Como vivem hoje os quatro réus da tragédia na boate Kiss – Portal Plural
Connect with us

Destaque

Como vivem hoje os quatro réus da tragédia na boate Kiss

Publicado

em



A uma semana do júri, conheça detalhes da rotina do auxiliar Luciano, hoje DJ, do vocalista Marcelo e dos sócios Kiko e Mauro

O julgamento do caso Kiss, marcado para tornar-se o mais longo da história do Rio Grande do Sul e um dos maiores do Brasil em todos os tempos, tem início agendado para 1º de dezembro, em Porto Alegre. O incêndio na boate, na madrugada de 27 de janeiro de 2013, no começo da madrugada de domingo, em Santa Maria, cidade de 300 mil habitantes na região central do estado, distante 290 km da capital gaúcha, deixou 242 mortos e 680 feridos, a suprema maioria composta de jovens universitários.
Às vésperas do julgamento, e quase nove anos após a tragédia, o R7 mostra como vivem atualmente os quatro réus do caso. O DJ Luciano conversou longamente com a reportagem. As informações sobre a rotina de Marcelo, Mauro e Kiko, os outros três réus, que evitam entrevistas, fotos e ações em público por orientação de suas defesas, são passadas pelos advogados.

MARCELO JESUS DOS SANTOS, O VOCALISTA QUE SEGUROU O SINALIZADOR

“Em pensamento, ainda não saí da Kiss. Penso nisso todos os dias, por várias vezes em muitos desses dias. Por isso estou recolhido. Peço que vocês passem minha versão, a de que sou inocente, sem me condenar, e deixem as pessoas tirarem suas conclusões. Muito obrigado.”
A afirmação de Marcelo Jesus dos Santos, que portava o sinalizador que deu início ao incêndio na Kiss, foi passada ao R7 por sua advogada, Tatiana Borsa. Hoje com 43 anos, o vocalista vive na mesma casa ocupada por sua família desde o início do casamento, em Santa Maria, com a esposa, a filha Natália, de 21 anos – que cursa direito –, e a caçula, de 11 (ele pede que o nome da menor não seja revelado).
De acordo com Tatiana, criada em Santa Maria e radicada em Porto Alegre, Marcelo é hoje um homem “assustado e acuado”. Vive da ajuda de familiares e não sai de casa para missões particulares. Nas obrigações inevitáveis, como audiências com a Justiça, só deixa sua residência acompanhado de familiares ou da advogada.
Por causa da fumaça e da Covid, Marcelo, diz Tatiana, tem hoje 70% de capacidade pulmonar. Na terça-feira (16), ele passou o dia na casa da advogada, em Porto Alegre, com outros componentes da banda (o sanfoneiro, Danilo Jaques, morreu no incêndio). “Neste dia ele viu, pela primeira vez, as fotos dos corpos empilhados no banheiro e na entrada da boate. Resistiu, abaixou a cabeça por várias vezes e chorou demais.”
A advogada relata que Marcelo nunca foi hostilizado em Santa Maria nas poucas vezes em que precisou sair de casa e foi reconhecido.

LUCIANO AUGUSTO BONILHA LEÃO, O AUXILIAR DA BANDA QUE COMPROU O SINALIZADOR

O hoje DJ Luciano, 43 anos, atualmente, vive sozinho num apartamento de um condomínio popular no bairro de Medianeira, em Santa Maria,. Diz pagar R$ 600 de aluguel pelo imóvel.
Da tragédia até hoje, ficou 120 dias preso, separou-se da mulher, a professora Fátima Varas (“ela não aguentou a pressão”), ganhou peso, mudou de casa, fez tratamento de recuperação pulmonar e passou a tomar, com receita, remédios controlados para ansiedade, depressão e hipertensão.

Diz ter sido resgatado da Kiss quase desacordado, em meio aos jovens que se aglomeravam na porta de saída. Afirma não saber até hoje quem foi o “enviado de Deus” seu salvador no incêndio. “Gostaria de localizar essa pessoa para agradecer a ela profundamente e mostrar minha gratidão.”
Luciano rebate a acusação de ter escolhido o sinalizador externo, mais barato (R$ 7 a unidade, na loja em que o artefato foi adquirido; o interno, apropriado à ocasião, custava R$ 70 ), para ficar com um troco maior. Alega ter feito a compra uma semana antes sem ter sido informado sobre os planos de utilização do produto, e também não ter manipulado o fogo de artifício na noite fatídica.
Afirma ter colocado nas mãos do vendedor um bilhete do gaiteiro (sanfoneiro) da banda, Danilo Jaques, para quem prestava serviços gerais e era roadie da banda (auxílio em shows) como freelancer, com a descrição do item desejado pelo músico, sem opinar sobre o tipo.
O DJ é o único dos quatro que continua a atuar social e profissionalmente em Santa Maria. Sonoriza festas, formaturas, encontros, eventos institucionais e ações particulares. “Atravesso a cidade andando, de cabeça erguida. Falo com as pessoas e negocio meus trabalhos. Tenho obrigações e dívidas, como qualquer ser humano, e preciso trabalhar para honrá-las.”

MAURO LONDERO HOFFMANN, SÓCIO INVESTIDOR DA BOATE KISS

 

O empresário Mauro Hoffmann, 43 anos à época da tragédia, hoje com 51 ou 52, é, de longe, o mais recluso dos quatro réus do processo. O único a jamais ter dado uma entrevista desde a tragédia. No início por vontade própria e, nos últimos anos, também por estratégia de sua defesa. Não aparece publicamente em Santa Maria ou qualquer outro lugar. Quando precisa ir a repartições da Justiça para cumprir audiências ou etapas do processo, usa todos os recursos ao seu alcance para manter-se protegido de jornalistas e repórteres fotográficos.
Desde o incêndio, Hoffman vive fechado com a família em local não revelado. Informações dão conta de que ele estaria morando em uma cidade do estado vizinho de Santa Catarina. Em entrevista ao R7 na tarde de segunda-feira (22), em seu escritório, em Santa Maria, Bruno Seligman de Menezes, um de seus dois advogados no processo, não confirma a informação. O outro defensor é Mário Cipriani.
“Não estamos autorizados a comentar conteúdos relatados nos autos. Por acordo com o cliente, também não podemos revelar dados sobre sua vida particular e pessoal. Mas estamos à disposição para falar sobre o processo”, adianta Seligman de Menezes.
A falta de manifestação do empresário está, no entanto, para terminar. Seligman de Menezes afirma que Hoffmann se apresentou à Justiça sempre que foi chamado. “Jamais fugiu de suas responsabilidades. Estuda o processo e conversa conosco sobre caminhos a serem tomados”, afirma.
Para o defensor, Hoffmann tem responsabilidade limitada à de um sócio investidor. “Essa condição foi confirmada por várias testemunhas e, inclusive, pelo próprio sócio Kiko. Ele era empresário da noite muito tempo antes de se tornar sócio da Kiss. Tinha a casa mais sofisticada da cidade, a Absinto. Em meados de 2011, comprou de Kiko 50% da Kiss. Para fazer o negócio, Kiko impôs a condição de continuar a administrar totalmente a casa, e assim foi feito”, diz. “Ele não tinha nenhuma ação direta na casa. Apenas se informava e recebia sua parte nos lucros.”
Seligman de Menezes destaca um processo de 22 meses em que o Ministério Público (MP) exigiu várias reformas, segundo ele totalmente realizadas.
“Se apesar de tudo aceitarem a tese de dolo eventual, então representantes do poder público, da prefeitura, do MP e dos bombeiros, que aprovaram todas as reformas, consideraram a Kiss apta, deram os alvarás e liberaram a boate, também deveriam estar no julgamento. Neste caso, o banco dos réus, com apenas quatro pessoas, está curiosamente muito pequeno”, conclui o defensor.

ELISSANDRO CALLEGARO SPOHR, O KIKO, SÓCIO ADMINISTRATIVO DA BOATE KISS

Elissandro Spohr, o Kiko, 38 anos, sócio da Kiss que vivia a rotina e “colocava a mão na massa” na boate no dia a dia, não consulta as redes sociais desde a tragédia, 27 de janeiro de 2013. Vacinado regularmente contra a Covid, atua hoje na compra e venda de pneus. Sua vida atual se reduz a se fechar em casa, em Porto Alegre, e sair apenas para compromissos de trabalho e levar e buscar as filhas na escola.
Recentemente, em uma viagem de carro de Porto Alegre a Santa Maria, gravada em vídeo e publicada na internet por ele e sua defesa, Kiko, sentado no banco do carona de um carro, após chorar algumas vezes no trajeto, pede a quem dirige para não passar em frente ao que restou da boate, na rua dos Andradas, quase na esquina com a Rio Branco, na região central da cidade. “Pegue outro caminho, por favor. Quero guardar na memória a outra Kiss, não essa.”
“Por que antes do incêndio ninguém disse que a Kiss era perigosa? Por que os agentes públicos que entraram lá não avisaram? Por que recebi todos os alvarás? Por que o Ministério Público (MP), a maior autoridade de controle, mandou fazer uma reforma que terminou numa tragédia? Quem deixou a Kiss funcionar tem culpa e deveria estar comigo lá no julgamento”, disse Kiko numa entrevista de duas perguntas, respondidas por e-mail ao repórter Leonardo Catto e publicadas no sábado (20) pelo Diário de Santa Maria, com referências à prefeitura, ao Corpo de Bombeiros da cidade e ao MP, acrescentando que “jamais fugiu ou quer fugir de suas responsabilidades”.
Em outro ponto, retoma os questionamentos. “A mesma mão que abriu a porta da boate para funcionar agora grita aos quatro ventos para me acusar. A sociedade precisa escolher se quer vingança ou justiça. Dia 1º estarei mais uma vez disposto a falar e a assumir toda a minha responsabilidade. E o promotor [Ricardo] Lozza? Vai aparecer?”
A reportagem do R7 ligou e deixou recados por escrito, em WhatsApp, no celular de Jader Marques, advogado de Kiko, com o objetivo de marcar uma entrevista, mas as ligações não foram atendidas nem as mensagens respondidas até a publicação da reportagem.

Fonte: r7

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Confirmado 1º caso de Ômicron no RS

Publicado

em



A mulher, moradora de Santa Cruz do Sul, voltou de viagem da África do Sul na última semana. Com este, Brasil já somam 6 casos da variante

 O Centro Estadual de Vigilância em Saúde do Rio Grande do Sul confirmou, nesta sexta-feira, a primeira pessoa infectada com a variante Ômicron do coronavírus no Estado, informou a Secretaria de Saúde do RS, o que eleva o total de casos da cepa no Brasil para seis.

O primeiro caso no Estado é de uma mulher, moradora de Santa Cruz do Sul, que voltou de viagem da África do Sul na última semana. Já vacinada com duas doses contra a Covid-19, ela apresentou febre.

A paciente encontra-se em isolamento domiciliar e em acompanhamento pela vigilância em saúde do município, e seus contactantes serão testados para a doença, informou a secretaria.

Com essa paciente, o Brasil chega a um total de 6 casos identificados com a nova cepa no país — dois no Distrito Federal, três em São Paulo e, agora, um no Rio Grande do Sul.

A Ômicron tem gerado temores em todo o mundo de que a grade quantidade mutações na proteína spike do coronavírus, usada pelo vírus para infectar as células, possa significar que a variante escape da imunidade induzida por vacinas.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Tempo quente, 36°C hoje em Santa Rosa

Publicado

em



O clima hoje, sábado, 4, em Santa Rosa, será sol com algumas nuvens. Não há previsão de chuva.

Mínima de 19°C e máxima de 36°C.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Márcia quer informações sobre a compra de alimentos e cestas básicas pela Prefeitura

Publicado

em



Ciente do seu papel de legislar e fiscalizar o Executivo Municipal, e preocupada com a segurança alimentar das comunidades mais necessitadas de Santa Rosa, a vereadora Márcia Carvalho protocolou, nesta terça-feira (30) pedido de informações ao prefeito Anderson Mantei sobre a aquisição de alimentos e/ou cestas básicas compradas com recursos da Prefeitura.

No documento, Márcia quer saber a quantidade de cestas básicas  compradas por mês com recursos próprios do município para atender as pessoas que necessitam de alimentos; qual a empresa licitada que faz o fornecimento desses produtos; a previsão de compra de cestas básicas para o primeiro semestre de 2022; o valor gasto por mês na compra; e a relação de itens que compõem essa cesta.

Conforme a vereadora, estas informações servirão para entender o tamanho do apoio que o Executivo Municipal dispende atualmente com a segurança alimentar das famílias mais desfavorecidas de Santa Rosa e, ao mesmo tempo, verificar se esta é a ideal; e o quanto pode ser melhorada para que atinja de fato o objetivo. “O que estamos fazendo, como ente público, para combater a fome da nossa população é o ideal? É suficiente? Isso não é caridade, é nossa função. Temos de saber mais para aprimorar esta ação e atingir um número maior de pessoas, com agilidade. Quem tem fome tem pressa!”, concluiu Márcia.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×