Aumento nos casos de hepatite faz Secretaria da Saúde reforçar medidas de prevenção – Portal Plural
Connect with us

Destaque

Aumento nos casos de hepatite faz Secretaria da Saúde reforçar medidas de prevenção

Publicado

em



 

O Rio Grande do Sul apresentou em 2018 um aumento no número de casos de hepatites virais. Ao todo, 7,6 mil pessoas foram diagnosticadas com hepatite A, B ou C no ano passado, elevação de 14,4% em relação a 2017.

Entre os tipos, o com maior registro no Estado é o C, que teve mais de 5,8 mil novos casos ano passado. Contudo, o que teve o maior aumento foi o tipo A, com alta de 2,5 vezes em relação ao ano anterior .

Os dados de 2018 foram fechados neste início de mês, que recebe o nome de Julho Amarelo, em conscientização sobre a doença e tem em 28 de julho o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais. Para o combate à doença, a Secretaria da Saúde destaca as principais medidas de prevenção, como o uso de preservativos em relações sexuais e outros hábitos de higiene, assim como o incentivo ao teste rápido nas Unidades Básicas de Saúde.

As hepatites virais são doenças infecciosas que afetam o fígado. Não costumam apresentar sintomas. Quando aparecem, os mais comuns são cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.

A análise do perfil epidemiológico das hepatites virais, em conjunto com o HIV/Aids, permitiu identificar as áreas de maior risco no Rio Grande do Sul.

São considerados prioritários 62 municípios, levando em conta os índices de hepatites B e C, Aids e sífilis:

Alegrete, Alvorada, Bagé, Bento Gonçalves, Cachoeira do Sul, Cachoeirinha, Camaquã, Campo Bom, Canela, Canoas, Capão da Canoa, Carazinho, Caxias do Sul, Charqueadas, Cruz Alta, Erechim, Esteio, Estrela, Eldorado do Sul, Estância Velha, Farroupilha, Frederico Westphalen, Gravataí, Guaíba, Ijuí, Itaqui, Lagoa Vermelha, Lajeado, Marau, Montenegro, Novo Hamburgo, Osório, Palmeira das Missões, Parobé, Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre, Rio Grande, Santa Vitória do Palmar, São Jerônimo, São Luis Gonzaga, São Sebastião do Caí, Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Santa Rosa, Santana do Livramento, Santiago, Santo Ângelo, São Borja, São Gabriel, São Leopoldo, Sapiranga, Sapucaia do Sul, Soledade, Taquara, Torres, Tramandaí, Tapes, Uruguaiana, Vacaria, Venâncio Aires e Viamão.

SAIBA MAIS

Hepatite A

– Casos diagnosticados em 2018 no RS: 157 (153% a mais que em 2017)

A hepatite A geralmente não apresenta sintomas e está historicamente relacionada à precariedade de saneamento, com transmissão pela água e por alimentos contaminados. Contudo, atualmente verifica-se um novo cenário, com um aumento expressivo no número de casos entre homens jovens e adultos. Esse fenômeno já havia sido observado no Sudeste e em outros países, onde estudos apontam a população dos homens que fazem sexo com homens a mais vulnerável.

Transmissão:

– Ingestão de água ou alimentos contaminados pelo vírus

– Contágio oral-fecal

– Contágio oral-fecal durante prática sexual

Prevenção:

– Ingerir água tratada ou fervida

– Lavar bem alimentos crus (frutas, verduras e legumes)

– Cozinhar bem peixes, mariscos e crustáceos

– Higienizar bem as mãos após usar o banheiro

Vacinação:

– Desde 2014, a vacina contra a hepatite A está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS), sendo oferecida no calendário básico infantil para crianças de 15 meses a 5 anos incompletos (4 anos, 11 meses e 29 dias).

– Os Centros de Imunobiológicos Especiais (Crie) também oferecem as doses para pessoas de qualquer idade que tenham: hepatopatias crônicas de qualquer etiologia incluindo os tipos B e C; coagulopatias; pessoas vivendo com HIV; portadores de quaisquer doenças imunossupressoras; doenças de depósito; fibrose cística; trissomias; candidatos a transplante de órgãos; doadores de órgãos, cadastrados em programas de transplantes ou pessoas com hemoglobinopatias.

Hepatite B

Casos diagnosticados em 2018 no RS: 1.668 (14% a mais que em 2017)

A principal via de transmissão do vírus da hepatite B é sexual, pelo contato com fluídos corporais ou sangue. Em média, 6% das pessoas infectadas desenvolvem a forma crônica, situação mais frequente quando a contaminação se dá na infância, em especial nos bebês. Se a mulher não foi vacinada antes de engravidar, a gestante precisa receber a vacina hepatite B o mais cedo possível. No total, são três doses, com intervalo de um mês entre a primeira e a segunda, e de seis meses entre a primeira e a terceira. A vacina não contém vírus vivo, portanto não causa doença.

Transmissão:

– Compartilhamento de materiais no uso de drogas injetáveis, inaladas e pipetas

– Relação sexual sem o uso de preservativos

– Uso de materiais perfurocortantes não esterilizados (alicates de unha, aparelho de barbear e depilar, instrumentos de tatuagem e piercings, materiais cirúrgicos ou odontológicos)

– No parto, caso a mãe seja portadora (transmissão vertical)

Prevenção:

– Uso de preservativos em todas as relações sexuais

– Esterilização adequada e não compartilhamento de materiais perfurocortantes

Vacinação:

– Em crianças, são dadas quatro doses: ao nascer, 2, 4 e 6 meses. Para os adultos que não se vacinaram na infância, são três doses, dependendo da situação vacinal. É importante que todos que ainda não se vacinaram tomem as três doses da vacina.

– Pessoas que tenham algum tipo de imunodepressão ou que tenham o vírus HIV, precisam de um esquema especial, orientado nos Centros de Imunobiológicos Especiais (Crie).

Hepatite C

Casos diagnosticados em 2018 no RS: 5.853 (13% a mais que em 2017)

O vírus da hepatite C é transmitido por meio de sangue infectado. As transmissões sexual e vertical (de mãe para o bebê) são menos frequentes. São considerados de risco: indivíduos que receberam transfusão de sangue e/ou hemoderivados antes de 1993; usuários de drogas injetáveis (cocaína, anabolizantes, complexos vitamínicos), inaláveis (cocaína) ou pipadas (crack); pessoas que compartilham ou utilizam instrumentos não esterilizados para aplicação de piercings, tatuagem, manicure e objetos para higiene pessoal (escovas de dente lâminas de barbear e depilar, entre outros). Os casos ocorrem com maior frequência em pessoas de 40 a 59 anos, responsável em 2018 por cerca de 50% dos casos confirmados no Estado.

Em 2016, foi firmado um compromisso internacional de eliminar a hepatite C como ameaça à saúde pública até 2030. Os objetivos são a redução de novas infecções em 90% e a redução da mortalidade em 65%.

Transmissão:

– Compartilhamento de materiais no uso de drogas injetáveis, inaladas e pipadas

– Relação sexual desprotegida

– Uso de materiais perfurocortantes não esterilizados (alicates de unha, aparelho de barbear e depilar, instrumentos de tatuagem e piercings, materiais cirúrgicos ou odontológicos)

– Quem recebeu transfusão de sangue anterior a 1993 corre o risco de ter sido contaminado

Prevenção:

– Uso de preservativos em todas as relações sexuais

– Esterilização adequada e não compartilhamento de materiais perfurocortantes

Vacinação:

– Não existe no momento vacina disponível contra a hepatite C

Testes rápidos

As Unidades Básicas de Saúde oferecem testes rápidos para a detecção de hepatites B e C. Elas são o primeiro passo para o diagnóstico precoce da doença e sua prevenção, pois possibilita interromper a cadeia de transmissão.

O diagnóstico permite um tratamento adequado e impacta diretamente a qualidade de vida do indivíduo, sendo um instrumento de prevenção de complicações mais frequentes, como cirrose avançada e câncer hepático.

O Rio Grande do Sul apresentou uma grande evolução no número de testes rápidos realizados pelos municípios. Em 2018 foram mais de 645 mil exames, aumento de 28% em relação ao ano anterior e mais de quatro vezes superior à quantidade realizada em 2014.

Série histórica da quantidade de testes rápidos no RS

Ano  Hepatite B Hepatite C
2014 74,9 mil 73,2 mil
2015 81,2 mil 127,8 mil
2016 155,4 mil 165,3 mil
2017 253,4 mil 251,2 mil
2018 317,9 mil 327,4 mil
Compartilhe
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Destaque

Ao menos 17 políticos do RS indicaram recursos via orçamento secreto

Publicado

em



Entre os deputados federais senadores do Rio Grande do Sul, ao menos 17 indicaram a destinação de recursos via emenda de relator, mecanismo criado no Congresso Nacional e conhecido como orçamento secreto. Os dados constam em ofícios encaminhados pelos próprios parlamentares ao Supremo Tribunal Federal (STF), compilados pelo jornal O Globo.

Identificadas pelo código RP-9, as emendas de relator foram criadas para ampliar a quantia de verbas enviadas por congressistas para seus redutos eleitorais. Na prática, os parlamentares recomendam ao relator do orçamento do ano que inclua suas demandas no plano de investimentos do governo federal.

No início, o mecanismo não identificava o responsável por indicar a emenda. Diante disso, a ministra Rosa Weber, do STF, chegou a suspender os pagamentos. Mais tarde, ela liberou os repasses, mas determinou que deputados e senadores informassem quanto indicaram nos orçamentos de 2020 e 2021 via RP-9.

Entre os gaúchos, até a semana passada, 17 deputados (ou suplentes que exerceram mandato) e os três senadores haviam prestado informações. Destes, a deputada Fernanda Melchionna (PSOL) e os senadores Lasier Martins (Podemos) e Paulo Paim (PT) informaram que não utilizaram as emendas de relator.

Lucas Redecker (PSDB) e Ubiratan Sanderson (PL) admitiram ter indicado recursos, mas não mencionaram os valores encaminhados. Outros 15 parlamentares relacionaram as quantias encaminhadas via RP-9.

Por outro lado, 15 deputados ainda não enviaram as informações ao Supremo. Oficialmente, o prazo para o encaminhamento terminou em março, mas o Congresso tenta convencer Rosa Weber a ampliar o limite.

Embora o orçamento secreto tenha sido revelado como um mecanismo do governo federal para conquistar apoio no Congresso, todos os deputados consultados pela reportagem negaram peremptoriamente ter assumido algum compromisso com o Palácio do Planalto em troca da liberação das emendas.

Um dos deputados que utilizaram a RP-9, Jerônimo Goergen (PP) diz que a emenda de relator substituiu o que, em gestões anteriores, era conhecido como “recurso extraorçamentário”. Esses recursos também eram indicações de deputados para o orçamento. A diferença, aponta o parlamentar, é que o formato atual fica sob controle do Congresso, não do governo.

— Sou historicamente contra emendas parlamentares, penso que o ideal é que não existissem. Mas, como existem, não vou deixar de buscar recursos para a nossa base — argumenta Goergen.

Já o senador Lasier Martins rejeita o mecanismo e afirma que ele retira poderes do governo federal:

— Está se descaracterizando o poder do Executivo de dizer quais são as obras e os projetos preferenciais. Agora estamos vendo que o Legislativo chega a controlar 24% do orçamento da União, o que não é correto — aponta Lasier.

 

VEJA QUANTO CADA PARLAMENTAR GAÚCHO DECLAROU TER INDICADO VIA EMENDA DE RELATOR:

 

DEPUTADOS                                                         

  • Afonso Hamm (PP) – R$ 19.566.477,34
  • Bibo Nunes (PL) – R$ 27.400.000,00
  • Carlos Gomes (REP) – R$ 7.748.157,00
  • Covatti Filho (PP) – R$ 25.308.571,00
  • Danrlei de Deus (PSD) – R$ 9.400.000,00
  • Fernanda Melchionna (PSOL) – não indicou
  • Giovani Feltes (MDB) – R$ 26.900.000,00
  • Jerônimo Goergen (PP) – R$ 18.650.000,00
  • Lucas Redecker (PSDB) – não informou o valor
  • Marcelo Brum (REP)* – R$ 19.108.200,00
  • Márcio Biolchi (MDB) – R$ 33.742.000,00
  • Marlon Santos (PL) – R$ 13.730.000,00
  • Nereu Crispim (PSD) – R$ 18.454.900,00
  • Osmar Terra (MDB) – R$ 14.399.910,00
  • Paulo Caleffi (PSD)* – R$ 10.681.926,00
  • Pedro Westphalen (PP) – R$ 23.424.270,00
  • Ubiratan Sanderson (PL) – não informou o valor

    *Suplentes que exerceram mandato

SENADORES

 

  • Lasier Martins (Podemos) – não indicou
  • Luis Carlos Heinze (PP) – R$ 36.500.000,00
  • Paulo Paim – não indicou
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

23ª Oktoberfest Santa Rosa confirma lançamento para 04 de junho

Publicado

em



A Comissão Organizadora da 23ª Oktoberfest Santa Rosa confirmou que realizará no sábado (04 de junho) um jantar de lançamento desta edição. O evento acontecerá no pavilhão da festa com início previsto para as 20h, quando serão anunciadas as atrações da festa deste ano.

A 23ª Edição da Oktoberfest Santa Rosa acontecerá de 07 a 15 de outubro, no Bairro Central-Vila Oliveira.

 

jn digital

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

Cruzeiro organiza Festa do Colono e Motorista

Publicado

em



Confirmada para o dia 24 de julho a tradicional Festa do Colono e Motorista do Bairro Cruzeiro. O evento, organizado pela Associação Clube Sete de Setembro desde 2015, não foi realizado nos últimos dois anos devido à pandemia.

A programação, em parceria com a Comunidade Matriz Católica do bairro Cruzeiro e com apoio do SEST/SENAT e empresas de transportes e grupos de caminhoneiros, terá início às 8h com a saída do desfile do Parque de Exposições Alfredo Leandro Carlson, que percorrerá diversas ruas de Santa Rosa. Cerca de 300 veículos devem integrar o desfile.

Às 10h será realizada a Missa na Igreja Matriz Sagrada Família de Cruzeiro, seguida da bênção dos veículos pelo padre Giani Pitol. Após o término das bênçãos, a festa segue no salão da matriz com o almoço e o sarau à tarde animado pela Banda Expressão Sul de Santa Catarina.

Os cartões para almoço são vendidos pela comissão organizadora da festa por R$ 45,00. Crianças com idade entre 7 de 12 anos pagam R$ 20,00. À tarde, o ingresso para o Sarau será de R$ 20,00.

 

jn digital

Compartilhe
[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PORTAL PLURAL LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2022 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×