Brasil cria 644 mil empregos formais em 2019, melhor resultado em 6 anos – Portal Plural
Connect with us

Destaque

Brasil cria 644 mil empregos formais em 2019, melhor resultado em 6 anos

Dados do Cadastro Nacional de Empregados e Desempregados (Caged) foram divulgados pelo Ministério da Economia. Em dezembro de 2019, foram registradas 307.311 demissões.

Reporter Cidades

Publicado

em



O Brasil criou 644.079 empregos com carteira assinada em 2019, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta sexta-feira (24).

O número resulta da diferença entre as contratações, que totalizaram 16.197.094 no último ano, e as demissões – que totalizaram 15.553.015 pessoas.

Esse foi o segundo ano seguido de geração de vagas formais e, também, o melhor resultado desde 2013 – quando foram criados 1,117 milhão de empregos com carteira assinada. Deste modo, é o maior número de vagas formais abertas em seis anos.

De acordo com o secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, o aumento na criação de empregos formais, em 2019, é “mais um sintoma de retomada da economia brasileira e da confiança do empresariado na política econômica do governo”.

“A indústria, depois de anos registrando dados negativos, voltou a reagir, puxada também pela construção civil”, acrescentou. Segundo ele, a indústria fechou vagas entre 2014 e 2017 e, no ano de 2018, abriu 2.610 vagas, com desempenho “praticamente estável”. Em 2019, criou 18 mil empregos formais.

Empregos formais
Com a criação de empregos formais em 2019, o Brasil fechou o ano com um estoque de 39,05 milhões de empregos formais existentes. No fim de 2018, o saldo de empregos formais estava em 38,43 milhões de vagas.

O resultado de 2019 representa o estoque mais alto, registrado no fim do ano, desde 2015 – quando 39,23 milhões de pessoas ocupavam empregos com carteira assinada.

Em dezembro de 2019, porém, houve fechamento de vagas. Esse é um mês que tradicionalmente há demissões de trabalhadores com carteira assinada.

Em dezembro do ano passado, foram fechadas 307.311 vagas formais. No mesmo mês de 2018, por exemplo, as demissões superaram as contratações em 334.462 vagas.

Ano de 2019 por setores

De acordo com os números do governo, os oito setores da economia abriram vagas no ano passado. O setor de serviços foi o que mais criou empregos, e a administração pública foi o setor que contratou menos trabalhadores.

Veja abaixo os resultados:

  • Construção civil: 71.115 postos
  • Indústria de transformação: 18.341 empregos
  • Indústria extrativa mineral: 5.005 postos formais
  • Serviços industriais de utilidade pública: 6.430 vagas
  • Administração pública: 822 empregos
  • Comércio: 145.475 vagas formais
  • Agropecuária: 14.366 vagas
  • Serviços: 382.525 empregos

Regiões do país

De acordo com o Ministério da Economia, todas as cinco regiões do país registraram mais contratações do que demissões no ano passado.

  • Região Sudeste: 318.219 vagas abertas
  • Região Nordeste: 76.561 vagas criadas
  • Região Norte: 32.576 vagas abertas
  • Região Centro-Oeste: 73.450 vagas criadas
  • Região Sul: 143.273 vagas abertas

O governo informou ainda que as 27 unidades da federação criaram empregos formais no ano passado.

A abertura de vagas no ano foi liderada por São Paulo (+184.133), seguido por Minas Gerais (+97.720) e Santa Catarina (+71.406 vagas). Os estados que menos criaram vagas no ano passado foram Amapá (352), Acre (353) e Alagoas (731).

Trabalho intermitente

Segundo o Ministério da Economia, foram realizadas 85.716 contratações por meio do trabalho intermitente no ano passado. Nessa modalidade, o trabalho ocorre esporadicamente, em dias alternados ou por algumas horas, e é remunerado por período.

No último ano foram registrados ainda 20.360 empregos formais nas novas modalidades de trabalho parcial. Essas modalidades de trabalho parcial, definidas pela reforma trabalhista, incluem contratações de até 26 horas semanais com restrições na hora extra ou até 30 horas por semana sem hora extra.

Salário médio de admissão

O governo também informou que o salário médio de admissão foi de R$ 1.595,53 em dezembro do ano passado, o que representa uma queda real, com os valores sendo corrigidos pelo INPC, de R$ 2,41 em relação ao patamar do mesmo mês de 2018 (R$ 1.597,94).

Em novembro de 2019, ainda de acordo com informações oficiais, o salário médio de admissão estava em R$ 1.611,14.

G1

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

A primeira financeira no Brasil a se posicionar em favor das mulheres das classes C-D

Pável Bauken

Publicado

em



A VIACERTA FINANCIADORA entra em 2021 com o foco voltado para as mulheres das classes C e D. O novo posicionamento levou em consideração não só a histórica participação das mulheres na base de clientes da VIACERTA, como também uma série de outros fatores mercadológicos. No próprio quadro funcional da VIACERTA, as mulheres já são maioria representando 65% do total de colaboradores e 55% dos cargos de liderança.

Especializada em microcrédito para pessoas físicas e com mais de 50 anos de experiência de varejo, a VIACERTA, com sede em Santo Cristo/RS, atua no Brasil em mais de 5 mil correspondentes autorizados, com a missão de ofertar serviços e soluções de crédito de forma simples e eficaz, criando relacionamentos sustentáveis.

E foi no planejamento realizado no final de 2020 que identificamos uma grande oportunidade com as mulheres das classes C e D que lideram suas famílias e que são, hoje, uma grande parte do mercado de pequenos empreendedores e trabalhadores no Brasil. Mesmo assim, a imensa maioria não consegue acesso fácil ao crédito junto à maioria das instituições financeiras. E isso só tem acentuado a desigualdade social com as mulheres.

A VIACERTA também enxerga o comportamento feminino, baseado em redes de relacionamento, como um dos traços que mais aderência tem com a cultura de proximidade da VIACERTA e sua origem no varejo atendendo esse público. Dessa forma, acreditamos que o crédito pode ser um poderoso instrumento de combate à desigualdade social, de fortalecimento do empreendedorismo feminino, de mais inclusão desse público e, acima de tudo, de resgate do essencial para toda mulher: respeito.

O novo posicionamento fez toda a empresa se voltar para o tema e passar a olhar com muito mais atenção a cultura da empresa, na busca de se ajustar com essa intenção. Nas palavras da Gerente de RH, Laura Lorenset, queremos não só valorizar a mulher como nossa cliente, mas sermos coerentes com o nosso propósito de “Fazer diferença na vida de quem mais precisa de igualdade”. E é esse propósito que dá sentido às nossas próprias vidas!

A campanha que apresenta o novo posicionamento e o propósito da VIACERTA foi criação da agência SELLING Comunicação e Marketing, com o VT produzido pela produtora eFRAME, com a seguinte ficha técnica:

Cliente: VIACERTA Financiadora
Agência: Selling
Planejamento: Arthur Bender
Atendimento: Ana Paula Leonardi
Redação: Arthur Bender
RTV: Sandra de Souza
Mídia: Katy Dorneles

Produtora de Vídeo: eFrame Films and Art
Produção: Jerônimo Oyarzabal
Direção: Voltaire Barbieri Vargas
Fotografia: Juliano Dutra

Produtora de Áudio: Criativa Áudio
Editor: Ederson Wollmuth

Aprovação pelo Cliente: Ademir Diel

Informações:
Conheça mais sobre a ViaCerta em viacertafinanciadora.com.br

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Unijuí oferta Pós-Graduação em Urgência, Emergência e Trauma

Pável Bauken

Publicado

em



Profissionais da área da saúde têm a possibilidade de se especializar na área de Urgência, Emergência e Trauma, por meio da Pós-Graduação Lato Sensu ofertada pela Unijuí. Com inscrições abertas pelo endereço unijui.edu.br/pos, o curso tem carga horária de 360h, com previsão de início para o mês de abril. A especialização tem o objetivo de preparar os profissionais para atuar desde a prevenção até o atendimento e reabilitação de pessoas acometidas por situações de urgência e emergência.

“Cada vez mais, o cenário da saúde demanda por profissionais qualificados para atuar em situações de urgência e emergência, visto que são necessárias competências específicas, como a tomada de decisão rápida e objetiva; ter uma comunicação assertiva; habilidade técnica para realizar procedimentos mais complexos, sem falar na importância do trabalho em equipe. Todas essas habilidades convergem para a qualidade do atendimento ao paciente crítico, com o objetivo de reduzir o número de óbitos”, explicou a coordenadora da Pós-Graduação, professora Bruna Nadaletti.

Dentre os diferenciais do curso está a interdisciplinaridade, com disciplinas que oportunizam uma formação de qualidade para todos os profissionais participantes. O curso também conta com professores altamente qualificados, inseridos nos serviços de saúde de referência, que levam para sala de aula a teoria associada à prática. “Além disso, a pós-graduação traz a oportunidade de estágio nos serviços de urgência e emergência, qualificando ainda mais a formação do profissional”, reforçou a professora.

Mais informações sobre a especialização podem ser obtidas em unijui.edu.br/pos. Para contato com a unidade de Educação Continuada, o telefone é 3332-0553 e o e-mail [email protected].

Destaques:

Egressa do Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências lança dois livros

Projeto de Extensão da Unijuí quer construir alternativas de inclusão social para a comunidade

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Escolas Estaduais retornam em Março no modelo híbrido

Confira as datas de retorno

Andre Garcia

Publicado

em

Foto: Arquivo/Web

A rede de ensino estadual do RS encerra suas atividades letivas de 2020 no dia 31 de janeiro deste ano. Após um ano completamente atípico, cheio de readequações, os profissionais das escolas estão preparando o retorno deste ano letivo.

VOLTA ÀS AULAS

Segundo Beatriz Cancian Milbradt, Coordenadora da 17º CRE em Santa Rosa, “para o retorno da aulas este ano temos três datas, dia 08/03, para as séries iniciais (fundamental até 5ª série), dia 11/03, do 6º ano 9º ano, e dia 15/03 o ensino médio.

Como foi um ano atípico, tivemos que nos reinventar muito rápido, em um plano que tínhamos para quatro anos, tivemos que executar em 10 meses. Muitos de nossos professores não tinham este conhecimento, precisaram se reinventar o aceitar esta nova modalidade de ensino foi quase que obrigatória. Foi um aprendizado que ninguém vai esquecer.

“Tivemos alunos, que num plano inverso, ensinaram alguns professores a lidar com esta nova tecnologia”.

A 17ª Coordenadoria Regional de Educação atende 56 escolas em 22 municípios da região.

TIPO DE ENSINO A SER OFERECIDO

O ensino será híbrido, com 50% presencial e 50% virtual, com escalonamento (revezamento de presencial para virtual), e todos os protocolos de proteção.

“Acredito que este sistema híbrido veio para ficar, talvez não desta maneira”, disse a Coordenadora.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×