China reporta surto de gripe aviária – Portal Plural
Connect with us

Mundo

China reporta surto de gripe aviária

Mais de 17 mil aves foram abatidas próximo ao epicentro do coronavírus

Reporter Global

Publicado

em

Arquivo/Agência Brasil


A China reportou neste domingo (2) um surto de gripe aviária H5N1 na província central de Hunan, próximo ao epicentro do novo coronavírus, que causou 304 mortes e paralisou o país.

O surto ocorreu em uma propriedade rural no distrito de Shuangqing, cidade de Shaoyang e matou 4,5 mil das 7.850 galinhas da propriedade. As autoridades locais abateram outras 17.828 aves nas proximidades, após o surto, segundo um comunicado do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China.

Não foram relatados casos de infeção humana pelo vírus H5N1 em Hunan.

O surto surge no momento em que as autoridades chinesas tentam travar a propagação de um novo coronavírus, que causou 304 mortos e mais de 14 mil infetados no país, e que foi inicialmente detectado em dezembro passado, em Wuhan, capital da província de Hubei, que faz fronteira com Hunan.

A gripe aviária causa doenças respiratórias graves em aves e é contagioso entre seres humanos. O vírus foi detectado pela primeira vez em 1996 em gansos na China e é letal para as aves.

A possibilidade de transmissão da gripe aviária entre seres humanos é baixa, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A maioria das infecções humanas por H1N5 surge após contacto prolongado e próximo com aves infectadas.

No entanto, a gripe aviária tem uma taxa de mortalidade superior a 50%, muito acima da síndrome respiratória aguda grave (SARS), também conhecida como pneumonia atípica, e que tem uma taxa de mortalidade de 10%, ou o novo coronavírus, que tem uma taxa de 2%, até agora.

Entre 2003 e 2019, a OMS relatou um total de 861 casos confirmados de H5N1 em humanos, em todo o mundo, entre os quais 455 morreram. Na China, houve 53 casos humanos de infecção por gripe aviária, nos últimos 16 anos, e um total de 31 mortos.

O novo coronavírus causou hoje o primeiro morto fora da China, um chinês de Wuhan que estava nas Filipinas.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há casos de infecção confirmados em 24 outros países, com novas notificações na Rússia, Suécia e Espanha.

Emergência Internacional
Na quinta-feira (30), A OMS declarou estado de emergência de saúde pública de âmbito internacional (PHEIC, na sigla inglesa) por causa do surto do novo coronavírus na China.

Vários países, incluindo Portugal, já efetuaram o repatriamento dos seus cidadãos de Wuhan, cidade que tem 11 milhões de habitantes e que foi colocada sob quarentena, na semana passada, com saídas e entradas interditadas pelas autoridades durante período indefinido.

Nos últimos dias, diversas companhias aéreas suspenderam os voos com a China. Rússia, Coreia do Norte e Vietnã fecharam as fronteiras com o país, enquanto alguns países pararam de emitir vistos para cidadãos chineses.

EBC

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

O ambientalista de 11 anos que recebe ameaças de morte por atuação na pandemia.

Reporter Regional

Publicado

em



Um menino colombiano de 11 anos que recebeu ameaças de morte após pedir um melhor acesso à educação durante a pandemia de Covid-19 foi reconhecido pela ONU (Organização das Nações Unidas) por seu ativismo. Francisco Vera é conhecido em seu país por suas campanhas ambientais e pela defesa dos direitos das crianças.

Em 15 de janeiro, ele recebeu uma ameaça de morte de uma conta anônima no Twitter após postar um vídeo pedindo ao governo que melhorasse a conectividade à internet para crianças que estudam online.

Agora, a ONU entregou pessoalmente uma carta a Francisco, parabenizando-o por seu trabalho pioneiro no país sul-americano, onde não é incomum a morte de ativistas ambientais. Em entrevista à BBC, o estudante diz que recebe críticas, mas que ameaças violentas são inaceitáveis.

O incidente gerou indignação na Colômbia, onde a violência contra ativistas de direitos humanos e líderes ambientais está aumentando. Ele também renovou os apelos por mais civilidade nas redes sociais.

“Esse tipo de ameaça é comum na Colômbia e costuma ficar impune”, diz Lourdes Castro, da Somos Defensores, ONG que documenta ataques contra líderes comunitários.

“Mas ameaçar um garoto de 11 anos só mostra que atingimos novos níveis de intolerância e falta de respeito pela liberdade de expressão”, explica ela.

Em carta assinada por Michelle Bachelet, alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a organização agradece a Francisco por seu ativismo e diz que o mundo precisa de mais jovens com sua “paixão por proteger o planeta”.

“Também concordamos com você que a conectividade à Internet ser melhorada para meninos e meninas em todo o mundo”, acrescenta a carta.

Foi entregue pessoalmente a Francisco pelo subordinado de Bachelet na Colômbia. Francisco disse que ficou feliz com o reconhecimento e espera continuar trabalhando com seus colegas em projetos ambientais este ano, incluindo uma campanha para proibir plásticos de uso único na Colômbia.

“A crítica faz parte da vida, e eu a aprecio, desde que seja construtiva e respeitosa”, diz o estudante à BBC. “Mas obviamente não há lugar para insultos e ameaças.”

Francisco diz que começou a sua carreira de ativista aos seis anos, altura em que começou a assistir aos protestos contra as touradas com a família. Seu amor pela natureza o levou a se envolver em outras questões, como reciclagem ou campanhas contra a mineração em reservas naturais, explica.

“Cresci nas montanhas com patos, galinhas, cabras e pássaros”, diz Francisco. “Isso me motivou a ser um defensor dos direitos dos animais e depois um ativista ambiental.”

Em 2019, Francisco fundou um grupo ambientalista chamado Guardiões da Vida em sua cidade natal, Villeta, a cerca de 90 km (55 milhas) da capital Bogotá. Ele e seis amigos da escola começaram marchando até o centro da cidade, recolhendo lixo ao longo do caminho e entoando slogans sobre as mudanças climáticas.

O grupo agora tem mais de 200 membros em 11 províncias da Colômbia, bem como membros no México e na Argentina. Francisco também faz parte do movimento Fridays for Future da sueca Greta Thunberg.

“As crianças precisam de ter uma palavra a dizer nos grandes temas dos nossos dias, como as alterações climáticas ou a política económica”, diz Francisco. “Não somos apenas o futuro. Já estamos sendo afetados pelas decisões que os adultos tomam.”

A mãe de Francisco, Ana Maria Manzanares, espera que a recente ameaça contra o filho no Twitter não passe de uma brincadeira cruel. Ela disse que funcionários do governo a chamaram para oferecer seu apoio e estão investigando quem pode estar por trás da mensagem. Seu filho já havia sido ridicularizado online anteriormente, mas nunca havia recebido ameaças.

“É uma situação difícil”, diz Manzanares. “Mas estou confiante de que meu filho pode manter o foco no que gosta de fazer e deixar isso para trás.”

O presidente colombiano Ivan Duque prometeu na semana passada encontrar os “bandidos” que ameaçaram Francisco. A polícia afirma que uma investigação está em andamento. De acordo com a ONU, 53 defensores dos direitos humanos foram assassinados na Colômbia no ano passado e outros 80 assassinatos de líderes comunitários ainda estão sendo investigados.

Global Witness, um grupo internacional de direitos humanos, disse que 64 ambientalistas foram mortos na Colômbia em 2019, tornando-o o país mais perigoso para ativistas ambientais naquele ano.

Fonte: G1

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Presidente dos Estados Unidos assina pacote de medidas para colocar mudança climática no centro das decisões de seu governo

Reporter Global

Publicado

em



 

 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou nesta quarta-feira (27) um conjunto de medidas que coloca as mudanças climáticas no centro de decisões de política do país nos setores doméstico, de segurança nacional e de relações exteriores.

 

“Nós já esperamos demais para lidar com a crise climática e não podemos esperar mais”, disse Biden durante o anúncio. Segundo Biden, “vimos com nossos próprios olhos” e “é hora de agir”, reforçou Biden ao mencionar os incêndios na Califórnia em 2020, além de furacões e tempestades tropicais que nos últimos anos atingiram o país.

O meio ambiente e a preocupação com as causas ambientais estiveram entre os principais pilares da campanha de Biden, que mesmo antes da eleição se comprometeu a mudar completamente a agenda adotada pelo governo anterior. O ex-presidente chegou a denominar as mudanças climáticas como enganação e criticava o que chamou de “alarmismo” ambiental.

Agora o meio ambiente não só deixou de ser considerado uma farsa como ganhou força. “Assim como precisamos de uma resposta nacional à pandemia, precisamos desesperadamente de uma resposta nacional unificada à crise climática. Porque há uma crise climática”, disse o novo presidente.

Durante a sua posse como presidente Biden já recolocou o país no Acordo Climático de Paris, do qual Trump havia retirado. O acordo foi negociado no governo Obama-Biden.

As novas ordens assinadas nesta quarta pela Casa Branca estabelecem que considerações sobre o clima são “elemento essencial da política externa americana e da segurança nacional”. Também foi agendado um encontro sobre o clima com líderes internacionais para o Dia da Terra, em 22 de abril.

Biden também suspendeu a concessão de novas propriedades federais para a indústria de óleo e gás, se comprometeu com a conservação de 30% das terras e da água do país até 2030, recriou o Conselho Presidencial de Especialistas em Ciência e Tecnologia e assinou um memorando para se comprometer com a independência dos cientistas do país. O governo Biden também determinou que as agências federais eliminem subsídios a combustíveis fósseis e identifiquem novas oportunidades de inovação com energia limpa.

 

 

FONTE: O Sul

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Peru decreta lockdown em 10 regiões; pessoas só poderão sair de casa 1h por dia

Reporter Global

Publicado

em

Presidente do Peru, Francisco Sagasti, durante pronunciamento Foto: Divulgação/Governo do Peru/26.jan.2021

 

 

O Peru bloqueará 10 regiões, incluindo a capital Lima, de 31 de janeiro a 14 de fevereiro, anunciou o presidente Francisco Sagasti.

 

 

A capital, a região metropolitana de Lima e as regiões de Callao, Ancash, Pasco, Huánuco, Junín, Huancavelica, Ica e Apurímac fecharão após serem classificadas como risco “extremo” para Covid-19.

Os residentes nessas regiões terão permissão para sair de suas casas por uma hora por dia sob as restrições.

Os serviços interprovinciais de transporte terrestre e aéreo foram suspensos, segundo Sagasti.

“Isso exige confinamento, ou seja, quarentena”, explicou o presidente em mensagem à nação.

Outras nove regiões do país estão em nível de risco “muito alto”, e as demais estão em “alto”.

 

 

FONTE: CNN

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×