Coronavírus: após confinamento, cidade na China registra recorde em pedidos de divórcio - Portal Plural
Connect with us

Mundo

Coronavírus: após confinamento, cidade na China registra recorde em pedidos de divórcio

Com a quarentena imposta pelo governo, muitos casais parecem não ter resistido à proximidade em tempo integral

Publicado

em

O município de Xiam registrou recorde de pedidos de divórcio após quarentena Foto: Getty Images

topo humbeto pluralAcademia PersonaFAST AÇAÍNuvera

Enquanto o Ocidente começa a viver a experiência claustrofóbica do confinamento — medida necessária para conter a disseminação da covid-19 —, os relatos vindos da China pintam um quadro de que a vida está, aos poucos, voltando ao normal.

Mas a quarentena forçada deixou algumas consequências inesperadas. Muitos casais parecem não ter resistido à proximidade em tempo integral. A mídia chinesa identificou uma corrida aos cartórios por aqueles que não pretendem seguir juntos.

Em alguns distritos, todos os horários disponíveis para tratar do tema nos escritórios locais do governo estão tomados por semanas.

Outros sites também indicaram haver relatos de uma procura acima da média em cartórios de municípios de outras províncias, como a de Sichuan, por formulários de divórcio.

Nas redes sociais, a notícia não chegou a causar surpresa entre os chineses. “É muito tempo junto. Eu tenho visto cada vez mais histórias sobre separações. Muitas piadas também. Mas o problema parece sério”, disse à BBC News Brasil, Ge, uma professora de 29 anos. Ela própria não é casada. E diz imaginar o estresse de estar sob o mesmo teto neste momento de muito estresse econômico e perguntas sobre o futuro.

“Grandes episódios como este fazem as pessoas pensar mais nas suas vidas e o que realmente interessa”, afirmou à BBC News Brasil a escritora Lijia Zhang, autora de A garota da Fábrica de Mísseis: memórias de uma operária na nova China. “É verdade também que os casamentos que sobreviveram à quarentena devem seguir mais fortes!”, complementa.

É cedo para entender o que está acontecendo — e se o fenômeno se observará nacionalmente e mesmo em outros países que adotaram medidas de confinamento. Além disso, os cartórios estiveram fechados durante cerca de um mês, o que cria uma demanda reprimida. E os chineses já vinham se divorciando em um ritmo mais acelerado nos últimos anos.

Em 2016, o número de casais que se separou na China chegou a 4,2 milhões, um aumento expressivo em relação a 1985, quando a taxa não passava de 485 mil.

As leis mudaram no país nos últimos anos. Têm se adaptado aos novos tempos. Hoje, 70% dos divórcios já seriam pedidos por mulheres no país, segundo Zhou Qiang, presidente da Suprema Corte do Povo durante discurso proferido em novembro passado. Foi garantido esse direito às mulheres ainda em 1950, quando o partido comunista chinês criou a Nova Lei do Casamento.

“Fiz um brinde com a minha filha quando soube da notícia. Considero isso uma conquista de liberação das chinesas, porque elas estão mais assertivas ao buscar o que querem. Já não estão mais dispostas a aceitar um casamento infeliz, como as nossas mães fizeram”, disse Lijia Zhang.

Mas o fato é que os chineses também estão se casando menos. Apenas 7,2 pessoas em 1 mil resolveram juntar as escovas de dente oficialmente em 2018. Trata-se do índice mais baixo desde 2013, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas do governo. Pesquisa realizada pelo Diário do Povo mostra que 29,5% dos entrevistados não tinha se casado porque não haviam encontrado a pessoa certa. Outros 23,4% afirmaram não estar preparados para assumir a responsabilidade de começar uma família.

Neste contexto, as separações provocadas pelo coronavírus certamente não ajudam o governo, que acabou, em 2016, com a longeva política do filho único, adotada na década de 1970. Pequim agora quer mais é que os chineses tenham mais filhos. O problema é que os jovens, e sobretudo mulheres, acham caro aumentar a família e estão mais preocupados em investir em suas carreiras profissionais.

Dados da Comissão Nacional de Saúde da China indicam que o país terá 487 milhões de idosos em 2050, cerca de 35% da população total. Em 2018, a taxa estava em 17,3%, ou 242 milhões de pessoas.

Época / Globo

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Benin quer conceder nacionalidade a todos os afrodescendentes do mundo; entenda

Publicado

em

portal plural benin quer conceder nacionalidade a todos os afrodescendentes do mundo; entenda
Foto: Ricardo Stuckert/Presidência da República
Academia Personatopo humbeto pluralNuveraFAST AÇAÍ

Um país na África Ocidental com litoral no Oceano Atlântico e uma população de pouco mais de 13 milhões de habitantes, o Benin tem discutido uma ideia inovadora nos últimos meses: conceder nacionalidade a todos os afrodescendentes do planeta.

O projeto, enviado pelo governo e ainda em análise no parlamento beninense, foi mencionado pelo presidente Patrice Talon durante sua visita oficial ao Brasil na última semana, em um discurso ao lado do presidente Lula.

“Na nossa visão, todos os brasileiros afrodescendentes são beninenses. E isso deveria ser motivo de orgulho para eles. Por esse motivo, será votada nos próximos dias uma lei para conceder a nacionalidade beninense a todos os afrodescendentes que assim o desejarem. Portanto, de agora em diante, senhor presidente, o senhor será beninense também”, declarou Talon, sob aplausos dos presentes.

Se aprovado, o projeto terá abrangência global, mas terá especial relevância para o Brasil – principal destino do tráfico de negros escravizados e que hoje abriga a maior população preta e parda fora da África.

Entenda abaixo como funcionaria essa lei e quais seriam os impactos para o Brasil, para a África e para os negros em todo o mundo.

O que diz o projeto de lei?

De acordo com o texto a que o g1 teve acesso, se o projeto virar lei, o Benin concederá nacionalidade a todos os afrodescendentes que fizerem o pedido e “comprovarem” sua afrodescendência.

Segundo o governo, essa nacionalidade será de uma modalidade “limitada” prevista nas leis do país. Os novos cidadãos terão passaporte beninense, mas não poderão participar das eleições (como eleitores ou candidatos), por exemplo.

Para obter a cidadania “plena”, os afrodescendentes beneficiados teriam que seguir o mesmo processo exigido atualmente para quem se muda para o país ou se casa com um cidadão beninense: entre os requisitos, é preciso morar no Benin por pelo menos cinco anos.

O projeto define como afrodescendente “toda pessoa que, em sua genealogia, tem um ascendente africano subsaariano deportado para fora do continente no contexto do tráfico negreiro”.

O texto também estabelece que “a prova de afrodescendência é fornecida pelo demandante por meio de qualquer estado civil ou documentação oficial, de testemunhos que constem em escritura autêntica, de um teste de DNA realizado por órgãos chancelados pelo Benin ou por qualquer outro meio técnico ou científico”.

Como assim, ‘todos os afrodescendentes são beninenses’?

A declaração do presidente do Benin, Patrice Talon, resulta de um pensamento social chamado “panafricanismo” – uma ideologia que prega a união do continente africano para superar o subdesenvolvimento imposto pela colonização.

O panafricanismo busca superar, por exemplo, as fronteiras artificiais criadas pelas colônias europeias (hoje países independentes) na África, que geraram conflitos étnicos que se estendem por séculos.

Durante a escravidão, negros de diferentes grupos sociais eram capturados e enviados nos mesmos navios para as Américas. Nesse processo, a maior parte de sua identidade era apagada ou suprimida, incluindo sobrenomes, idiomas, religiões e outros vínculos culturais.

Por isso, enquanto descendentes de italianos no Brasil podem usar seus sobrenomes e árvores genealógicas para solicitar cidadania europeia, o mesmo não ocorre com os netos e bisnetos de escravizados.

É difícil saber se um antepassado foi escravizado e enviado ao Brasil saindo de Angola, do Congo, da Guiné ou do Benin (na época, Daomé), por exemplo.

Atualmente, parte desses descendentes tenta descobrir sua origem geográfica por meio de documentos e testes genéticos – e o pensamento panafricanista defende “superar” essa questão.

Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Conheça o submarino com casco de acrílico e joystick que será usado na expedições ao Titanic

Publicado

em

portal plural conheça o submarino com casco de acrílico e joystick que será usado na expedições ao titanic
Foto: Divulgação/Triton
Academia PersonaFAST AÇAÍtopo humbeto pluralNuvera

Com casco de acrílico e controle por joystick, um novo submarino, anunciado por um empresário norte-americano e um canadense, promete levar pessoas, com segurança, em expedições ao Titanic, nas profundezas do Oceano Atlântico.

O projeto, cujo custo não foi divulgado, inclui tecnologia e engenharia naval de ponta que garantem uma expedição segura, diferente do ocorrido no ano passado.

Há cerca de um ano, cinco pessoas morreram durante a viagem com o submersível Titan, que tentava chegar ao Titanic. A embarcação implodiu, matando os passageiros. A expedição gerou uma comoção mundial enquanto tentavam o resgate das vítimas.

O novo submarino será produzido pela Triton Submarine, uma empresa com décadas de experiência no mercado e detentora de recordes:

  • Em 2019, um submarino da empresa foi usado no mergulho mais profundo da história, chegando a 10,9 mil metros.
  • Em 2018, outro submarino foi usado no mergulho mais profundo do oceano Atlântico, atingindo 8,3 mil metros.
  • A Triton projetou o submersível que Kathryn Sullivan usou para se tornar a primeira americana a mergulhar a 11 mil metros de profundidade na Depressão Challenger, o ponto mais profundo dos mares.
  • Em 2019, foram os primeiros a conseguir gravar imagens em alta resolução do Titanic.

A proposta é criar uma nova versão chamada “The Explorer – Return to the Titanic”, baseada no modelo já produzido, o Triton 4000/2 Abyssal Explorer.

Como será o submarino?

De acordo com a empresa, o submarino terá 4,45 metros de comprimento, 2,75 metros de largura, e pesará 12 toneladas. Equipado com complexa engenharia naval e tecnologia, ele contará com “asas” que permitem condução precisa, inclusive em espaços pequenos.

Seu casco de acrílico, combinado com câmeras de alta resolução, proporcionará uma visão de 320° do fundo do oceano. Diferentemente do Titan, que só poderia descer a 1,3 mil metros e implodiu, o novo submarino poderá descer a 4 mil metros de forma segura.

A tecnologia naval permitirá que o submarino desça e suba das profundezas em menos de duas horas. Ele terá capacidade para apenas duas pessoas por viagem e autonomia de 12 horas. O controle será feito por joystick, além de opções de tela sensível ao toque e controle manual.

O Triton 4000, nomeado em referência à profundidade que pode atingir, já é licenciado para uso comercial. O modelo personalizado para a expedição deve custar milhões de dólares e está previsto para estar pronto em 2026.

Quem são os empresários?

Patrick Lahey é cofundador e presidente da Triton Submarines. Além de empresário, é um entusiasta do mergulho, sendo o segundo canadense a chegar ao fundo da Fossa das Marianas, o ponto mais profundo dos oceanos. Ele também foi a primeira pessoa a mergulhar duas vezes no Challenger Deep.

O submarino será feito a pedido do magnata Larry Connor, de Ohio. O empresário de 74 anos é fundador do Connor Group, uma empresa do ramo financeiro que, segundo a Forbes, opera uma carteira de R$ 26 bilhões.

Fonte: CNN Brasil

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Devotos prestam homenagem ao túmulo do ‘padroeiro da internet’ após reconhecimento de milagres pelo Papa

Publicado

em

portal plural devotos prestam homenagem ao túmulo do 'padroeiro da internet' após reconhecimento de milagres pelo papa
Foto: REUTERS/Matteo Berlenga
Academia PersonaFAST AÇAÍNuveratopo humbeto plural

Após o papa Francisco reconhecer o segundo milagre atribuído ao beato Carlo Acutis, seu túmulo na cidade italiana de Assis atraiu visitantes.

O corpo de Acutis, conhecido como o “padroeiro da internet”, está em exposição na igreja de Santa Maria Maggiore, conforme relatado pela agência Reuters.

Agora, há expectativas de que Acutis seja canonizado, conforme reportado pelo principal veículo de notícias do Vaticano, o site Vatican News. Carlo Acutis, um adolescente católico, faleceu aos 15 anos de idade em 12 de outubro de 2006, o mesmo dia em que a igreja católica celebra Nossa Senhora Aparecida. Ele ganhou destaque por seu trabalho de evangelização online.

O Vatican News descreve Acutis como um “millennial”, termo que se refere às pessoas nascidas aproximadamente entre o início da década de 1980 e meados da década de 1990. Embora tenha nascido em Londres, no Reino Unido, em 3 de maio de 1991, Acutis passou toda a sua vida na Itália.

Acutis foi beatificado em 2020 pelo Vaticano após o reconhecimento de seu primeiro milagre, no qual teria curado uma criança brasileira que tocou em uma relíquia sua em 12 de outubro de 2010, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

O segundo milagre atribuído a Acutis, reconhecido recentemente, envolveu a cura de uma jovem da Costa Rica após um acidente de bicicleta em 2022. Segundo o Vatican News, a jovem, chamada Valeria, estava em estado crítico e foi curada poucos dias após sua mãe rezar junto à tumba de Acutis, em Assis, na Itália.

Carlo Acutis, nascido em Londres, mas criado em Milão, tornou-se devoto da Virgem Maria desde a infância. Ele era conhecido por sua devoção à igreja, mas também tinha interesse em computadores, demonstrando habilidades avançadas em ciência da computação para sua idade.

A criação de um site para catalogar milagres e evangelizar online lhe rendeu o título de “padroeiro da internet”. Após ser diagnosticado com leucemia, Carlo Acutis faleceu em 12 de outubro de 2006.

Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

×

Entre em contato

×