisão do opositor Alexei Navalny e o apoio dos EUA à soberania da Ucrânia.

“Ele(Biden) ligou para o presidente Putin esta tarde com a intenção de discutir nossa disposição de estender o novo START por cinco anos. E também para reafirmar nosso forte apoio à soberania da Ucrânia em face da agressão em curso da Rússia, e também para levantar questões preocupantes, incluindo o hack SolarWinds, relatórios da Rússia colocando recompensas em soldados dos Estados Unidos no Afeganistão, interferência nas eleições de 2020, o envenenamento de Alexei Navalny e tratamento de manifestantes pacíficos pelas forças de segurança russas ”, declarou a porta voz do governo americano.

 

 

FONTE: O Sul

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Extinções em massa na Terra acontecem a cada 27,5 milhões de anos, diz estudo

Pável Bauken

Publicado

em



As extinções em massa acontecem de forma relativamente frequente no planeta Terra. Segundo os cientistas, houve cinco delas nos últimos 500 milhões de anos, com algumas dizimando até 70% da vida no nosso planeta. Agora, um novo estudo indica que esses eventos ocorrem de forma cíclica.

A pesquisa, publicada na revista Historical Biology, indica que as extinções em massa na Terra ocorrem aproximadamente a cada 27,5 milhões de anos. Estudos anteriores já haviam apontado que a vida marinha era afetada por eventos similares em um intervalo de tempo semelhante. Segundo os pesquisadores, essas extinções coincidem com grandes impactos de asteroides e aumento da atividade vulcânica, mas, surpreendentemente, esses eventos podem não ser aleatórios.

Os pesquisadores sugerem que esse ciclo pode coincidir com a jornada do Sistema Solar pela Via Láctea. Segundo os cientistas, o Sol e os planetas circulam no plano intermediário da galáxia a cada 30 milhões de anos. Chuvas periódicas de cometas ocorreriam no Sistema Solar durante esse mesmo período, produzindo os impactos cíclicos que resultam em extinções em massa periódicas. Essas colisões criam as condições capazes de exterminar a vida terrestre e marinha, como escuridão e frio generalizados, incêndios florestais, chuva ácida e destruição da camada de ozônio. Isso foi o que aconteceu há 66 milhões de anos, quando um asteroide atingiu nosso planeta e resultou na extinção dos dinossauros e de boa parte da vida na Terra. Depois disso, outros eventos de extinção em massa de proporções menores foram registrados, como o provocado pela queda de um meteoro há 36 milhões de anos, na Sibéria.

“As extinções em massa globais foram aparentemente causadas por impactos cataclísmicos e vulcanismo maciço, talvez às vezes atuando em conjunto”, disse Michael Rampino, professor de biologia na Universidade de Nova York e principal responsável pela pesquisa. As conclusões dos pesquisadores surgiram da comparação dos ciclos de extinção com a idade das crateras produzidas pelo impacto de cometas e asteroides, e da inundação de basalto deixada por erupções vulcânicas que cobriram grandes áreas de terra com lava.


Fontes:  Universidade de Nova York, Express Forbes

Imagens: Shutterstock.com

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×