Candidatos barrados custaram R$ 26 milhões em 2020, e gasto deve ser maior na eleição de outubro
Connect with us

Política

Candidatos barrados custaram R$ 26 milhões em 2020, e gasto deve ser maior na eleição de outubro

Publicado

em

portal plural candidatos barrados custaram r$ 26 milhões em 2020, e gasto deve ser maior na eleição de outubro
Foto: Douglas Gomes/Divulgação/Liderança do Republicanos na Câmara

banner plano0 goldFAST AÇAÍ15 topo humberto pluralAcademia PersonaNuvera

A cada nova eleição, a combinação de financiamento público de campanhas, falta de regras rigorosas para distribuição interna dos partidos e prazos curtos para análise dos registros pela Justiça Eleitoral resulta em um desperdício significativo de recursos públicos. Em 2020, candidaturas inviáveis receberam cerca de R$ 27,5 milhões dos fundos eleitoral e partidário, dos quais apenas R$ 1,4 milhão foi devolvido ou redirecionado para outros candidatos. Estima-se que essas campanhas inúteis tenham consumido aproximadamente R$ 26 milhões naquele ano.

Para as eleições de 2024, o prejuízo aos cofres públicos pode ser ainda maior, uma vez que o fundo eleitoral alcança a marca de R$ 4,9 bilhões, mais que o dobro dos R$ 2 bilhões disponibilizados há quatro anos. Com mais recursos disponíveis, aumenta o risco de que verbas substanciais sejam destinadas a candidatos indeferidos, cassados ou que desistam da campanha antes da votação.

A maioria dos recursos destinados a candidatos inaptos refere-se a políticos impedidos de concorrer após análise dos registros de candidatura pela Justiça Eleitoral. O problema reside no tempo que esses processos levam, permitindo que os candidatos participem da campanha e gastem recursos públicos até que uma decisão final os exclua da disputa. Durante esse período, nada impede que esses candidatos recebam financiamentos e gastem recursos em propaganda eleitoral.

Especialistas consultados apontam que a causa principal desse problema é o registro de candidatura imediatamente antes do início da campanha eleitoral. Isso impede a identificação precoce de problemas que poderiam evitar que políticos não elegíveis recebam e utilizem recursos do fundo eleitoral e partidário, além de aparecerem na propaganda eleitoral gratuita.

Um caso extremo ocorreu em Coari (AM), onde Adail Filho, do Progressistas, gastou R$ 690 mil na tentativa de reeleição, mesmo tendo seu registro indeferido posteriormente devido à Lei da Ficha Limpa, por ser membro de um núcleo familiar que já governou a cidade por dois mandatos consecutivos. O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas anulou seus votos, resultando na realização de uma nova eleição no ano seguinte.

Em Santos Dumont (MG), Bebeto Faria, do antigo DEM, também fez campanha até o fim, apesar de ter seu registro indeferido semanas antes do primeiro turno devido a uma condenação por improbidade administrativa. Ele gastou R$ 510 mil do fundo eleitoral, mas acabou em terceiro lugar.

Além dos candidatos indeferidos, também há casos de chapa inteira de vereadores cassados por fraude à cota de gênero, onde candidatas “laranjas” são utilizadas para cumprir a exigência legal sem efetiva intenção de concorrer.

Especialistas sugerem que uma solução eficiente para reduzir o desperdício seria antecipar o prazo de registro de candidaturas, permitindo tempo suficiente para análise antes do início das campanhas. Essa medida poderia diminuir os gastos com políticos inelegíveis e registros indeferidos.

Apesar das propostas de ressarcimento dos valores utilizados por candidatos não elegíveis, como sugerido pela ex-procuradora-geral da República Raquel Dodge em 2018, a implementação prática dessa medida enfrenta desafios significativos.

A complexidade do sistema eleitoral brasileiro, aliada aos prazos exíguos para análise dos registros, continua a ser um obstáculo para a redução do desperdício de recursos públicos em campanhas eleitorais.

Fonte: Estadão

Compartilhe

Política

“Era para eu estar morto”, diz Donald Trump na primeira entrevista após sofrer atentado

Publicado

em

portal plural “era para eu estar morto”, diz donald trump na primeira entrevista após sofrer atentado
Foto: Reprodução de vídeo
FAST AÇAÍbanner plano0 goldAcademia PersonaNuvera15 topo humberto plural

Em sua primeira entrevista após sofrer um atentado durante um comício em Butler, na Pensilvânia, no sábado (13), Donald Trump declarou que ele deveria “estar morto”.

“Era para eu estar morto. Por sorte ou por Deus, muitas pessoas estão dizendo que é por Deus, que eu ainda estou aqui”, afirmou o republicano ao jornal New York Post.

Na entrevista, Trump exibiu um grande hematoma no antebraço direito, resultado da intervenção dos agentes de segurança que correram para protegê-lo. Com uma bandagem branca cobrindo sua orelha direita, o ex-presidente dos EUA recusou-se a ser fotografado.

Trump comentou sobre as imagens que mostraram ele levantando o punho e dizendo “lute” enquanto estava com sangue no rosto. “Muitas pessoas dizem que é a foto mais icônica que já viram”, declarou. “Eles estão certos e eu não morri. Normalmente, você tem que morrer para ter uma foto icônica”, acrescentou.

Ele revelou ao jornal que desejava continuar seu discurso após o tiroteio, mas o Serviço Secreto insistiu que ele fosse ao hospital. Trump também mencionou que apreciou o telefonema que recebeu de seu rival, o presidente Joe Biden, após o ataque.

“Eu quero unir nosso país, mas não sei se isso é possível. As pessoas estão muito divididas”, finalizou.

“Levei um tiro que atingiu a parte superior da minha orelha direita. Soube imediatamente que algo estava errado quando ouvi um zumbido, tiros e senti a bala rasgando a pele”, declarou Trump após o ataque. O atirador foi morto por agentes de segurança.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Política

Brasil registra quase 190 casos de violência política no primeiro semestre deste ano

Publicado

em

portal plural brasil registra quase 190 casos de violência política no primeiro semestre deste ano
Foto: Reprodução
15 topo humberto pluralFAST AÇAÍAcademia Personabanner plano0 goldNuvera

O Brasil registrou 187 casos de violência contra políticos no primeiro semestre deste ano, conforme levantamento realizado pela CNN com base em relatórios do Observatório da Violência Política e Eleitoral da Unirio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro).

De janeiro a junho, maio foi o mês com o maior número de episódios, contabilizando 51 casos de violência contra deputados, prefeitos, vereadores e lideranças políticas.

Os tipos de violência registrados incluem ameaças, agressões, homicídios, atentados e sequestros, sendo as ameaças e agressões os episódios mais frequentes. No total, houve 43 assassinatos com motivação política, destacando-se os estados do Rio de Janeiro (6), Bahia (4) e Ceará (4).

Um dos casos notórios foi o assassinato de Juliana Lira de Souza, conhecida como “Nega Juh”, pré-candidata a vereadora em Nova Iguaçu (RJ). Os partidos mais atingidos por episódios de violência foram o PL (21), o PT (16), o PSB (11) e o PP (11).

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Política

Bolsonaro diz que só conservadores sofrem atentados

Publicado

em

portal plural bolsonaro diz que só conservadores sofrem atentados
Foto: Embaixada EUA no Brasil
NuveraAcademia Persona15 topo humberto pluralFAST AÇAÍbanner plano0 gold

O ex-presidente Jair Bolsonaro declarou neste domingo (14), em um evento em São Paulo, que “somente pessoas conservadoras sofrem atentado”. “Atentados são contra pessoas de bem e conservadoras”, afirmou Bolsonaro, referindo-se ao ataque ao ex-presidente americano Donald Trump, com quem mantém aliança.

Entretanto, essa afirmação ignora atentados contra políticos de outros espectros ideológicos. No Brasil, em 2018, a vereadora Marielle Franco, do PSOL, foi assassinada a tiros enquanto voltava para casa. Além disso, o presidente John F. Kennedy foi baleado durante uma visita a Dallas, nos Estados Unidos, sendo um dos quatro presidentes americanos mortos por atentados durante o exercício do mandato.

Bolsonaro também mencionou o atentado que ele próprio sofreu. “Ele [Trump] foi salvo, como eu fui. Os médicos dizem que foi um milagre eu ter sobrevivido em 2018, considerando a gravidade dos ferimentos. Ele foi salvo por questão de poucos centímetros. Isso, no meu entender, é algo que vem de cima”, completou o ex-presidente. Bolsonaro não quis responder se falou com Trump após o atentado.

O ex-presidente participou do lançamento da pré-candidatura da vereadora Sonaira Fernandes (PL), em um evento que contou com a presença da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro e do governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas. O evento ocorreu na sede da Igreja Renascer em Cristo, em São Paulo, reunindo cerca de 2 mil pessoas.

Após o evento, em entrevista ao Estadão, Bolsonaro afirmou que não está “nem um pouco preocupado” com o indiciamento da Polícia Federal no caso das joias. “É só você ler a lei, decretos e portarias. Os presentes que eu recebi são meus”, sustentou o ex-mandatário.

Entretanto, a própria Secretaria-Geral da Presidência da República de Bolsonaro revogou, em novembro de 2021, a portaria da gestão Michel Temer que definia joias, semijoias e bijuterias como itens de caráter personalíssimo. Em 2023, o Tribunal de Contas da União (TCU) notificou a Secretaria-Geral da Presidência sobre a necessidade de ex-ministros de Bolsonaro devolverem relógios de luxo recebidos durante uma viagem oficial a Doha, no Catar, em 2019. O ministro Antonio Anastasia afirmou que o recebimento de presentes caros extrapola os “princípios da razoabilidade e da moralidade” pública, previstos na Constituição.

Ainda na entrevista, Bolsonaro indicou que manterá a pré-candidatura do deputado federal Alexandre Ramagem (PL) à prefeitura do Rio de Janeiro, apesar da PF ter encontrado um áudio de uma reunião em que Bolsonaro, Ramagem e o general Augusto Heleno discutem um plano para proteger o senador Flávio Bolsonaro no inquérito da rachadinha. “Vou estar com ele (Ramagem) quinta, sexta e sábado”, declarou.

Orações por Trump

Michelle Bolsonaro foi a primeira a discursar no evento, afirmando que “nós fomos negligentes, como cristãos, por falar que não podia misturar religião com política e, por conta disso, o mal tomou conta”. Sem citar o presidente Lula, a ex-primeira-dama disse que o “mal está governando” e pediu orações para Trump.

Ao lado de Tarcísio, Bolsonaro voltou a questionar o resultado da última eleição, apesar de dizer que é “página virada” e que não tem “obsessão pelo poder”. O ex-presidente mencionou novamente o atentado que sofreu em 2018. Aliados de Bolsonaro têm atribuído o atentado contra Trump a políticos de esquerda, comparando o episódio à facada que atingiu Bolsonaro na campanha eleitoral de 2018 e levou à prisão de Adélio Bispo.

Filhos de Bolsonaro

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) manifestou-se nas redes sociais, afirmando que “ainda há quem ache que a diferença entre direita e esquerda é só política. Saiba que se pudessem eles meteriam uma bala na cabeça de cada opositor, só precisam da oportunidade para fazê-lo”.

Jair Renan (PL-SC), também filho de Bolsonaro, publicou uma montagem no Instagram com a foto de Bolsonaro no momento da facada e a de Trump ao ser atingido de raspão durante o comício na Pensilvânia. “E a história se repete. Se não podem vencer, tentam matar. Trump irá voltar”, disse o filho mais novo de Bolsonaro.

Fonte: Jornal o Sul

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×