Acesse aqui
Rádio Web Portal Plural
Banco Central surpreende e reduz juros básicos para 6% ao ano – Portal Plural
Connect with us

Geral

Banco Central surpreende e reduz juros básicos para 6% ao ano

Pável Bauken

Publicado

em



 

Pela primeira vez em um ano e quatro meses, o Banco Central (BC) diminuiu os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa Selic para 6% ao ano, com corte de 0,5 ponto percentual. A decisão surpreendeu os analistas financeiros, que esperavam corte de 0,25 ponto.

Com a decisão de hoje (31), a Selic está no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Em outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegasse a 6,5% ao ano em março de 2018. Desde então, a taxa não tinha sido alterada.

Em comunicado, o Copom reiterou a necessidade de avanços nas reformas estruturais da economia brasileira para que os juros permaneçam em níveis baixos por longo tempo. “O Copom reconhece que o processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira tem avançado, mas enfatiza que a continuidade desse processo é essencial para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia”, destacou.

O Banco Central indicou que novas reduções poderão ocorrer nos próximos meses. “O Comitê avalia que a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo”, acrescentou o texto. A próxima reunião do Copom está marcada para 18 e 19 de setembro.

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Em junho, o indicador fechou em 3,37% no acumulado de 12 meses. Depois de vários meses de alta no início do ano, o índice desacelerou nos últimos meses. Em junho, o IPCA ficou em apenas 0,01%, o menor percentual para um mês desde novembro de 2018.

Para 2019, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabeleceu meta de inflação de 4,25%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. O IPCA, portanto, não poderá superar 5,75% neste ano nem ficar abaixo de 2,75%. A meta para 2020 foi fixada em 4%, também com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Inflação
No Relatório de Inflação divulgado no fim de junho pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA encerrará 2019 em 3,6%, continuando abaixo de 4% até 2021. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano em 3,8%.

Crédito mais barato
A redução da taxa Selic estimula a economia porque juros menores barateiam o crédito e incentivam a produção e o consumo em um cenário de baixa atividade econômica. No último Relatório de Inflação, o BC projetava expansão da economia de 0,8% para este ano. A expectativa está em linha com as do mercado. Segundo o boletim Focus, os analistas econômicos preveem crescimento de 0,82% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2019.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Ao reduzir os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação. Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de subir.

Fonte Agência Brasil

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 45 milhões

Reporter Global

Publicado

em

Marcello Casal Jr/ Agencia Brasil

 

A Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira (28) um prêmio acumulado de R$ 45 milhões.

 

As seis dezenas do concurso 2.313 serão sorteadas, a partir das 20h (horário de Brasília), no Espaço Loterias Caixa, localizado no terminal Rodoviário Tietê, na cidade de São Paulo.

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), nas casas lotéricas credenciadas pela Caixa, em todo o país ou pela internet.

O volante, com seis dezenas marcadas, custa R$ 4,50.

 

 

Agencia Brasil

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Agências do INSS funcionam normalmente nesta quarta-feira

Reporter Global

Publicado

em

Foto: Alina Souza / CP Memória

 

Com mudança de ponto facultativo, unidades não abrem na sexta-feira

 

Os segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) poderão ir normalmente às agências nesta quarta-feira, dia do servidor público. O ponto facultativo previsto para hoje foi transferido para sexta-feira, quando as agências estarão fechadas para atendimento.

A medida consta de portaria do Ministério da Economia em edição extraordinária do Diário Oficial na noite desta terça. Apesar do funcionamento normal das agências nesta quarta, a Secretaria de Previdência Social do Ministério da Economia recomenda que os cidadãos busquem, se possível, atendimento virtual durante a pandemia de Covid-19.

Por meio do aplicativo Meu INSS, o cidadão pode buscar informações, pedir benefícios e agendar serviços pelo celular. Também é possível resolver dúvidas pelo telefone 135, que funciona de segunda a sábado, das 7h às 22h.

 

Correio do Povo

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Governo do RS anuncia R$ 150 milhões para pagamento de prestadores de serviço do IPE Saúde

Reporter Global

Publicado

em

Foto: Ipergs / Divulgação / CP Memória

 

Palácio Piratini informa que o instituto teve crescimento de R$ 250 milhões em arrecadação em relação ao ano passado

 

O governo do Rio Grande do Sul anunciou hoje que vai destinar R$ 150 milhões em recursos extraordinários a prestadores do IPE Saúde. Nos próximos três meses, os recursos vão ser destinados exclusivamente a pagamento de contas ambulatoriais, serviços complementares e internações. Para colocar em dia os pagamentos junto a hospitais, clínicas e demais serviços credenciados para atendimento dos segurados, o Palácio Piratini informa que o instituto teve crescimento de R$ 250 milhões em arrecadação em relação ao ano passado.

Ao confirmar a liberação dos recursos, o governador Eduardo Leite afirmou que o Estado está ‘em franco processo de ajuste de caixa dos pagamentos’ e que trabalha para voltar a pagar o salário dos servidores na data correta. Ele destacou que o ‘descontingenciamento para os próximos três meses do orçamento do IPE Saúde, com seus valores’, vai permitir o pagamento extraordinário. “Muitos prestadores de serviço para o IPE Saúde estão enfrentando dificuldades, agravadas até pela pandemia, ameaçavam, tinham dificuldades na prestação de serviços por conta deste tempo para receber do IPE Saúde o pagamento para os serviços prestados, que chegava a 90 a 120 dias o pagamento em alguns casos”, afirma.

Agora, com esses recursos, distribuídos em R$ 50 milhões por mês de cota extra mensal para o IPE Saúde, o governo pretende viabilizar o pagamento de acordo com o prazo contratual de até 60 dias. Leite também lembrou que o pagamento de cotas patronais – referentes a parcelas do Estado – estavam atrasadas de outros governos e ‘consumiram recursos do IPE Saúde’. O governador garantiu que a saúde já recebe em dia os pagamentos na área da alta complexidade, nas parcelas de responsabilidade do Estado. “Vamos promover esse ajuste também de fluxo de caixa do IPE e trabalhamos para que justamente gerando as receitas extraordinárias viáveis possíveis para adimplir Estado com suas obrigações do passivo que herdamos”, frisou.

O presidente do IPE Saúde, Marcus Vinícius de Almeida, afirmou que o crescimento de R$ 250 milhões em arrecadação será ‘convertido em volume’ de R$ 240 milhões até final do ano na forma de pagamentos a maior aos prestadores. “Este investimento de agora de R$ 150 milhões vai se destinar exclusivamente a pagamento de contas ambulatoriais, serviços complementares e internações. Com isso, vamos reduzir o tempo de espera dos hospitais entre apresentação das contas médicas e sua liquidação”, destacou. Conforme Almeida, o objetivo é chegar a 2021 pagando em dia consultas médicas, pronto-atendimentos e serviços complementares, como laboratórios, clínicas de imagem e análise.

 

 

Correio do Povo

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

O que você achou do site novo do Portal Plural?

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×