Acesse aqui
Rádio Web Portal Plural
Brasil perde 4,6 milhões de leitores em quatro anos – Portal Plural
Connect with us

Destaque

Brasil perde 4,6 milhões de leitores em quatro anos

Dados fazem parte da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil

Pável Bauken

Publicado

em

© Divulgação/Cultura RJ


O Brasil perdeu, nos últimos quatro anos, mais de 4,6 milhões de leitores, segundo dados da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil. De 2015 para 2019, a porcentagem de leitores no Brasil caiu de 56% para 52%. Já os não leitores, ou seja, brasileiros com mais de 5 anos que não leram nenhum livro, nem mesmo em parte, nos últimos três meses, representam 48% da população, o equivalente a cerca de 93 milhões de um total de 193 milhões de brasileiros.

As maiores quedas no percentual de leitores foram observadas entre as pessoas com ensino superior – passando de 82% em 2015 para 68% em 2019 -, e entre os mais ricos. Na classe A, o percentual de leitores passou de 76% para 67%.

O brasileiro lê, em média,  cinco livros por ano, sendo aproximadamente 2,4 livros lidos apenas em parte e, 2,5, inteiros. A Bíblia é apontada como o tipo de livro mais lido pelos entrevistados e também como o mais marcante.

Esta é a 5ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada pelo Instituto Pró Livro em parceria com o Itaú Cultural.

Foram feitas 8.076 entrevistas em 208 municípios entre outubro de 2019 e janeiro de 2020. A coleta de dados foi encomendada ao Ibope Inteligência. A pesquisa foi feita antes da pandemia do novo coronavírus, não refletindo, portanto, os impactos da emergência sanitária na leitura no país.

Internet e redes sociais

De acordo com a coordenadora da pesquisa, Zoara Failla, a internet e as redes sociais são razões para a queda no percentual de leitores, sobretudo entre as camadas mais ricas e com ensino superior.

“[Essas pessoas] estão usando o seu tempo livre, não para a leitura de literatura, para a leitura pelo prazer, mas estão usando o tempo livre nas redes sociais”, diz.

“A gente nota que a principal dificuldade apontada é tempo para leitura e o tempo que sobra está sendo usado nas redes sociais”, completa.

O estudo mostra que 82% dos leitores gostariam de ter lido mais. Quase a metade (47%) diz que não o fez por falta de tempo. Entre os não leitores, 34% alegaram falta de tempo e 28% disseram que não leram porque não gostam. Esse percentual é 5% entre os leitores.

A internet e o WhatsApp ganharam espaço entre as atividades preferidas no tempo livre entre todos os entrevistados, leitores e não leitores. Em 2015, ao todo, 47% disseram usar a internet no tempo livre. Esse percentual aumentou para 66% em 2019. Já o uso do WhatsApp passou de 43% para 62%.

Dificuldades de leitura

A pesquisa mostra ainda uma série de dificuldades de leitura. Entre os entrevistados, 4% disseram não saber ler, outros 19% disseram ler muito devagar; 13%, não ter concentração suficiente para ler; e, 9% não compreender a maior parte do que leem.

Há ainda entraves para acesso aos livros. “O Brasil está vivendo uma crise na economia, vemos dificuldade para o acesso, para a compra [de livros]. As pessoas estão frequentando menos bibliotecas”, diz Zoara.

Segundo a pesquisa, 5% dos leitores e 1% dos não leitores disseram não ter lido mais porque os livros são caros; e, 7% dos leitores e 2% dos não leitores não leram porque não há bibliotecas por perto.

Incentivos

Um dos fatores que influencia a leitura, de acordo com o estudo, é o incentivo de outras pessoas. Um a cada três entrevistados, o equivalente a 34%, disse que alguém os estimulou a gostar de ler.

Os professores aparecem em primeiro lugar, apontados por 11%. Em segundo lugar está a mãe ou responsável do sexo feminino, apontado por 8%, e, em seguida, está o pai, responsável do sexo masculino ou algum outro parente apontado por 4%.

“É fundamental investir na formação desse mediador. O professor, mediador de leitura, o bibliotecário que também assuma de alguma forma esse papel. A gente viu a importância desse mediador quando é assumido por uma família, mas que é uma família de classe alta, de nível superior. E as crianças que vêm de famílias mais vulneráveis? Eu acho que a escola tem que suprir esse papel”, avalia Zoara.

ebc

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Centro de Distribuição em Santa Rosa está em discussão

Pável Bauken

Publicado

em



Uma reunião realizada na manhã desta terça-feira, 22, colocou em pauta a importância da instalação de um Centro de Distribuição (CD) em Santa Rosa. Foi na sede do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística (Sintralog) com a presença do presidente da Câmara de Vereadores, Aldair Melchior, assessores da Mesa Diretora e integrantes da diretoria da entidade, que tem sua sede no município e que atua em seis cidades da região, mobilizando mais de 500 empresas associadas.

Presidente do Sintralog, Elemar Cláudio Walker, destacou que Santa Rosa é um centro que abastece a região e por isso, um CD é fundamental para o desenvolvimento da cidade. Ele lembrou que a região se desenvolve com o agronegócio mas também avança forte para o crescimento de outros segmentos econômicos e empresariais.

O Sintralog fará levantamento junto com as empresas interessadas no CD. O sindicato projeta que essa área irá atrair novos investimentos para o setor, sendo fator crucial, a organização do planejamento do município voltado ao setor de cargas e logística.

A entidade aponta que, mesmo em período de pandemia, a cidade mantém um bom fluxo de transporte.

Aldair Melchior afirmou que a Câmara de Vereadores será parceira do Poder Executivo e do Sintralog na ampliação do debate e na busca de ações necessárias para a aquisição de uma área e infraestrutura no local que venha alojar o Centro de Distribuição de Santa Rosa.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Vereadores aprovam Lei Orçamentária de 2021

Pável Bauken

Publicado

em



Em sessão ordinária realizada no início da noite desta segunda-feira, 21, a Câmara de Vereadores de Santa Rosa aprovou por unanimidade o projeto de Lei 020/2020, que trata das diretrizes orçamentárias (LDO), responsável pela formatação do Orçamento do Município para o próximo exercício, dos Poderes Legislativo e Executivo, além da Fundação Municipal de Saúde e do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais (PREVIROSA).

Antes de ir à votação, o PL 020 tramitou nas comissões permanentes da Câmara, sendo motivo da primeira audiência pública virtual da história do Legislativo santa-rosense, realizada pela Comissão de Fiscalização, Controle, Obras e Serviços Públicos no dia 3 deste mês.

A LDO projeta incremento de 3% das receitas, sendo este índice com base na inflação prevista e previsão de crescimento da economia local.

A previsão da Receita Consolidada para o exercício de 2021 é de um orçamento financeiro total de R$ 378.000.637,21, a ser arrecadada através de Recursos Livres (R$ 118.210.789,96) e Recursos Vinculados (R$ 259.789.847,25).

Já a previsão da Despesa Consolidada projeta um orçamento financeiro total de R$ R$ 378.000.637,21, estando assim dividido:

Poder Executivo: R$ 195.933.597,75

Câmara Municipal de Vereadores: R$ 10.967.039,46

Fundação Municipal de Saúde: R$ 104.000.000,00

Instituto de Previdência Municipal: R$ 67.100.000,00

A projeção de investimentos previsto na LDO para o ano de 2021 é de R$ 23.068.454,23, aplicados em obras e instalações (R$ 17.420.878,52), equipamentos e material permanente (R$ 5.550,875,71) e desapropriações, indenizações e inversões (R$ 96.700,00).

Ainda na sessão desta segunda-feira os vereadores debateram e aprovaram o Projeto de Lei 016/2020, que homologa crédito adicional extraordinário aberto e incorporado ao orçamento de 2020, em decorrência de situação de calamidade pública, decorrente da epidemia da Covid-19, no valor de R$ 2,65 milhões.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

SOJÃO confirma participação no estadual adulto 2020

Pável Bauken

Publicado

em



O clube foi representado pelo presidente Betuel Sauer e pelo diretor Aléssio Volkweis na reunião virtual da Federação Gaúcha de Basquete realizada nesta segunda-feira.

O campeonato terá a participação de 06 equipes: SOJÃO, Caxias Basquete, ÚNICO (Sta. Cruz), Arranca (Cruz Alta), LUBA (Uruguaiana) e Clube Comercial (P. Fundo).

Serão duas fases, a primeira e Santa Rosa e a segunda em Santa Cruz do Sul, além do Final Four em Caxias do Sul.

A competição será realizada toda em novembro e o protocolo de segurança da entidade já está pronto.

31 de out, 01 e 02 de novembro será disputada a primeira fase sem Santa Rosa e 06, 07 e 08 de novembro segunda fase em Santa Cruz, a Final Four em Caxias, 21 e 22 de novembro.

O Caxias vai estar jogando o NBB, então entra só no final Four com as 03 melhores colocadas.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

O que você achou do site novo do Portal Plural?

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×