Bradesco deve fechar 450 agências até 2020 – Portal Plural
Connect with us

Geral

Bradesco deve fechar 450 agências até 2020

Pável Bauken

Publicado

em



 

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari, admitiu que o banco precisa melhorar suas despesas operacionais, as quais estão acima da meta estabelecida para 2019, e que está tomando medidas para isso – além do programa de demissão voluntária (PDV), com adesão de mais de 3 mil funcionários, e o fechamento de 450 agências até o ano que vem. “Temos de melhorar nossas despesas e estamos tomando providências para isso”, destacou o executivo, em teleconferência com a imprensa, realizada nesta quinta-feira, 31.

Depois de fechar 50 agências até setembro, o Bradesco espera encerrar mais 100 unidades ainda este ano. Mais de 300 devem ser descontinuadas em 2020, conforme Lazari. Os fechamentos de agências ocorrerão em todo o Brasil e não há, segundo ele, uma região específica. Ao fim de setembro, o Bradesco contava com 4.567 agências.

“Será pulverizado no Brasil inteiro. Quando compramos o HSBC fizemos um bom trabalho de enxugamento de agências, mas temos muitas oportunidades ainda”, avaliou o presidente do Bradesco, citando a existência de agências menores, mas rentáveis, muito próximas de unidades bem maiores e que podem ser incorporadas.

Ele informou ainda que os gastos operacionais do Bradesco devem ficar acima do guidance neste ano, impactados por “decisões importantes” que o banco tomou no início do ano. Dentre as medidas, o executivo citou a adoção de um novo programa de remuneração variável aos seus funcionários, acordos em processos trabalhistas e ainda reforço em equipes como, por exemplo, a do banco digital, o Next.

No caso das despesas operacionais, que consideram gastos administrativos e de pessoal, o Bradesco espera aumento de até 4%. Nos primeiros nove meses, entretanto, o Bradesco reportou elevação de 7,5%. Segundo Lazari, as despesas do banco devem ficar alinhadas à média histórica da instituição, mas acima das projeções.

“Não seria factível fazer revisão no último trimestre do ano. Por isso, nossas despesas devem ficar acima do guidance, mas estamos tomando algumas medidas que não estavam no orçamento, mas que são importantes para poder melhorar o balanço da organização”, explicou o presidente do Bradesco.

Receitas com prestação de serviços
O presidente do Bradesco disse também que o desempenho das receitas de prestação de serviços deve convergir para dentro do guidance do banco, crescendo entre 3% e 4% neste ano frente a 2018. Até setembro, a expansão foi de 2,5%, abaixo do intervalo de alta estimado pela organização, de 3% a 7%. “As receitas já aceleraram depois de uma série de medidas que tomamos ao longo do segundo e terceiro trimestre, mas ainda não atingimos o guidance. Sempre o último trimestre é melhor”, explicou.

Dentre as linhas que ele vê oportunidade de elevar os ganhos, citou as tarifas de conta corrente. Ele disse ainda que, a despeito do impulso sazonal no fim de ano, as receitas de serviços devem crescer em um ritmo maior em 2020. Não fez, contudo, projeções, uma vez que os bancos estão debruçados neste momento sob seus orçamentos do próximo ano.

Sobre as receitas na administração de fundos de investimento, Lazari avaliou que a principal pressão para queda dos ganhos em meio à redução dos juros básicos no País, a Selic, já está precificada. “Esse movimento já foi feito no segundo e terceiro trimestres”, reforçou.

A palavra de ordem no cenário atual, conforme Lazari, é escala, que permitirá um melhor desempenho das receitas de tarifas e prestação de serviços. “Escala é fundamental para operar em um País de juro baixo”, enfatizou o presidente do banco.

Nesse contexto, o presidente do banco disse que a organização já capturou 1,2 milhão de novas contas este ano e que seu braço digital, o Next, já bateu a marca de 1,5 milhão. Segundo ele, a meta são 2 milhões até o fim do ano.

Para Lazari, os bancos privados também serão beneficiados no cenário de retomada econômica frente às instituições públicas. “Os bancos privados serão protagonistas”, disse.

Carteira de crédito
O presidente do Bradesco ainda afirmou que a carteira de crédito do banco deve fechar o ano com crescimento superior ao visto até agora, de 10,5% frente a 2018. O banco espera que sua carteira de crédito expandida cresça de 9% a 13% neste ano. Conforme Lazari, o alvo é o centro dessa faixa. “A carteira de crédito expandida vem evoluindo bem. As novas safras estão com crescimento além dos 10,5% que entregamos hoje no resultado do terceiro trimestre”, disse.

Dentre os destaques, o executivo mencionou crédito pessoal, consignado, cartão e imobiliário. “Na pessoa física, o crédito vai continuar crescendo de maneira acelerada”, projetou o presidente do Bradesco.

Em relação ao crédito para pessoas jurídicas, Lazari ressaltou a aceleração de empréstimos para micro, pequenas e médias empresas que no terceiro trimestre avançou 5,5% ante o terceiro.

Sobre as grandes empresas, ele lembrou que há um movimento de migração de operações para o mercado de capitais e que a retomada neste segmento ficou para 2020. Apesar disso, o executivo ponderou que o crédito tradicional para grandes grupos não deve crescer com tanto vigor devido a outras possibilidades de funding para este público.

“A janela de ofertas de ações como IPOs e follow ONS se ampliou com um novo ânimo do mercado e deve se estender até fevereiro do ano que vem”, disse ele, acrescentando que o banco está bem posicionado para capturar tanto a retomada do crédito para grandes empresas como operações no mercado de capitais.

Exame

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

ET de Varginha completa 25 anos e ufólogo diz ter novas evidências.

Reporter Regional

Publicado

em



Basta ouvir o nome de Varginha que a pergunta não tarda: “Essa não é a cidade do ET?”. A história do ET de Varginha completa 25 anos nessa quarta-feira (20). O evento que deu visibilidade mundial à cidade de Varginha, ainda desperta curiosidade e espanto anos depois. Atualmente, alguns ufologistas creem em uma versão que ainda não foi contada.

Marco Aurélio Leal é membro da Comissão Brasileira de Ufólogos (CBU). Ele afirma que o caso de Varginha é muito difícil de ser concluído. Segundo ele, a falta de testemunhos oficiais dificulta a resolução do caso.

“O que se sabe é somente 40% de tudo o que ocorreu. Isto graças às narrativas de testemunhas civis e militares. Enquanto uma autoridade que participou do evento na época não aparecer para falar como os fatos aconteceram, não saberemos o que realmente foi capturado em Varginha. Afinal, podem ser outras questões como até experimento militar”, disse Marco.

O estudioso no assunto e corretor de imóveis João Marcelo Marques Rios acompanha o caso Varginha desde 2014. João e outros três amigos possuem um grupo em que falam com testemunhas sobre o dia 20 de janeiro de 1996. Eles afirmam ter reunido um material bastante esclarecedor e com depoimentos de pessoas que atuaram na cidade durante a suposta aparição.

“Conversamos em duas oportunidades com um militar da reserva do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais e ele nos confirmou pela 1ª vez e, de forma histórica, que realmente houve uma ligação para a central por volta de 9h da manhã informando a presença de algo estranho no bairro Jardim Andere”, contou.

João Marcelo também contou que uma testemunha, que na época tinha 14 anos, viu o exército isolando uma área abaixo da Rua Suécia, a 50 metros de distância de uma linha férrea desativada.

“Ele notou que algo foi transportado dentro de um saco. Outra autoridade da época disse também que ficou sabendo da movimentação estranha e resolveu checar. Ao se aproximar do Hospital Humanitas, teria visto tudo isolado pelo exército e algo sendo transportado e colocado na caçamba de um caminhão”, disse.

Essa mesma testemunha tentou saber o que era, mas recebeu a informação de que o assunto era de segurança nacional.

“Essa importante testemunha teria uma foto da criatura capturada. Infelizmente, e como ocorreu muitas vezes durante nossa investigação, o depoente se afastou e não atende mais a nossas ligações”, lamentou Marcelo.

Marcelo contou ao G1 que também ouviu a população de Varginha sobre o aparecimento do extraterrestre. Ainda de acordo com o estudioso no assunto, o funcionário de um hospital também confirmou a presença do exército no local. O médico que teria atendido a criatura também foi localizado pela equipe de pesquisa.

Fonte: G1

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Confiança do empresário do comércio cai 2,2% em janeiro, diz CNC

Reporter Global

Publicado

em



 

 

Efeitos da pandemia influenciam desempenho do setor

 

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) caiu 2,2% em janeiro de 2021 e passou para 105,8 pontos. Segundo explicou a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que mede o indicador, ainda que tenha registrado a segunda queda mensal consecutiva, o índice permanece no patamar de otimismo, que é acima de 100 pontos pelo quarto mês consecutivo. Na comparação anual houve variação negativa de 16,4%.

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, destacou que os efeitos da pandemia ainda influenciam a confiança dos comerciantes. Ele disse que, tradicionalmente, janeiro é um mês mais modesto para o consumo. “Passado o período natalino e diminuído o efeito do aumento da renda com o 13º salário, as famílias estão mais dispostas a realizar gastos nos serviços de lazer, por força das férias escolares”, comentou.

O índice referente à satisfação dos comerciantes com as condições atuais e o que avalia as expectativas no curto prazo registraram quedas e, por serem dois dos principais índices do Icec, impactaram o resultado negativo do indicador principal.

Enquanto o referente à satisfação dos comerciantes com as condições atuais passou para 80,5 pontos com o recuo de 5,8%, o indicador que avalia as expectativas no curto prazo apresentou retração pela segunda vez consecutiva, agora de 2,3% e atingiu 142,1 pontos. Mesmo assim, é o único dos indicadores do Icec acima dos 100 pontos.

O economista da CNC responsável pela pesquisa, Antonio Everton, considerou entre os motivos para a influência que levou ao resultado negativo podem estar o aumento do dólar, o endividamento das empresas, o reajuste dos aluguéis e a cautela do consumidor nas compras.

“A predominância das percepções adversas também pode ter relação com a necessidade de se fazer investimentos em tecnologia e logística para avançar no e-commerce”, acrescentou.

 

 

Investimentos

O único a apresentar resultado positivo (1%) foi o índice que mede as intenções de investimento. Com isso, alcançou 94,9 pontos, voltando a crescer após ligeiro recuo em dezembro. Um outro destaque também foi a intenção de contratação de pessoal. Esse índice teve alta de 2,1% e fechou o mês com 121 pontos.

O economista informou que, nos últimos quatro anos, a intenção de aumentar o quadro de funcionários tem registrado variações positivas em janeiro.

“O planejamento dos empresários pode incluir aumento do número de pessoal para os próximos meses se a recuperação do emprego, consumo e da geração de renda permanecer em um ritmo satisfatório”, finalizou.

 

 

FONTE: Agencia Brasil

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Nova portaria muda regras para PRF atuar em operações conjuntas

Reporter Global

Publicado

em



 

 

O Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) publicou hoje (19), no Diário Oficial da União (DOU), uma nova portaria que estabelece diretrizes para a atuação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em operações conjuntas com outros órgãos federais, estaduais e municipais.

 

 

A portaria (42/2021) substitui outra (739/2019) que chegou a ser suspensa em janeiro do ano passado pelo então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, enquanto ele estava responsável pelo plantão judicial.

À época, Toffoli atendeu pedido da Associação de Delegados da Polícia Federal (ADPF), para quem a norma autorizava a PRF a realizar investigações e atuar na prevenção e repressão a crimes federais, o que seria competência exclusiva da PF, no entender dos delegados.

A suspensão acabou depois derrubada pelo relator do caso, ministro Marco Aurélio, que atendeu pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) e restabeleceu a vigência da portaria. Essa decisão foi depois confirmada pelo plenário do Supremo.

Agora, contudo, a nova portaria, que substitui a antiga, passa a não trazer menção à participação da PRF em operações conjuntas caso “os crimes objetos de apuração tenham sido praticados em rodovias federais, estradas federais ou em áreas de interesse da União”.

A norma – publicada nesta terça-feira (19) – tampouco elenca a “investigação de infrações penais” entre as hipóteses que autorizam a PRF a prestar apoio operacional, conforme constava na norma anterior.

 

 

Outras diferenças

A antiga portaria (739/2019) estabelecia diretrizes para a PRF atuar em operações conjuntas com órgãos do Ministério Público, da Receita Federal e do Sistema Único de Segurança Pública (Susp) – como PF, Força Nacional e polícias Civil e Militar dos estados.

Agora, o novo texto inclui no rol de cooperação, além dos integrantes do Susp, “outros órgãos das esferas federal, estadual, distrital ou municipal”, sem especificar quais.

Outro trecho suprimido foi o que circunscrevia a atuação da PRF a “operações conjuntas nas rodovias federais, estradas federais ou em áreas de interesse da União”, conforme constava na antiga portaria. Agora, a nova norma estabelece diretrizes para a atuação do órgão somente em “operações conjuntas”, sem fazer referência a local.

Outro trecho da antiga norma, agora revogada, autorizava a PRF a atuar, especificamente, “em vias urbanas, rodovias, terminais rodoviários, ferrovias e hidrovias federais, estaduais, distrital ou municipais, portos e aeroportos”.

Novamente, a nova portaria não traz esse tipo de especificação, estabelecendo como condição para a atuação do órgão em operações conjuntas apenas a autorização de seu diretor-geral, que deve considerar “a pertinência, a conveniência e a necessidade da medida”.

Pela nova portaria, a PRF pode: designar efetivo para integrar equipes na operação conjunta; prestar apoio logístico; atuar na segurança das equipes e do material empregado; ingressar nos locais alvos de mandado de busca e apreensão, mediante previsão em decisão judicial; lavrar termos circunstanciados de ocorrência; e praticar outros atos relacionados ao objetivo da operação conjunta.

 

 

FONTE: Agencia Brasil

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×