Como a quarentena afeta os relacionamentos – Portal Plural
Connect with us

Mundo

Como a quarentena afeta os relacionamentos

Pável Bauken

Publicado

em

| Foto: Freepik


Segundo o jornal chinês Global Times, o número de divórcios na China está aumentando muito em decorrência do confinamento imposto como medida preventiva contra o coronavírus. Os casais brasileiros também estão levantando dúvidas nas redes sociais sobre como lidar com os problemas decorrentes da quarentena. Apesar do amor, a convivência 24 horas por dia e a falta de contato com outras pessoas têm criado desafios para os relacionamentos. 

A situação que estamos passando atualmente é completamente nova. Por isso, a psicóloga Mara Lins destaca que esse momento causa muita ansiedade nas pessoas e pode acabar refletindo nos relacionamentos interpessoais. “A gente não sabe o que está acontecendo, não temos dados da doença. É tudo muito desconhecido, muitas informações não são confirmadas. É uma situação que eleva o nível de estresse”, considera. Ainda, existe uma mudança brusca na rotina das pessoas. As famílias precisam conviver em um mesmo espaço o dia inteiro, e sem previsão de voltar a normalidade.

“Esse é um período bem delicado mesmo: as pessoas estão ansiosas e convivendo com entes queridos, mas que não se tem o costume de estar tanto tempo junto. O que acontece? O nível de tolerância cai”, reflete a psicóloga.

Nesse cenário, ocorrências pequenas do dia a dia, como a louça que não foi lavada ou a tampa do vaso levantada, acabam se tornando mais importantes. Além disso, essas desavenças podem trazer à tona problemas que não foram resolvidos no passado agravando a situação. Esse contexto se torna ainda pior quando as pessoas estão dividindo um ambiente sem delimitações de espaços pessoais.

Por estarmos passando por um período de estresse, Mara indica que todas essas situações sejam observadas com mais tolerância. Observar a sua própria reação e lidar com os problemas como parte de uma realidade temporária são algumas das práticas que podem ajudar. A prática da aceitação, própria das terapias comportamentais contextuais, também pode ser uma aliada. “Isso não quer dizer se resignar ou ficar passivo diante das situações, nem aceitar o inaceitável, como a violência. Aceitar é pensar como eu vou me posicionar em frente àquelas coisas que eu não posso mudar”, explica.

Uma posição que pode ser tomada na resolução de conflitos nos relacionamentos é abrir o diálogo. No momento atual, passando mais tempo juntos, os casais têm mais chances para conversar e discutir seus problemas. Para colocar isso em prática, a psicóloga sugere que seja adotada a “linguagem do eu”, ou seja as pessoas devem refletir sobre como são afetadas e expressar os seus sentimentos sem projetar os problemas apenas nas atitudes dos outros. Segundo Mara, “quando falamos na linguagem do eu não estamos atacando o outro, então a chance da outra pessoa escutar realmente o que queremos trazer é maior”.

Os momentos a dois ou em família também devem ser aproveitados. O tempo extra permite que hábitos antigos, como jogos, conversas ou até mesmo uma comida diferenciada, sejam resgatados e voltem a fazer parte da relação. Para valorizar ainda mais as ocasiões, é essencial que a rotina seja mantida com tarefas e tempo suficiente para que existam períodos afastados, mesmo que não sejam fisicamente.

A psicóloga lembra que querer passar um tempo sozinha e ter seu próprio espaço não quer dizer gostar menos de alguém. Principalmente lidando com a atual pandemia, cuidar de si mesmo, da sua saúde física e mental, faz parte do cuidado com o outro. “É época de se cuidar, de ter tolerância e expressar o amor via autocuidado, isso respinga no outro”, tranquiliza a psicóloga.

por Marina Gil / Bella+ / Correio do Povo

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Superlua Rosa, a maior de 2020, estará mais brilhante entre hoje e quinta

Reporter Global

Publicado

em



Nesta semana você poderá observar a maior superlua de 2020. Apesar de ser chamada de “Super Pink Moon” (Superlua Rosa) nos EUA, ela não tem uma cor diferente. O nome foi dado por conta de uma planta selvagem dos EUA, a Phlox Subulata, que tem flores róseas e floresce nesta época do ano.

O fenômeno estará visível entre os dias 7 e 9 de abril (terça e quinta-feira), com seu ápice na quarta-feira (8), quando a Lua estará cheia em sua totalidade. Para observar, basta olhar para o leste desde o pôr do Sol.

O ideal é estar no ponto mais alto de sua cidade, ou em um local com uma visão livre do horizonte, já que o contraste com prédios, montanhas e árvores à frente faz a lua parecer muito maior do que de costume. Nada te impede de observar a superlua quanto ela estiver alta no céu, mas o efeito será menos impressionante.

Vai ter mais?
Segundo o astrólogo Richard Nolle, que cunhou o termo em 1979, uma “superlua” é qualquer lua cheia que ocorre enquanto a Lua está a 90% ou mais de sua maior aproximação da Terra, o chamado Perigeu. Isso faz com que ela pareça até 15% maior e 30% mais brilhante do que o de costume.

O perigeu acontece regularmente a cada 28 dias. Entretanto, a ocorrência da Lua cheia no momento exato é mais rara. Em 2020 ela já ocorreu duas vezes, em 9 de fevereiro e 9 de março, e ocorrerá também em 8 de abril e 7 de maio.

Depois disso, os eventos começam a se distanciar. Em junho, por exemplo, a Lua estará no perigeu no dia 3, mas só estará cheia no dia 5, quando já vai estar fora da posição “ideal”. Portanto, não é considerada uma superlua. Grande, talvez, mas não Super. O evento só voltará a ocorrer em 27 de abril de 2021.

Apps dão uma forcinha
Para saber o momento exato do pôr do Sol em sua cidade, basta perguntar ao Google: “OK Google, quando o sol vai se pôr hoje?”. Já para saber para onde olhar, basta usar um app de bússola.

Quem usa um iPhone não precisa de um app extra, basta usar o “Bússola”, que é parte do iOS. Para Android, uma boa opção é o “Apenas uma bússola”, da PixelProse SARL, que é bonito, simples, gratuito e, mais importante, sem anúncios.

Além da direção em que o celular está apontando, ele também indica o horário do nascer e do pôr do sol, sua altitude e até a intensidade do campo magnético próximo ao aparelho. Tudo isso em uma tela só. 

Olhar Digital

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Maior superlua de 2020 acontece esta semana; veja como observar

Evento será visível entre terça e quinta-feira

Reporter Global

Publicado

em



Nesta semana você poderá observar a maior superlua de 2020. Apesar de ser chamada de “Super Pink Moon” (Super Lua Rosa) nos EUA, ela não tem uma cor diferente. O nome foi dado por conta de uma planta selvagem dos EUA, a Phlox Subulata, que tem flores róseas e floresce nesta época do ano.

O fenômeno estará visível entre os dias 7 e 9 de abril (terça e quinta-feira), com seu ápice na quarta-feira (8), quando a Lua estará cheia em sua totalidade. Para observar, basta olhar para o leste desde o pôr do Sol.

O ideal é estar no ponto mais alto de sua cidade, ou em um local com uma visão livre do horizonte, já que o contraste com prédios, montanhas e árvores à frente faz a lua parecer muito maior do que de costume. Nada te impede de observar a superlua quanto ela estiver alta no céu, mas o efeito será menos impressionante.

Vai ter mais?
Segundo o astrólogo Richard Nolle, que cunhou o termo em 1979, uma “superlua” é qualquer lua cheia que ocorre enquanto a Lua está a 90% ou mais de sua maior aproximação da Terra, o chamado Perigeu. Isso faz com que ela pareça até 15% maior e 30% mais brilhante do que o de costume.

O perigeu acontece regularmente a cada 28 dias. Entretanto, a ocorrência da Lua cheia no momento exato é mais rara. Em 2020 ela já ocorreu duas vezes, em 9 de fevereiro e 9 de março, e ocorrerá também em 8 de abril e 7 de maio.

Depois disso, os eventos começam a se distanciar. Em junho, por exemplo, a Lua estará no perigeu no dia 3, mas só estará cheia no dia 5, quando já vai estar fora da posição “ideal”. Portanto, não é considerada uma superlua. Grande, talvez, mas não Super. O evento só voltará a ocorrer em 27 de abril de 2021.

Apps dão uma forcinha
Para saber o momento exato do pôr do Sol em sua cidade, basta perguntar ao Google: “OK Google, quando o sol vai se pôr hoje?”. Já para saber para onde olhar, basta usar um app de bússola.

Quem usa um iPhone não precisa de um app extra, basta usar o “Bússola”, que é parte do iOS. Para Android, uma boa opção é o “Apenas uma bússola”, da PixelProse SARL, que é bonito, simples, gratuito e, mais importante, sem anúncios.

Além da direção em que o celular está apontando, ele também indica o horário do nascer e do pôr do sol, sua altitude e até a intensidade do campo magnético próximo ao aparelho. Tudo isso em uma tela só.

Dicas para fotografar
Se você quiser registrar o fenômeno, veja este artigo com nossas dicas para fotografar a superlua. É tudo questão de usar um tripé e encontrar o momento certo.

Olhar Digital

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Bebê de 50 dias vira símbolo de esperança na Itália depois de se recuperar do coronavírus

Reporter Cidades

Publicado

em

Leornado (Foto: Reprodução Facebook)

Um menino de apenas de 50 dias virou símbolo de esperança na Itália depois de se recuperar do coronavírus. Após ser diagnosticado com a doença, o pequeno Leonardo, da cidade de Corbetta, ficou uma semana internado no departamento de Pediatria do Hospital de Magenta e recebeu alta na última sexta (27).

Em entrevista ao jornal Il Giorno, Sandra, mãe e Leonardo, afirmou que não deseja a ninguém o que passou nos últimos dias. “Vivi momentos de preocupação e medo”, disse. “Percebi que algo estava errado porque o Leo estava muito apático e depois começou a ter febre. Levamos ele até o consultório do pediatra e foi constatado que estava com dificuldade respiratória e batimentos cardíacos acelerados. Quando chegamos ao hospital, nos informaram que o caso dele tinha todas as características do coronavírus. Eu e o Leo estávamos isolados em casa, mas um colega de trabalho do meu marido tinha recentemente sido infectado. Apesar de todas as precauções, o contágio aconteceu”.

O coronavírus vêm levantando muitas dúvidas dos leitores. Por isso, a CRESCER tem feito uma cobertura completa da COVID-19, com o objetivo de trazer aos pais informações confiáveis, principalmente com relação aos impactos do vírus para as grávidas e crianças. Para ter acesso, se inscreva na nossa newsletter.

Durante a internação, Leonardo não precisou do auxílio de equipamentos para respirar e recebeu apenas medicamentos para o controle da febre. Em apenas uma semana, já não apresentava mais sintomas e recebeu alta. Nas redes sociais, Marco Ballarini, prefeito de Corbetta, fez uma postagem comemorando a recuperação do pequeno. “O rosto maravilhoso da esperança”, escreveu na legenda de uma foto do bebê sorrindo. “Bem-vindo à casa, pequeno Leo. Hoje temos mais uma razão para sorrir, para sermos felizes, para nos sentirmos ainda mais uma comunidade unida. Hoje olhamos para o rosto maravilhoso da esperança, nossa esperança. Corbetta, damos as boas-vindas à casa ao pequeno Leonardo, que acaba de receber alta do hospital onde ganhou a batalha contra o coronavírus! Muito obrigado Leo, muito obrigado aos seus pais que nunca desistiram. Você trouxe o verão para os corações de todos nós. Vamos, Corbetta!”. A postagem recebeu mais de 500 comentários de apoio e virou manchete nos jornais locais.

Revista Crescer

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

O que você achou do site novo do Portal Plural?

Trending

×