Brasil exporta 40,4 milhões de sacas de café em 2021, com receita de US$ 6,2 bilhões - Portal Plural
Connect with us

Good News

Brasil exporta 40,4 milhões de sacas de café em 2021, com receita de US$ 6,2 bilhões

Publicado

em


topo humbeto pluralNuveraAcademia PersonaFAST AÇAÍ

Desempenho representa queda de 9,7% em volume, mas evolução de 10,3% em receita cambial na comparação com 2020

 

O Brasil exportou 40,372 milhões de sacas de 60 kg de café em 2021, obtendo US$ 6,242 bilhões. O desempenho representa queda de 9,7% em volume, mas evolução de 10,3% em receita cambial frente aos números registrados nos 12 meses de 2020. Os dados fazem parte do relatório estatístico do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

Essa performance implica o terceiro maior volume remetido ao exterior pelo país na história, mesmo em meio à transição para uma safra de ciclo baixo, e, em valores, o melhor nos últimos sete anos, refletindo os preços elevados no mercado e o câmbio favorável às exportações.

“Diante do ingresso na temporada 2021/22, com uma menor colheita devido ao ciclo bienal e aos impactos do clima nos cafezais do Brasil, vivemos intensas volatilidades no mercado. As cotações evoluíram para perto de seus níveis históricos, com o preço médio das exportações, de US$ 154,63, sendo um dos maiores da série. Esses fatores, aliados a um dólar forte ante o real, favoreceram o maior ingresso de divisas no Brasil”, analisa Nicolas Rueda, presidente do Cecafé.

Conforme ele, o desempenho do ano passado é significativo e resulta do profissionalismo dos exportadores brasileiros, que realizaram trabalho exemplar para lidar com expressiva elevação no custo dos fretes, rolagens de cargas, constantes cancelamentos de bookings e disputa por contêineres e espaço nas embarcações.

“Vivemos um ano inteiro com impactos da Covid-19 e a capacidade dos nossos associados foi o que permitiu que o Brasil alcançasse o terceiro melhor desempenho em volume embarcado da história. Os exportadores nacionais foram resilientes e realizaram esforços titânicos, não se deixando vencer. Assim, após mais de duas décadas, e como alternativa, retomaram os embarques na modalidade ‘break bulk’, com tecnologia moderna, via ‘big bags’, que supriu, em parte, a falta de contêineres”, enaltece.

IMPACTO DOS GARGALOS LOGÍSTICOS
Apesar do desempenho relevante alcançado pelos exportadores, o Cecafé aponta que os gargalos logísticos no comércio marítimo mundial impactaram o resultado final das exportações brasileiras de café no ano passado.

“Observamos uma melhora no fluxo dos embarques em dezembro, também motivada pelas remessas via ‘break bulk’. Ainda assim, projetamos que o Brasil deixou de exportar cerca de 3 milhões de sacas e de receber aproximadamente US$ 465 milhões em receita”, estima Rueda.

Outro ponto que evidencia os impactos desses entraves é a redução no número de contêineres enviados ao exterior com café. No ano passado, foram embarcados 112.732 contentores, o que representa uma queda de 9,8% na comparação com os 125.034 remetidos ao longo de 2020.

PRINCIPAIS DESTINOS
No acumulado de 2021, o Brasil exportou café para 122 países. Os Estados Unidos lideraram o ranking ao importarem 7,781 milhões de sacas, volume 4,4% inferior ao aferido entre janeiro e dezembro de 2020 e que representou 19,3% dos embarques totais brasileiros no ano passado.

A Alemanha, com representatividade de 16,2%, adquiriu 6,539 milhões de sacas (-14,4%) e ocupou o segundo lugar na lista. Na sequência, vêm Itália, com a compra de 2,944 milhões de sacas (-2,5%); Bélgica, com 2,839 milhões (-24,6%); e Japão, com a importação de 2,509 milhões de sacas (+4,2%).

É válido destacar, ainda, a Colômbia, terceiro maior produtor de café do mundo, que foi o sétimo principal destino das exportações brasileiras do produto. O país vizinho adquiriu 1,158 milhão de sacas, apresentando o maior crescimento em volume no intervalo, de 289.561 sacas, o que equivaleu a uma alta percentual de 33,4 pontos.

Ainda em termos de volume, a China foi o segundo maior destaque nas compras do café brasileiro em 2021, atrás da Colômbia, incrementando suas importações em 132.003 sacas (+65%) na comparação com 2020. Nos 12 meses do ano passado, os chineses adquiriram 333.648 sacas do produto nacional.

TIPOS DE CAFÉ
O café arábica foi o mais exportado no acumulado de 2021, com o despacho de 32,655 milhões de sacas ao exterior, o que correspondeu a 80,9% do total. O segmento do solúvel teve 4,032 milhões de sacas embarcadas, com representatividade de 10%. Na sequência, vêm a variedade canéfora (robusta + conilon), com 3,639 milhões de sacas (9%), e o café torrado e moído, com 45.766 sacas (0,1%).

PORTOS
O complexo marítimo de Santos (SP) se manteve como o principal exportador dos cafés do Brasil no ano passado, com o envio de 31,108 milhões de sacas entre janeiro e dezembro, o que equivale a 77,1% do total. Na sequência, vêm os portos do Rio de Janeiro, que responderam por 16,3% dos embarques ao remeterem 6,582 milhões de sacas, e Vitória (ES), com o envio de 1,041 milhão de sacas ao exterior e representatividade de 2,6%.

CAFÉS DIFERENCIADOS
Já os cafés diferenciados, que possuem qualidade superior ou algum tipo de certificado de práticas sustentáveis, responderam por 19% das exportações totais brasileiras do produto de janeiro a dezembro de 2021, com o envio de 7,669 milhões de sacas ao exterior. Esse volume representa recuo de 2,7% na comparação com as 7,877 milhões de sacas embarcadas pelo país em 2020.

O preço médio desse produto foi de US$ 207,53 por saca, proporcionando uma receita de US$ 1,591 bilhão nos 12 meses, o que corresponde a 25,5% do total obtido com os embarques. No comparativo anual, o valor é 23,4% maior do que o aferido em idêntico intervalo anterior.

ANO SAFRA
Nos seis primeiros meses da temporada cafeeira 2021/22, o Brasil registra a melhor receita cambial dos últimos cinco anos. O país obteve US$ 3,438 bilhões com o envio de 19,429 milhões de sacas de julho a dezembro passados, desempenho que representa alta de 12,8% ante mesmo intervalo anterior, apesar do recuo de 21,4% em volume.

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ciência

Tecnologia inovadora regenera tecido cardíaco

Publicado

em

portal plural (2)
Foto: Divulgação/BBC Brasil
topo humbeto pluralAcademia PersonaNuveraFAST AÇAÍ

Um estudo recente sugere que ondas de choque suaves podem promover a regeneração do tecido cardíaco em pacientes submetidos a cirurgias de revascularização, como pontes de safena ou mamária.

Realizado com 63 pessoas na Áustria, o estudo revelou que os pacientes que receberam esse novo tratamento apresentaram melhorias significativas em comparação aos que não receberam. Eles conseguiram caminhar distâncias maiores e seus corações demonstraram uma capacidade aumentada de bombear sangue.

“Pela primeira vez, estamos testemunhando a regeneração do músculo cardíaco em um ambiente clínico, o que pode beneficiar milhões de pessoas”, afirmou o professor Johannes Holfeld, da Universidade Médica de Innsbruck.

O dispositivo, apelidado pelos pesquisadores de “secador de cabelo espacial”, está agora pronto para ensaios maiores, visando incluir um grupo mais diversificado de pacientes. Esse tratamento visa estimular o crescimento de novos vasos sanguíneos ao redor de áreas danificadas ou cicatrizadas após cirurgias cardíacas.

As ondas de choque, semelhantes às usadas em outras terapias médicas, são aplicadas logo após a cirurgia de revascularização, num procedimento rápido de cerca de 10 minutos.

Os resultados mostraram que, um ano após a cirurgia, os pacientes tratados com as ondas de choque apresentaram um aumento de 11,3% na quantidade de sangue oxigenado bombeado pelo coração, enquanto no grupo de controle esse aumento foi de 6,3%. Além disso, os pacientes do grupo de tratamento conseguiram realizar atividades diárias com mais facilidade e relataram uma melhor qualidade de vida.

O estudo foi financiado por entidades governamentais austríacas, pelo Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue dos EUA e por uma empresa associada à Universidade Médica de Innsbruck, parcialmente propriedade dos próprios pesquisadores.

Fonte: BBC Brasil

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Ouro e Prata oferece desconto de 50% em viagens intermunicipais no RS

Publicado

em

portal plural ouro e prata oferece desconto de 50% em viagens intermunicipais no rs

Academia Personatopo humbeto pluralNuveraFAST AÇAÍ

A Viação Ouro e Prata iniciou nesta terça (12), uma campanha que oferece aos passageiros 50% de desconto em viagens intermunicipais dentro do Rio Grande do Sul durante todo o mês de junho. A ação, segundo Luana Fleck, diretora do grupo Ouro e Prata, ocorre em momento importante para a retomada das atividades do Estado, que está em processo de recuperação após as enchentes que afetaram várias regiões do Rio Grande do Sul. “Esperamos que essa iniciativa auxilie na aproximação das pessoas e nas relações econômicas e comerciais que passam pelas nossas rodovias”.

A promoção é válida tanto para compras presenciais nas rodoviárias, quanto para compras on-line pelo site oficial da empresa e nos sites das próprias rodoviárias. “Para simplificar o processo de compra, o desconto é aplicado automaticamente no site e apesar do número de assentos com desconto seja limitado por ônibus, todos os veículos da frota estão participando da promoção, que é válida para as rotas intermunicipais do Estado que são operadas exclusivamente pela Ouro e Prata”.

De acordo com Luana, o objetivo é proporcionar um transporte acessível, sem comprometer a qualidade e a segurança do serviço. “Nosso objetivo é incentivar mais viagens dentro do Estado”.

Na promoção temporária da viação estão inclusos diversos trechos, como, por exemplo, Santa Rosa, Santana do Livramento, Bagé, Cruz Alta, Ijuí, Dom Pedrito, Santo Ângelo, São Luiz Gonzaga, Três de Maio, entre outros destinos de ida e retorno à capital gaúcha.

 

Para saber mais informações, acesse: https://www.viacaoouroeprata.com.br/site/.

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Good News

Nova espécie de peixe da Amazônia recebe nome de vilão de “O Senhor dos Anéis”

Publicado

em

portal plural nova espécie de peixe da amazônia recebe nome de vilão de “o senhor dos anéis”
Foto:Mark Sabaj/Academy of Natural Sciences, Drexel U via CNN Newsource
FAST AÇAÍNuveraAcademia Personatopo humbeto plural

Milhares de espécies de peixes — cerca de 2.500 já nomeadas — habitam o rio Amazonas, mas cientistas estimam que quase metade das espécies marinhas que vivem nessa vasta extensão de água ainda não foram descobertas. Enquanto estudavam piranhas e pacus para avaliar a biodiversidade vital dos peixes no rio de 6.400 quilômetros, uma equipe internacional de pesquisadores identificou uma nova espécie de pacu, um parente da piranha com dieta baseada em plantas e dentes semelhantes aos humanos.

Além de seus dentes peculiares, a nova espécie apresenta marcas laranja e preta distintas, incluindo uma barra preta vertical que percorre seu corpo. Os pesquisadores notaram que essas marcas lembram o olho ardente do vilão Sauron, da série de livros “O Senhor dos Anéis” de J.R.R. Tolkien, inspirando o nome do peixe, Myloplus sauron, conforme publicado na revista Neotropical Ichthyology.

— Eu e os coautores achamos que o nome seria uma boa ideia — realmente parece o olho de Sauron — disse Victória Pereira, coautora do estudo e estudante de pós-graduação em biologia na Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho (Unesp), em Botucatu (SP). Os pesquisadores esperam que a referência à cultura pop chame a atenção para o peixe e para os esforços de proteção da biodiversidade na Amazônia.

O peixe não é o único animal nomeado em homenagem ao vilão de Tolkien. Em maio de 2023, um gênero de borboletas foi encontrado com manchas que lembravam olhos em suas asas, remetendo ao símbolo da trilogia. Também há uma espécie de rã arborícola, um besouro de esterco e um gênero de dinossauros nomeados em homenagem ao personagem.

Impacto dos pacus em seu ecossistema

Os pacus desempenham um papel crucial em seu ecossistema ao dispersar sementes através de sua dieta de frutas, vital para o crescimento de árvores e outras plantas na floresta tropical. Esses peixes ajudam a expandir a floresta ao espalhar sementes longe das plantas-mãe, limitando a propagação de doenças que afetam árvores aglomeradas, disse Kolmann.

Ao descobrir e identificar as espécies que vivem em determinados ecossistemas, os pesquisadores podem liderar melhor os esforços de conservação para proteger animais ameaçados, especialmente em áreas como a Amazônia, que enfrentam destruição de habitats.

Fonte: CNN Brasil

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×