Combate à doença de Chagas terá investimento de US$ 20 milhões – Portal Plural
Connect with us

Medicina & Saúde

Combate à doença de Chagas terá investimento de US$ 20 milhões

Pável Bauken

Publicado

em



 

A Central Internacional para a Compra de Medicamentos contra a AIDS, Malária e Tuberculose (Unitaid, sigla em inglês) publicou nesta segunda-feira (25) edital para a contratação de pesquisas visando a eliminação da infecção congênita da doença de Chagas e o desenvolvimento de estratégias e de ferramentas para aperfeiçoar prevenção, diagnóstico e tratamento. A pedido do Ministério da Saúde (MS) é a primeira vez que a central investe em Doença de Chagas.

A entidade, criada pelo Brasil Chile, França, Noruega e Reino Unido, vai aportar US$ 20 milhões, mais de R$ 80 milhões, conforme cotação do Banco Central, para redução da transmissão materno-fetal, tratamentos mais céleres e formulação de medicamentos com menos efeitos colaterais do que os nitroderivados Benznidazole (disponível no Brasil) e Nifurtimox (equivalente usado em outros países).

A expectativa da agência financiadora, que é parceira da Organização Mundial da Saúde, é que instituições de pesquisa de mais de um país façam consórcios para a busca de soluções. No Brasil, além da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Butantã, dezenas de universidades públicas (federais e estaduais) têm pesquisa avançada em medicina tropical. Essas instituições de pesquisa mantêm convênios com outros centros de excelência na Argentina, Bolívia, Colômbia e Peru.

“Essas grandes instituições possuem maior capilaridade no sentido de articular uma proposta nessa magnitude”, assinala Júlio Henrique Rosa Croda, diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis do MS.

Sete milhões infectados

A doença de Chagas existe no Brasil e em outros 20 países da América Latina e atinge a cerca de 7 milhões de pessoas em todo mundo, entre essas pelo menos 2 milhões são mulheres em idade fértil. A estimativa é que só no Brasil haja 1 milhão de pessoas infectadas, a grande maioria sem conhecimento da doença. Também têm registros da doença Estados Unidos (estimativa de 600 mil casos) e a Espanha (70 mil casos), e outros que recebam migração latino-americana.

De acordo com o Ministério da Saúde, 4,5 mil pessoas morrem anualmente da doença no Brasil, após anos de contágio e o desenvolvimento de problemas cardíacos e no sistema digestivo. “No ano passado, ocorreram 380 casos da doença de Chagas Aguda no Brasil, sendo 92% das ocorrências na região Norte do país, principalmente no estado do Pará (290). A incidência da doença aguda foi de 0,18 casos para cada 100 mil habitantes”, descreve nota do MS.

Além da transmissão da mãe infectada para o filho no ventre, é recorrente no Brasil a contaminação pela ingestão de alimentos contaminados (como açaí e cana-de-açúcar) com as fezes ou urina do barbeiro (em algumas regiões chamado de bicudo) que transmitem o protozoário Trypanosoma cruzi. A picada do barbeiro direta na pele causa irritação e provoca coceira que também oportuniza o contágio, isso pode acontecer em áreas rurais (casas de barro e sem saneamento) ou mesmo na floresta.

Conforme especialistas, afora os riscos de contágio, o tratamento é um problema porque a população pobre, mais vulnerável, tem dificuldades para acessar médicos, medicamentos e laboratórios, e não faz exames clínicos periódicos, o que dificulta diagnóstico antes do desenvolvimento da doença e o rastreamento da infestação nas regiões pelas amostras de sangue.

Doença negligenciada

Segundo a chefe do Laboratório de Biologia Celular da Fiocruz, Maria de Nazaré Correia Soeiro, “a doença de Chagas é uma das 20 doenças negligenciadas pela indústria farmacêutica”, porque o desenvolvimento do medicamento não desperta interesse nos fabricantes. “A visão é que investimento em pesquisa sobre Doença de Chagas não teria retorno financeiro, uma vez que a população que necessita de tratamento é extremamente pobre”.

Na avaliação de Júlio Croda, a falta de visibilidade da população dificulta o combate à doença e o desenvolvimento de ferramentas para tratamento. “O acesso ao diagnóstico não é fácil. Por isso esse investimento. A gente quer desenvolver um teste igual ao do HIV. Aquele teste rápido. Que possa ser feito na atenção primária, e possa ter resposta no mesmo momento.”

Segundo ele a pesquisa a ser patrocinada pela Unitaid “é o maior investimento em pesquisa sobre doença de Chagas na história, e vai culminar com uma nova política e novas estratégias de saúde para Doença de Chagas, principalmente integrado com atenção primária”.

A iniciativa é elogiada pela chefe do Laboratório de Biologia Celular da Fiocruz, que teme efeitos do aumento da pobreza e da desigualdade no Brasil que ocorre desde 2014, associados à falta de saneamento para grande parte da população, acesso à educação e saúde. “Os ganhos de controle precisam de sustentação de medidas. É preciso garantir o rastreamento da doença.”

AGB

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Medicina & Saúde

Cientistas britânicos afirmam que ivermectina reduz mortes por Covid em até 75%

Análise de pesquisadores da Universidade de Liverpool aponta ivermectina como tratamento eficaz e acessível em casos da doença

Reporter Cidades

Publicado

em



Uma equipe de pesquisadores liderada pelo Dr. Andrew Hill, da Universidade de Liverpool (Reino Unido), analisou 18 estudos sobre o uso da ivermectina no tratamento da Covid-19 e concluiu que o vermífugo tem um efeito significativo na redução de mortalidade em pacientes com a doença. Em relatório meta-analítico dos estudos sobre ivermectina, os cientistas britânicos descobriram que o medicamento antiparasitário ― que é barato e não patenteado ― pode reduzir em até 75% o número de mortes em casos moderados ou graves de Covid, atuando na redução da inflamação e na eliminação mais rápida do coronavírus.

Embora a ivermectina não seja tecnicamente um antiviral, os estudos sugerem que a droga pode ter uma forte atuação para reduzir a carga viral em pacientes diagnosticados com Covid. O Dr. Andrew Hill, que coordenou o estudo meta-analítico, saudou a conclusão preliminar como um passo fundamental para ampliar as opções de medicamentos contra a doença. Os pesquisadores afirmam ainda que o uso da ivermectina pode proteger contra a infecção pelo coronavírus e evitar o contágio de outras pessoas.

“A vacinação é fundamental para a resposta à epidemia”, disse o Dr. Hill em entrevista ao jornal britânico Financial Times, “mas tratamentos eficazes podem ajudar a reduzir as taxas de infecção e reduzir as taxas de mortalidade”.

O uso da ivermectina ainda não está autorizado na Inglaterra. No entanto, os resultados encorajadores do estudo podem indicar uma mudança em breve. “O objetivo deste relatório é avisar às pessoas que a aprovação está chegando”, declarou o Dr. Hill. “Precisamos estar prontos.”

Dra. Lucy Kerr 

A eficácia da ivermectina não é exatamente uma novidade para os leitores do BSM. O vermífugo ― que faz parte do protocolo de tratamento precoce da Covid, recomendado pelo Ministério da Saúde ― teve suas qualidades destacadas pela médica Lucy Kerr, formada pela Thomas Jefferson University. Em entrevista a Claudio Dirani, publicada em 24 de dezembro, a Dra. Lucy afirmou:

“Em primeiro lugar, a ivermectina impede a ligação do vírus com o receptor da enzima conversora da angiotensina 2, bloqueando sua entrada na célula e impedindo que o vírus produza a hipotensão, saída de líquido dos vasos, estimule a produção de ácido hialurônico no pulmão, evitando a asfixia do paciente. Caso o vírus já tenha se replicado, a ivermectina também é capaz de neutralizar 55% das proteínas virais tóxicas, sendo três delas as mais importantes porque atingem profundamente a imunidade”.

Na ocasião, a médica relatou o caso de um paciente que ela curou com o uso da ivermectina:

“No final de março, tratei meu primeiro paciente com Covid-19. Ele era obeso, com 130 quilos e 2 metros de altura, e havia passado os dois últimos dias sentado na janela, aspirando ar fresco. Seu estado clínico era péssimo. Naquele dia, acabara de ler o estudo da Monash University, que mostrava o efeito in vitro da ivermectina. O texto apontava que o medicamento havia destruído 98% dos vírus em 24 horas e 100% em 48 horas. Já sabia que era uma droga extremamente segura, testada há 40 anos em humanos, durante os quais nunca causou um óbito. Diante desses fatos e observando a deterioração rápida do estado geral do paciente, decidi que usaria a medicação para tentar reverter esse quadro. Passadas 48 horas, ele começou a ter uma rápida regressão de todos os sintomas. Fiquei maravilhada e assombrada pela velocidade da recuperação. A sensação que tive foi de alívio e de alegria. Na sequência, passei a utilizar em todos os pacientes que estavam com covid-19. Em todos os casos, consegui um resultado maravilhoso de cura rápida e eficaz”.

A conclusão da Dra. Lucy Kerr aproxima-se da descoberta feita pelos pesquisadores de Liverpool:

“Raramente o médico dispõe de um tratamento tão eficaz e rápido, com resultados quase imediatos para tratar uma doença grave como acontece com a ivermectina”.

Fonte Brasil sem medo

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Medicina & Saúde

Israel: dose única é menos eficaz do que o esperado

Pável Bauken

Publicado

em



O responsável pela resposta de Israel ao novo coronavírus, Nachman Ash, afirmou que uma única dose da vacina Pfizer/BioNTech pode estar fornecendo menos proteção do que o inicialmente esperado, pois o país relatou recorde de 10 mil novas infecções por covid na segunda-feira.

“É menos eficaz do que pensávamos”, disse Ash à Rádio do Exército. Mas as autoridades afirmam que quem recebe as duas doses do imunizante tem um aumento de 6 a 12 vezes na carga de anticorpos contra a covid-19 – a Pfizer recomenda duas doses.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Medicina & Saúde

Timirinho testa positivo para Covid

Pável Bauken

Publicado

em



O vereador Máximo Altamiro Martins-Timirinho, presidente da Câmara de Vereadores de Santa Rosa testou positivou para a COVID-19 na terça-feira (19).

Ele está em isolamento desde segundo registro na Fundação Municipal de Saúde. Timirinho está em isolamento e com sintomas leves.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×