Arábia Saudita irá construir megacidade de US$ 500 bilhões com 33 vezes o tamanho de Nova York – Portal Plural
Connect with us

Mundo

Arábia Saudita irá construir megacidade de US$ 500 bilhões com 33 vezes o tamanho de Nova York

Pável Bauken

Publicado

em



 

Maior exportador de petróleo do mundo, a Arábia Saudita está construindo uma nova cidade, com 33 vezes o tamanho de Nova York, nos Estados Unidos. O projeto de US$ 500 bilhões tem como objetivo diversificar a economia do país e diminuir sua dependência do petróleo.

Batizada de Neom, a cidade foi anunciada pelo príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman. Os planos são ambiciosos. Neom será 100% abastecida por energia renovável. De acordo com o príncipe, o financiamento para a obra será feito tanto com recursos do governo saudita como de investidores privados. As autoridades esperam que um programa de financiamento, que inclui a venda de 5% da gigante do petróleo Saudi Aramco, arrecade US$ 300 bilhões para a construção da cidade.

A Arábia Saudita espera concluir a primeira parte da nova cidade até 2025. De acordo com o material de divulgação, “o projeto é feito para transformar o reino em um líder global de inovação e um centro de negócios, com o objetivo de para estimular a indústria local, criar empregos no setor privado e impulsionar o PIB do reino”.

Estão previstos cinco palácios na costa do Mar Vermelho. Eles serão para o rei, o príncipe herdeiro e outros membros da alta realeza. Os prédios terão arquitetura tradicional de estilo marroquino, desenhos islâmicos e azulejos coloridos. O complexo de palácios incluirá uma marina, helipontos e um campo de golfe.

Já a cidade comercial e industrial terá um perfil bem mais moderno. Segundo o governo saudita, a principal diferença do planejamento urbano será a nova tecnologia aplicada nos projetos de infraestrutura. “Este lugar não é para pessoas convencionais ou empresas convencionais, este será um lugar para os sonhadores do mundo”, disse o príncipe Bin Salman.

Para isso, a Neom pretende atrair os “melhores talentos de todo o mundo para ampliar os limites da inovação como nunca antes e impulsionar o crescimento da região”. O governo saudita destaca as vantagens econômicas e geográficas da região, ressaltando que aproximadamente 10% dos fluxos de comércio mundial se dão pelo do Mar Vermelho, conectando Ásia, Europa, África e América. Até mesmo o clima local é elogiado. Segundo o material de divulgação, a cidade será localizada em um local único, com uma temperatura cerca de 10°C menor que a média do entorno, já que estará cravada em região montanhosa, com ventos frescos vindos da região do Mar Vermelho. A região conta ainda com 468km de costa com praias intocadas, ilhas e até montanhas de 2,5 mil metros de altitude.

Os ventos locais seriam, inclusive, um incentivo para a instação de uma estrutura para explorar recursos eólicos e com espaço também para energia solar. Com o foco em fontes renováveis de energia, a mobilidade ganha destaque já que provavelmente nas ruas da cidade irão circular apenas veículos elétricos.

O país nomeou Klaus Kleinfeld, ex-CEO da Siemens AG e da Alcoa para dirigir o projeto Neom. Kleinfeld explicou que a cidade levará em conta o que ele disse ser uma mudança geracional em relação à demanda por carros. Kleinfeld acrescentou que a Neom está explorando “com que rapidez [nós] podemos trazer drones de passageiros” e como a cidade irá incentivar o tráfego de pedestres. “Esses são os conceitos em que estamos trabalhando e há muitos dispostos a ajudar a investir nisso”. Para Kleinfeld, Neom será uma vitrine do que ele chama de estilo de vida “pós-industrial”.

Planeja-se ainda investimentos em tecnologia em outros setores, como na gestão da água, na biotecnologia (humana e de produtos farmacêuticos), na alimentação (exploração da água do mar, agricultura em áreas desérticas e hidroponia), no entretenimento (esportes, jogos eletrônicos, televisão e cinema), nas ciências digitais (realidade virtual, aumentada, data center, inteligência artificial, internet das coisas e comércio eletrônico), na manufatura (impressão 3D, novos materiais e robótica) e, claro, no turismo, com os hotéis sendo as primeiras construções do local.

Chama a atenção a descrição de que o local terá “normas sociais de padrão mundial em cultura, artes e educação”, já que a Arábia Saudita é um dos países mais conservadores do mundo e bastante rígido com o comportamento das mulheres, que obtiveram o direito ao voto somente em 2015 e a dirigir apenas no ano passado. Elas ainda são proibidas de abrir uma conta em banco, iniciar um negócio ou solicitar um passaporte sem a autorização de um homem.

Época Negócios
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Chefe do Estado-Maior da Espanha pede demissão após furar a fila da vacina contra o coronavírus

Reporter Global

Publicado

em



 

 

O Chefe do Estado-Maior da Espanha, Miguel Ángel Villarroya, pediu demissão do cargo neste sábado (23) depois de ter furado a fila da vacina contra o coronavírus no país.

O general, que era o número um das Forças Armadas espanholas, foi imunizado contra a Covid-19 junto com outros integrantes da cúpula do órgão, desobedecendo aos protocolos de prioridades estabelecidos pela União Europeia.

“Com o objetivo de preservar a imagem das Forças Armadas, o general Villarroya apresentou seu pedido de demissão à ministra da Defesa”, diz nota do Estado Maior.

Os países da União Europeia começaram no dia 27 de dezembro as suas campanhas de vacinação contra a Covid-19. Moradores de asilos e profissionais de saúde são os primeiros a receber a vacina.

Nos últimos dias, surgiu a notícia de que políticos espanhóis de diversos partidos haviam se vacinado sem autorização. Avançando nas investigações, foi descoberto que nomes das Forças Armadas haviam feito o mesmo, incluindo o general Villarroya.

Villarroya se formou na Academia Geral do Ar em 1981. Passou por todos os postos de comando até chegar, em janeiro de 2020, ao cargo de chefe do Estado-Maior da Defesa da Espanha.

FONTE: O Sul

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Covid: OMS avalia argumento chinês de que novos surtos têm relação com congelados

Pável Bauken

Publicado

em



A Organização Mundial da Saúde (OMS) avalia o argumento da China de que os novos surtos de coronavírus identificados no país asiático têm relação com embalagens de alimentos congelados Enquanto Pequim intensifica os esforços para promover a teoria, a União Europeia (UE) e os Estados Unidos fazem lobby contra as verificações extras em seus produtos.

Um rascunho de um documento da OMS, enviado ao Wall Street Journal, destaca que o vírus pode se espalhar no frio e ser reintroduzido em países onde a pandemia está sob controle. Autoridades do organismo multilateral disseram que o rascunho não foi liberado para publicação e foi enviado por engano.

Recentemente, após culpar as importações de alimentos congelados pelos surtos recentes de coronavírus, a China introduziu testes obrigatórios e desinfecção de produtos estrangeiros, dizendo ter encontrado traços do vírus nas embalagens de produtos, incluindo carne suína americana, camarão saudita e carne bovina brasileira

Enquanto isso, os EUA, a UE e vários outros governos estão contestando a avaliação de Pequim sobre as evidências, assim como muitos especialistas de fora da China. Esses países estão preparando uma carta conjunta para Pequim chamando suas restrições de injustas, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto. Fonte: Dow Jones Newswires.

Estadão

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Auroras boreais podem ser vistas nas noites geladas do Norte da Europa

Luzes neon ocorrem ao pôr do sol ou antes do amanhecer

Pável Bauken

Publicado

em

© REUTERS/Alexander Kuznetsov /Direitos reservados

Os céus do Norte da Europa têm sido visitados por inúmeras auroras boreais nas últimas noites. As condições atmosféricas das noites frias e sem nuvens têm favorecido a visibilidade nos territórios da Escócia, Noruega, Finlândia, Suécia e também no Alasca e no Norte do Canadá.

A aurora é um indicador das condições de tempestade geomagnética centrada nos polos onde o campo magnético da Terra é maior. As luzes neon ocorrem imediatamente ao pôr do Sol ou antes do amanhecer.

Partículas provenientes de tempestades na superfície do Sol viajam pelo espaço como um vento solar e, ao serem atraídas pela Terra, colidem com o campo magnético terrestre, criando as auroras.

Nas colisões, essas partículas misturam-se com gases atmosféricos, como o oxigênio ou nitrogênio, e libertam energia em forma de luz.

A tonalidade avermelhada ocorre em maiores altitudes, e o tom esverdeado revela-se quando a transferência de energia cruza altitudes mais baixas.

O fenômeno noturno depende da atividade do Sol e do ciclo do astro de 11 em 11 anos. Esses 11 anos dividem-se em um período com cerca de quatro anos, que corresponde à energia solar máxima. Segue-se uma fase de transição que abre o capítulo de quatro anos de mínimo solar.

Em dezembro de 2019, segundo a Nasa, a agência espacial norte-americana, começou o novo ciclo polar mínimo chamado Ciclo Solar 25, que chegará ao máximo em 2025.

Rodney Viereck, da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos, destaca que 2021, sendo um ano mais próximo do mínimo solar, tem a vantagem das auroras mais previsíveis, enquanto, no período máximo, elas são repentinas e de curta duração.

Nas ultimas duas semanas, milhares de testemunhas com vídeos e fotografias têm ocupado as redes sociais dos países do Norte. O fenômeno costuma atrair muitos turistas, mas o contexto de pandemia deixa esse privilégio apenas para os moradores das terras geladas.

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×