Cenário de grave perigo por chuva entre o Uruguai e o Oeste Gaúcho
Connect with us

Clima/Tempo

Cenário de grave perigo por chuva entre o Uruguai e o Oeste Gaúcho

Publicado

em

portal plural alerta

topo humbeto pluralFAST AÇAÍNuveraAcademia Persona

Cenário de grave perigo por chuva extrema é projetado pela MetSul Meteorologia entre o Uruguai e o Rio Grande do Sul com acumulados extraordinariamente altos em alguns pontos que podem ficar entre 200 mm e 400 mm com marcas até localmente superiores em apenas dois a três dias.

O que vai provocar tanta chuva? Uma massa de ar excepcionalmente quente vai cobrir o Rio Grande do Sul nos próximos dias com calor histórico. A grande massa de ar afetará ainda grande parte do Centro-Sul do Brasil, o Paraguai, o Norte da Argentina e a Bolívia.

A massa de ar excepcionalmente quente formará e bloqueará sistemas de instabilidade nas latitudes médias da América do Sul. Como efeito do bloqueio, as províncias do Centro da Argentina e o Uruguai devem sofrer com frequência com episódios de chuva e tempestades, intercalados com momentos de sol e forte abafamento, até o fim de semana.

Serão sucessivas ondas de tempestades que vão afetar, assim, o Centro da Argentina com possibilidade de formação de frentes de rajadas e sistemas convectivos, capazes de gerar chuva localmente extrema e tempestades de forte a severa intensidade.

Modelos numéricos de previsão do tempo indicam que os mais elevados acumulados de chuva, extraordinariamente altos em alguns pontos, devem se dar no chamado “Litoral Oeste” do Uruguai e no Norte do país, em departamentos como Artigas, Rivera, Salto, Tacuarembó, Paysandu, Soriano e Rio Negro.

Os mesmos dados indicam que parte desta instabilidade afetaria setores mais a Oeste do Rio Grande do Sul com volumes menores que no Uruguai, mas ainda assim elevados a extremos com marcas de 100 mm a 200 mm, isoladamente superiores, numa área compreendida entre Livramento, Alegrete e Uruguaiana.

Há uma divergência dos modelos sobre a distribuição da chuva no Rio Grande do Sul entre o WRF 72 horas inicializado com o modelo norte-americano e o gerado a partir do modelo europeu. O WRF para 72 horas inicializado a partir do modelo europeu aponta acumulados mais altos tanto para o Oeste gaúcho como para o Norte e o Oeste do Uruguai.

Chama atenção a projeção de chuva do modelo WRF inicializado com o modelo europeu de acumulados incrivelmente altos para o Oeste do Uruguai com marcas de 250 mm a 500 mm numa extensa área e pontos até acima do máximo da escala de 500 mm, em particular em Artigas, Salto e Paysandu.

Sob este cenário, o quadro é de grave perigo por chuva extrema nestas áreas com grandes impactos esperados em zonas urbanas e rurais. Podem ser esperadas inundações, algumas graves e repentinas, com muitas áreas alagadas e cobertas de água no Oeste do país vizinho.

Algumas estradas devem se tornar intransitáveis com prováveis trechos e pontilhões cobertos pela água. Com a perspectiva de forte correnteza, trechos alagados devem se terminantemente evitados por motoristas sob perigo de acidentes fatais.

 

Fonte: MetSul.

Compartilhe

Clima/Tempo

Calor persiste em Santa Rosa, mas a chuva se aproxima

Publicado

em

portal plural calor persiste em santa rosa, mas chuva se aproxima

topo humbeto pluralFAST AÇAÍNuveraAcademia Persona

A Região da Fronteira Noroeste segue com altas temperaturas nesta quarta-feira (12). Em Santa Rosa, a previsão é de sol e tempo firme, com a máxima chegando aos 31ºC.

No entanto, a MetSul alerta para a chegada de uma frente fria no fim de semana, que trará instabilidade e chuva a partir de sábado. Essa mudança no tempo é resultado da formação de um canal de umidade e do bloqueio atmosférico no Centro do Brasil.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Clima/Tempo

Massa de ar seco prolonga veranico no Brasil

Publicado

em

portal plural grande e forte massa de ar seco mantém veranico no brasil
Foto: Getty Images
FAST AÇAÍAcademia PersonaNuveratopo humbeto plural

Uma vasta e robusta massa de ar seco continua dominando o território brasileiro. O epicentro desse sistema encontra-se sobre a região Sudeste, mas todos os cantos do país estão sendo influenciados por essa massa de ar seco. A baixa umidade do ar está dificultando a formação de nuvens e a ocorrência de chuvas na maior parte do território nacional. É essa extensa massa de ar seco que está mantendo as condições para o veranico observado nos últimos dias e que persistirá até o dia 20 de junho.

Devido a esse veranico, muitas áreas do país estão experimentando temperaturas muito acima do normal para o mês de junho, inclusive no Sul do país. Por enquanto, essa massa de ar seco ainda está vigorosa e está afastando as frentes frias para longe, impedindo que avancem sobre a região Sul para alcançar o Sudeste ou o Centro-Oeste.

Nesta terça-feira, uma nova frente fria está se movendo pelo oceano em direção à costa paulista, porém, sem causar alterações significativas no clima. As nuvens de chuva estão se formando no extremo norte do Brasil e em áreas próximas ao litoral do Nordeste, onde o ar úmido está concentrado.

Região Sul:

O ar seco continua predominante sobre o Sul do Brasil, e a maior parte da região terá um dia de terça-feira ensolarado, sem condições para chuva. O ar úmido proveniente do mar ingressa sobre o Rio Grande do Sul, resultando na formação de muitas nuvens sobre o estado.

Durante a madrugada e pela manhã, pode ocorrer chuvisco em áreas do sul, centro, leste e nordeste gaúcho, incluindo a região metropolitana de Porto Alegre, além de chuva leve no litoral sul. Contudo, todas essas áreas terão períodos de sol ao longo da tarde.

Na serra, sul e litoral de Santa Catarina, a umidade aumenta durante a tarde, culminando em um final de dia com predominância de muitas nuvens.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Clima/Tempo

O Impacto dos recordes de temperatura dos oceanos em nosso planeta

Publicado

em

portal plural impacto temepraturas no oceano
Foto: Getty Images/via BBC
FAST AÇAÍNuveraAcademia Personatopo humbeto plural

Os oceanos do planeta desempenham o papel de uma espécie de bateria global, absorvendo enormes quantidades de calor e liberando-o gradualmente. Até o momento, mais de 90% do calor retido na atmosfera terrestre pelo aumento das emissões de gases do efeito estufa foi absorvido pelos nossos oceanos. No entanto, nos últimos tempos, esse processo de aquecimento tem se acelerado consideravelmente.

Desde o final de março de 2023, as temperaturas da superfície dos oceanos têm quebrado recordes diariamente, com 47 desses dias registrando temperaturas superiores aos recordes anteriores por uma margem maior do que qualquer outra já observada na era dos satélites, conforme dados do Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus da União Europeia.

Em fevereiro de 2024, o mundo completou um ano com temperaturas do ar acima de 1,5 °C, e algumas regiões oceânicas se aproximaram perigosamente do que seria esperado caso o aquecimento global atingisse 3 °C acima dos níveis pré-industriais. Essas medições sugerem um aquecimento oceânico mais rápido do que o previsto.

Esse rápido aumento das temperaturas oceânicas tem desconcertado os cientistas, que se perguntam por que o aquecimento recente dos oceanos está superando as projeções dos modelos climáticos.

A professora de impactos das mudanças climáticas, Hayley Fowler, da Universidade de Newcastle, no Reino Unido, descreve o salto nas temperaturas oceânicas como “enorme” e expressa preocupação com a incapacidade de simular e compreender esses aumentos repentinos.

O aquecimento dos oceanos já está causando danos significativos a pessoas e ecossistemas. No verão de 2023, as temperaturas da água nas proximidades da Flórida atingiram níveis comparáveis aos de uma banheira quente, enquanto os recifes de coral enfrentam a quarta onda de branqueamento global, considerada a mais severa até então.

Além disso, há consequências menos evidentes, como o aumento da intensidade das chuvas e a desoxigenação das profundezas oceânicas, sugerindo que os recordes de temperatura dos oceanos estão perturbando o equilíbrio do planeta.

Dois fatores principais são responsáveis por esse aquecimento recorde dos oceanos: o aumento da concentração de gases do efeito estufa na atmosfera e o fenômeno El Niño de 2023. O El Niño aqueceu as águas superficiais do Oceano Pacífico tropical, causando uma intensa transferência de calor para a atmosfera.

Os impactos desses recordes de aquecimento oceânico já estão sendo sentidos em todo o mundo, especialmente no aumento da precipitação e na intensificação das tempestades. Com temperaturas superficiais mais altas, a evaporação aumenta, levando a uma maior quantidade de chuvas. Esse efeito é agravado pelo aquecimento global, que permite que o ar mais quente retenha mais umidade, resultando em tempestades mais intensas.

Os oceanos mais quentes também alimentam a formação de furacões mais poderosos, um fenômeno particularmente preocupante à medida que o recente El Niño pode dar lugar a uma La Niña. Essa transição pode aumentar a atividade de furacões, especialmente no Atlântico Norte, com possíveis consequências devastadoras.

Diante desses desafios, entender e mitigar os impactos do aquecimento dos oceanos é uma prioridade urgente para proteger nossos ecossistemas e comunidades costeiras.

Fonte: CNN Brasil

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

×

Entre em contato

×