Bebê de 2 meses morre após mãe dormir durante amamentação - Portal Plural
Connect with us

Mundo

Bebê de 2 meses morre após mãe dormir durante amamentação

Publicado

em


Nuvera15 topo humberto pluralFAST AÇAÍAcademia Personabanner plano0 gold

Um bebê de 2 meses morreu neste sábado (29), em Tupaciguara. Segundo a Polícia Militar (PM), a mãe de 28 anos acordou durante a madrugada para alimentá-lo com uma mamadeira e acabou pegando no sono.

Ao acordar, a jovem percebeu que tinha dormido em cima do filho, que não reagiu a nenhum estímulo. O bebê, que era prematuro e recebeu alta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal há pouco tempo, chegou a ser encaminhado para o Pronto Socorro Municipal, mas não resistiu.

De acordo com a Polícia Civil, uma equipe da Perícia Técnica realizou os primeiros levantamentos e o corpo foi encaminhado para o Posto Médico Legal (PML), em Araguari. A investigação aguarda os laudos para conclusão da causa e circunstâncias da morte.

Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Policial escalou telhado e avistou atirador antes de atentado contra Trump, relata xerife

Publicado

em

portal plural policial escalou telhado e avistou atirador antes de atentado contra trump, relata xerife
Foto: Reprodução/TV Globo
banner plano0 goldFAST AÇAÍNuvera15 topo humberto pluralAcademia Persona

Um policial da cidade de Butler, localizada na Pensilvânia, subiu no telhado e avistou Thomas Matthew Crooks antes que ele tentasse assassinar Donald Trump no último sábado (13), conforme informado pelo xerife Michael Slupe à agência Associated Press nesta segunda-feira (15).

No entanto, o policial não conseguiu impedir Crooks, que disparou contra o ex-presidente usando um fuzil AR-15 e o atingiu na orelha. Trump foi rapidamente protegido por agentes do Serviço Secreto dos EUA e retirado do local. Em sua primeira entrevista após os disparos, Trump afirmou: “Eu deveria estar morto”. O incidente está sendo investigado pelo FBI como um possível ato de terrorismo doméstico.

Antes do ataque, participantes do comício alertaram a polícia local sobre o comportamento suspeito de Crooks. Vídeos que circulam na internet mostram esses alertas sendo feitos enquanto o atirador já estava no telhado, momentos antes de atirar.

Michael Slupe explicou que um policial foi ajudado por outro a subir no telhado para alcançar Crooks. Quando avistou o suspeito, Crooks apontou o fuzil em sua direção, o que fez o policial perder o equilíbrio e cair do telhado.

Este detalhe é crucial para entender a dinâmica da tentativa de assassinato, pois o policial, ao estar pendurado no momento do encontro, não conseguiu reagir rapidamente o suficiente, segundo o xerife.

“Todos os policiais presentes fizeram o seu melhor, especialmente os policiais locais. Espero que não sejam responsabilizados injustamente, pois cumpriram seu dever da melhor maneira possível”, afirmou Slupe à AP.

Tom Knights, gerente municipal de Butler, relatou que o policial perdeu o equilíbrio e não recuou antes de cair de uma altura de cerca de 2,4 metros. Ele estava literalmente pendurado na borda do prédio e tomou uma posição defensiva necessária naquele momento, explicou Knights.

O policial, que tem 10 anos de experiência, machucou gravemente o tornozelo na queda e estava usando uma bota ortopédica, segundo Knights.

Além do policial de Butler, um membro da unidade de serviços de emergência do Condado de Beaver também avistou Crooks no telhado cerca de meia hora antes do tiroteio, conforme reportagem do jornal “WPXI”, afiliado da rede “NBC”, nesta segunda-feira (15).

Especialistas consideram o ataque uma falha significativa na segurança do comício. Embora o Serviço Secreto dos EUA estivesse encarregado da segurança do evento, agentes locais também estavam presentes, incluindo aqueles que avistaram Crooks.

Fonte: G1

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Mansão da mulher que inspirou “Mona Lisa” é vendida por R$ 106 milhões

Publicado

em

portal plural mansão da mulher que inspirou “mona lisa” é vendida por r$ 106 milhões
Foto: Sotheby's International Realty
NuveraAcademia Personabanner plano0 gold15 topo humberto pluralFAST AÇAÍ

A mansão onde viveu Lisa Gherardini, a mulher que inspirou o quadro “Mona Lisa” de Leonardo da Vinci, foi vendida por R$ 106 milhões. Localizada próxima à cidade de Florença, na Itália, a residência de 2.800 metros quadrados possui 14 quartos e 15 banheiros, em um terreno de 27 hectares. Vendida pela imobiliária Sotheby’s International Realty, a propriedade pertenceu à família de Francesco del Giocondo, marido de Gherardini e importante comerciante italiano do século 16.

Com três andares acima do solo e um subsolo, a mansão inclui salões, salas de jantar, cozinhas, banheiros, bibliotecas e varandas, além de instalações de serviço. A propriedade também dispõe de jardins, avenidas arborizadas, uma floresta e a vila principal, que conta com a casa do zelador, uma capela, uma piscina e uma quadra de tênis.

Lisa Gherardini, conhecida como “La Gioconda”, fazia parte da burguesia de Florença. Seu retrato, pintado por Leonardo da Vinci entre 1503 e 1506, está exposto no Museu do Louvre, em Paris, na França. O quadro foi encomendado por seu marido, Francesco del Giocondo, um comerciante de seda e tecidos.

Fonte: CNN Brasil

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Tudo o que se sabe sobre o atentado sofrido por Donald Trump

Publicado

em

portal plural (7)
Foto:REBECCA DROKE / AFP
15 topo humberto pluralFAST AÇAÍNuverabanner plano0 goldAcademia Persona

Na tarde deste sábado (13), o ex-presidente e candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, foi retirado às pressas de um comício eleitoral nos Estados Unidos. Durante o evento, foram ouvidos disparos, e o político, após colocar a mão na orelha direita, se abaixou rapidamente atrás do palanque. Momentos depois, Trump foi cercado por agentes do Serviço Secreto e apareceu com sangue na orelha.

O atentado ocorreu na cidade de Butler, na Pensilvânia, por volta das 18h15min (horário local). Trump estava discursando para apoiadores durante sua campanha eleitoral.

O FBI identificou o atirador como Thomas Matthew Crooks, um jovem de 20 anos de Bethel Park, Pensilvânia, de acordo com o jornal The New York Times. O porta-voz do Serviço Secreto, Anthony Guglielmi, afirmou que Crooks atirou “em direção ao palco de uma posição elevada”, sendo considerado um franco-atirador.

Crooks não possuía antecedentes criminais. A polícia recuperou um fuzil AR-15 semiautomático no local do atentado, que o FBI confirmou ter sido comprado pelo pai do atirador. Ainda não se sabe se o pai estava ciente das intenções do filho. Crooks morava a cerca de 70 km de Butler. O FBI acredita que ele agiu sozinho, mas investiga possíveis cúmplices.

O sistema de votação da Pensilvânia mostra que Crooks estava registrado como republicano, mas fez uma doação de US$ 15 a um comitê progressista que apoia os democratas no dia em que Joe Biden foi empossado presidente, em 2021. Crooks se formou em 2022 na Bethel Park High School e recebeu um prêmio de US$ 500 da Iniciativa Nacional de Matemática e Ciências.

O pai do atirador afirmou à CNN que estava tentando entender o que aconteceu e que falaria com as autoridades antes de conversar com a imprensa.

Duas pessoas morreram no atentado: um espectador do comício e o próprio atirador. O Serviço Secreto informou que duas pessoas ficaram feridas e o caso está sendo investigado como “tentativa de assassinato”.

A vítima fatal foi identificada como Corey Comperatore, ex-chefe do corpo de bombeiros de Butler. Ele deixou esposa e duas filhas. Segundo o governador da Pensilvânia, Josh Shapiro, Comperatore morreu ao proteger sua família dos disparos.

Os ferimentos de Trump não foram especificados. O porta-voz da campanha do republicano informou que ele “está bem” e foi encaminhado para um centro médico local. De acordo com o Bloomberg, Trump deixou o hospital no final da noite de sábado.

Em sua rede social, Truth Social, Trump relatou o ataque: “Nada se sabe ainda sobre o atirador, que está morto. Fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita. Eu sabia que havia algo de errado no momento em que ouvi um som de assobio, disparos, e imediatamente senti a bala rasgando minha pele. Vi muito sangue e então percebi o que estava acontecendo. Deus abençoe a América.”

Trump enviou condolências às famílias das vítimas e expressou gratidão pela rapidez do Serviço Secreto.

No início da madrugada de domingo (14), Trump desembarcou no aeroporto de Newark, em New Jersey, cercado por agentes do Serviço Secreto. Ele passou a noite em seu clube de golfe em Bedminster, New Jersey.

Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, telefonou para Trump após o atentado. A Casa Branca confirmou a ligação, mas não revelou detalhes. No sábado, Biden se manifestou no X (antigo Twitter), dizendo: “Não há lugar para esse tipo de violência na América.”

O atentado contra Trump é mais um na história de ataques a presidentes e candidatos à presidência nos Estados Unidos. O Estado de S. Paulo relembrou os casos de assassinato de quatro presidentes:

  1. Abraham Lincoln: Assassinado em 14 de abril de 1865 no Teatro Ford, em Washington.
  2. James Garfield: Baleado em 2 de julho de 1881, morreu em setembro daquele ano.
  3. William McKinley: Baleado em 6 de setembro de 1901, morreu em 14 de setembro de 1901.
  4. John F. Kennedy: Assassinado em 22 de novembro de 1963 em Dallas, Texas.

Outros atentados notáveis incluem tentativas contra Theodore Roosevelt, George C. Wallace, Franklin D. Roosevelt, Harry S. Truman, Gerald Ford, Ronald Reagan e George W. Bush.

Políticos do mundo inteiro se manifestaram sobre o atentado contra Trump. Em mensagens no X, eles declararam apoio ao republicano. O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, classificou o episódio como “inaceitável”.

Fonte: GZh

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Compartilhe

[DISPLAY_ULTIMATE_SOCIAL_ICONS]

Trending

×

Entre em contato

×