Conheça a síndrome do Coração Partido, cardiopatia que pode ser confundida com uma dor de amor
Connect with us

Saúde

Conheça a síndrome do Coração Partido, cardiopatia que pode ser confundida com uma dor de amor

Publicado

em

portal plural conheça a síndrome do coração partido, cardiopatia que pode ser confundida com uma dor de amor
Foto: Reprodução

FAST AÇAÍAcademia PersonaNuvera15 topo humberto pluralbanner plano0 gold

A notícia chegou e Marlene Dias de Oliveira, de 55 anos, sentiu seu coração ser atingido por uma dor intensa, não apenas emocionalmente, mas também fisicamente. Ao saber que sua irmã havia sido diagnosticada com câncer de mama em agosto do ano passado, Marlene experimentou sintomas semelhantes aos de um infarto: dores no peito tão fortes que a impediam de ficar em pé, acompanhadas de crises de ansiedade. “As crises vinham do nada, às vezes em dias seguidos, e duravam cerca de meia hora. Parecia que eu estava morrendo,” relata Marlene.

Iniciou-se então uma peregrinação por hospitais e diversos exames, que inicialmente não revelaram nada anormal. Porém, no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, em São Paulo, Marlene foi diagnosticada com a Síndrome do Coração Partido, também conhecida como Síndrome de Takotsubo. Considerada rara, essa cardiopatia está associada a uma elevada descarga de hormônios do estresse, como cortisol e adrenalina, liberados pelo corpo durante momentos de grande sofrimento emocional, explica Jasvan Leite, cardiologista do Hospital do Coração em São Paulo.

“Pessoas que vivem sob estresse intenso, têm uma sobrecarga de trabalho ou enfrentam momentos emocionalmente difíceis, como perdas financeiras, morte de um ente querido ou separação, liberam esses hormônios em maior concentração,” esclarece Leite. Esse era o caso de Marlene, que sem problemas de saúde prévios, viveu dias de choro e angústia enquanto cuidava da irmã, que respondeu bem à quimioterapia. O tratamento para a síndrome inclui medicamentos usados em pacientes com insuficiência cardíaca ou que reduzem o esforço do coração para bombear sangue. “A duração do tratamento depende da gravidade da situação e pode ser necessário manter a medicação por até seis meses,” continua Leite.

Bons Hábitos

Adotar bons hábitos, como fazer exercícios, ter uma boa alimentação e evitar momentos de alta tensão, também é recomendado. “Reduzi o consumo de álcool, fui encaminhada ao psiquiatra e continuo fazendo terapia. Na última vez em que vivi uma emoção forte, no velório de uma amiga próxima, logo saí, conversei com minha filha e tentei me acalmar,” conta Marlene. O nome Takotsubo vem de uma palavra japonesa que significa “armadilha para capturar polvos,” devido à semelhança com o formato do ventrículo esquerdo do coração alterado pelo estresse.

Recentemente, uma mulher na Inglaterra morreu em decorrência da doença ao saber que seu marido, que enfrentava um câncer, havia piorado. Três dias depois, ele também faleceu. “A síndrome é diagnosticada após o paciente sentir dor no peito que simula um ataque cardíaco. O eletrocardiograma, o ecocardiograma e o cateterismo identificam as alterações,” afirma Antonio Ghattas, cardiologista do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo. “Para prevenção, é necessária uma análise psicológica para entender o que motiva tanto nervosismo e ansiedade, a fim de evitar problemas futuros,” garante ele.

Aspectos Psicológicos

Não há razões específicas para alguém ser mais propenso à Síndrome do Coração Partido. No entanto, a psicóloga Gláucia Tavares enfatiza que lidar com os desafios da vida de forma mais complicada pode predispor a danos físicos e emocionais. “Não há separação entre nosso corpo e mente. Abalos emocionais não são frescuras ou fraquezas,” aponta Tavares. “Vivemos numa cultura de excessos e exclusões: ou está tudo bem ou não está nada bem! Esse processo aumenta as chances de adoecimento. É importante repensar e adotar atitudes mais realistas,” conclui, sugerindo que devemos buscar um coração mais tranquilo.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe

Geral

“Se você não é atleta e tem uma boa alimentação, não precisa tomar suplemento”, diz médico especialista em nutrição e esporte

Publicado

em

portal plural “se você não é atleta e tem uma boa alimentação, não precisa tomar suplemento”, diz médico especialista em nutrição e esporte
Foto: Freepik
Academia PersonaNuvera15 topo humberto pluralbanner plano0 goldFAST AÇAÍ

O uso de suplementos alimentares, como whey protein, creatina e vitaminas, está crescendo no Brasil. Uma pesquisa da Associação Brasileira da Indústria de Alimentos para Fins Especiais e Congêneres (Abiad) revelou que pelo menos uma pessoa em 59% das famílias brasileiras inclui esses produtos na dieta, com um aumento de 10% no consumo desde 2015.

No entanto, muitas pessoas utilizam suplementos por conta própria e têm dúvidas sobre sua utilização. Em entrevista ao jornal O Globo, o médico nutrólogo e especialista em esportes, Eduardo Rauen, fundador da Liti e diretor técnico do Instituto Rauen, discute os benefícios e riscos do uso de suplementos e desmistifica algumas ideias errôneas sobre nutrição que circulam nas redes sociais.

— Quem realmente precisa de suplementos? “Suplementos são usados para complementar algo que a alimentação não fornece. Atletas frequentemente necessitam de suplementação porque não conseguem ingerir todos os nutrientes necessários apenas com a dieta. No entanto, se você não é atleta e tem uma alimentação balanceada com proteínas, carboidratos, minerais e vitaminas adequados, não precisa de suplementos. Existem exceções para pessoas com condições de saúde como a doença celíaca, que dificultam a absorção de nutrientes, ou para aqueles com dietas restritivas, como veganos ou vegetarianos, que podem precisar de suplementação de proteína ou whey protein. É fundamental procurar orientação profissional ao cortar grupos alimentares para evitar deficiências nutricionais.”

— Muitos idosos estão usando whey protein. Isso é apropriado? “Idosos podem precisar de suplementação devido à diminuição da absorção de proteínas com a idade e à necessidade de consumir mais proteínas. Na prática, no entanto, muitos idosos acabam consumindo menos proteína, em parte devido à deterioração dentária e ao custo elevado dos alimentos proteicos. O whey protein é uma excelente opção para ajudar a atender às necessidades de proteína nessa faixa etária. A creatina também pode ser benéfica, pois melhora a cognição, a força e o volume muscular, desde que não haja contraindicações.”

— Crianças e adolescentes podem tomar suplementos? “Embora o uso de suplementos entre jovens esteja crescendo, é recomendável esperar até pelo menos os 16 anos, pois não há estudos suficientes sobre os efeitos a longo prazo. As sociedades médicas, como a Sociedade Brasileira e Americana de Medicina do Exercício e do Esporte, recomendam o uso de whey protein e creatina após os 18 anos. Exceções podem ser feitas para jovens atletas que estão sob a supervisão de um nutrólogo, médico do esporte ou nutricionista e têm uma alta demanda nutricional.”

— Muitas pessoas tomam suplementos sem orientação. É necessário consultar um especialista ou existem suplementos que podem ser usados sem supervisão? “Há uma tendência de consumir vitaminas sem necessidade específica. Por exemplo, o excesso de vitamina E pode aumentar o risco de morte cerebral, a vitamina A em excesso pode elevar o risco de fraturas e a vitamina C pode aumentar a incidência de cálculos renais. A suplementação deve ser acompanhada por um profissional de saúde, que avaliará a necessidade real e os possíveis riscos. Suplementos como whey protein, embora benéficos, devem ser usados com orientação para evitar riscos desnecessários. É essencial consultar um médico nutrólogo, médico do esporte, endocrinologista ou nutricionista para avaliar as necessidades individuais e evitar problemas associados ao uso inadequado de suplementos.”

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Saúde

Sétimo caso de cura do HIV vem com uma reviravolta

Publicado

em

portal plural sétimo caso de cura do hiv vem com uma reviravolta

FAST AÇAÍ15 topo humberto pluralbanner plano0 goldNuveraAcademia Persona

Um homem de 60 anos é o mais recente caso potencial de cura do HIV. A novidade foi anunciada após uma série de exames realizados em decorrência de um transplante de células-tronco para tratar leucemia, realizado em 2015. Desde então, o paciente tem sido monitorado de perto.

A revelação foi feita por cientistas e médicos na véspera da 25ª Conferência Internacional sobre AIDS. O alemão tem se mantido livre de HIV detectável por quase 6 anos, desde que interrompeu seu tratamento em setembro de 2018.

Christian Gaebler, professor de imunologia translacional de infecções virais na Universidade Médica e Hospital Charité em Berlim, afirmou que não há sinais de HIV remanescente no paciente. O diferencial deste caso é que o homem recebeu um gene raro, enquanto os outros pacientes receberam uma sequência genética completa, o que representa uma reviravolta significativa.

Os especialistas continuam a descrever este caso como uma “cura potencial”, uma vez que o acompanhamento contínuo é essencial para evitar conclusões precipitadas.

O sucesso deste caso se deve ao fato de que o homem recebeu células-tronco de um doador com um gene raro que confere imunidade ao HIV. O paciente foi chamado de “próximo paciente de Berlim”, em referência a Timothy Ray Brown, o primeiro caso documentado de cura do HIV, que alcançou remissão após um transplante de células-tronco.

Timothy Ray Brown permaneceu livre do HIV sem tratamento por mais de uma década até falecer em 2020, em decorrência de leucemia.

A maioria dos casos anteriores, incluindo o de Brown, envolveu transplantes de células-tronco de doadores com duas cópias de uma mutação genética rara que confere resistência natural ao HIV, significando que ambos os pais do doador possuíam a mutação.

“Nós chamamos essas pessoas de homozigotas, e elas são praticamente imunes ao HIV”, explicou Sharon R. Lewin, presidente da Sociedade Internacional de AIDS.

No caso atual, o homem recebeu um transplante de um doador heterozigoto — com apenas uma cópia da mutação, que impede a entrada do HIV nas células humanas. Isso sugere que a cura do HIV pode ser possível com um transplante de células-tronco de um doador com apenas uma cópia da mutação.

Apesar deste sétimo caso de sucesso, os especialistas alertam que o transplante de células-tronco não garante uma cura definitiva para o HIV. É uma opção arriscada e cara, e a viabilidade deve ser avaliada individualmente.

“Devemos continuar considerando isso como uma cura potencial. Em todos esses casos, nunca podemos ter certeza absoluta. O que é notável é que estamos vendo resultados positivos após quase 6 anos de remissão”, afirmou Gaebler.

Mesmo com a cautela, o pesquisador expressou otimismo sobre o futuro da cura do HIV. “Estou muito esperançoso de que eventualmente haverá uma cura. Embora alguns questionem se estamos enfatizando demais esses casos, ver que tais curas são possíveis me dá esperança. Acredito que a comunidade científica compartilha desse sentimento”, concluiu Gaebler ao Healio.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Saúde

Aumento de infecções e surtos no pós-pandemia: fatores e medidas

Publicado

em

portal plural aumento de infecções e surtos no pós pandemia fatores e medidas
Foto: Divulgação
FAST AÇAÍbanner plano0 goldNuvera15 topo humberto pluralAcademia Persona

No início deste ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou sobre o aumento global dos casos de sarampo. No Brasil, o crescimento dos casos de coqueluche e o aumento significativo das mortes por dengue em 2024 também preocupam o Ministério da Saúde.

Embora o Brasil tenha registrado números históricos de mortes por dengue e um aumento acentuado nos casos confirmados de outras doenças infecciosas, essa tendência não é exclusiva do país. Um estudo realizado pela consultoria Airfinity e pela agência Bloomberg News revelou que, em 44 países ou territórios, surtos de doenças infecciosas foram pelo menos dez vezes mais frequentes do que antes da pandemia, com dados provenientes de mais de 60 organizações de saúde globais.

Estamos Realmente Mais Doentes Pós-Pandemia?

Alexandre Naime, infectologista e coordenador científico da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), afirma que não há evidências científicas de que estamos mais doentes após a pandemia de Covid-19. No entanto, ele aponta reflexos das ações tomadas durante o período pandêmico, como a queda na cobertura vacinal para doenças anteriormente erradicadas.

O período da pandemia viu uma diminuição significativa nas taxas de vacinação, com a cobertura para a vacina BCG – que previne formas graves de tuberculose – caindo de mais de 95% em 2018 para 65,63% em 2021. Da mesma forma, a vacinação contra a poliomielite caiu de 89,59% em 2018 para 66,62% em 2021.

Naime observa que a disseminação de informações falsas e a adesão ao movimento anti-vacinação impactaram negativamente a cobertura vacinal. Rosana Richtmann, infectologista e consultora em vacinas do Delboni, ressalta que a falta de percepção de risco sobre doenças que não são visíveis pode levar à falta de adesão à vacinação.

Isolamento Social e Aumento das Infecções

O isolamento social durante a pandemia também pode ter contribuído para o aumento de infecções respiratórias e transmitidas pelo contato, como o Vírus Sincicial Respiratório (VSR). Nos Estados Unidos, os casos de gripe aumentaram cerca de 40% nas duas temporadas pós-pandemia. No Brasil, o aumento dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) também foi notável, com mais de 44 mil casos hospitalizados até julho de 2024, superando o total de 2019.

Impactos das Mudanças Climáticas

Em relação à dengue, o Brasil registrou 6 milhões de casos até junho de 2024, um aumento de quatro vezes em relação a 2023, e o número de mortes chegou a 4 mil. Alexandre Naime atribui parte desse aumento às mudanças climáticas, que estão expandindo a circulação do vírus para novas regiões do país e além.

Fortalecendo a Imunidade

Para enfrentar esses desafios, Richtmann recomenda a vacinação como a principal forma de fortalecer a imunidade, além de manter hábitos saudáveis como exercícios regulares, alimentação balanceada e hidratação adequada. Naime sugere quatro medidas para fortalecer a saúde imunológica:

  1. Manter a caderneta de vacinação atualizada.
  2. Buscar vacinas oferecidas na rede privada para completar a cobertura vacinal.
  3. Pessoas em grupos de risco devem evitar contato com infectados e usar máscaras em locais aglomerados.
  4. Adotar práticas de prevenção de doenças respiratórias, como lavagem nasal diária, evitar exposição prolongada ao frio e manter os ambientes arejados e as mãos higienizadas.

Estas medidas são essenciais para minimizar o impacto das doenças infecciosas e melhorar a saúde pública no período pós-pandemia.

Fonte: CNN Brasil

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×