ANTT publica novas regras para cálculo do frete mínimo – Portal Plural
Connect with us

Geral

ANTT publica novas regras para cálculo do frete mínimo

Publicado

em



 

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou as novas regras para o cálculo do frete mínimo de transporte de cargas. Com as alterações publicadas ontem (18), a nova resolução sobre o tema prevê que o cálculo do frete mínimo passará a considerar 11 categorias na metodologia coeficientes dos pisos mínimos. A resolução também amplia os itens levados em consideração para o cálculo.

Segundo a norma, o cálculo do piso mínimo de frete levará em consideração o tipo de carga e serão aplicados dois coeficientes de custo: um envolvendo o custo de deslocamento (CCD) e, outro, de carga e descarga (CC), que levará em consideração o número de eixos carregados. A resolução determina ainda que será levada em consideração a distância percorrida pelo caminhoneiro.

A resolução da ANTT detalha a multa para quem contratar o serviço abaixo do piso mínimo. A pena a ser aplicada é de duas vezes a diferença entre o valor pago e o piso devido, sendo que é de no mínimo R$ 500 e de, no máximo, R$ 10.500. Já quem ofertar contratação do transporte de rodoviário de carga abaixo do piso mínimo pode ser multado em R$ 4.975.

No final de maio, a agência reguladora anunciou o fim da aplicação de multa aos caminhoneiros que descumprissem a tabela ou denunciassem a empresa que não paga valor mínimo do frete. De acordo com a ANTT, a aplicação de penalidades aos caminhoneiros acabava desmotivando os motoristas a denunciar as empresas que estavam pagando o preço abaixo da tabela. Com a alteração, nenhum caminhoneiro autônomo pode ser multado caso esteja transportando cargas no valor abaixo do piso mínimo de frete estabelecido.

De acordo com a ANTT, a medida estabelecida na resolução desmotivava os motoristas a denunciar as empresas que estavam pagando o preço abaixo da tabela, pois eles recebiam o mesmo tipo de punição aplicada às empresas embarcadoras. Com a alteração, nenhum caminhoneiro autônomo pode ser multado caso esteja transportando cargas no valor abaixo do piso mínimo de frete estabelecido.

A ANTT informou ainda que vai aprofundar, até janeiro do próximo ano, os estudos para tratamento de cargas especiais – vidros, animais vivos, guincho para reboque de veículos, produtos aquecidos, logística reversa de resíduos sólidos, granéis em silo, entre outros -; tratamento específico de cargas fracionadas e para transporte dedicado voltando vazio. A agência vai analisar ainda o destaque do diesel na fórmula do piso mínimo.

Fonte Agência Brasil

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

O que é bioluminescência, fenômeno registrado em águas gaúchas?

Publicado

em



Recentemente, o mar da praia de Capão da Canoa apresentou cores fluorescentes e gerou dúvidas; entenda (mais…)

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Instagram Remix chega para todos os vídeos da rede

Publicado

em



Instagram lançou nesta quinta-feira (20) uma nova expansão do recurso Remix. A partir de agora, os usuários poderão utilizar o recurso, que antes era usado apenas nos Reels, em qualquer conteúdo de vídeo na plataforma.

Assim como já acontece no Remix para Reels, os usuários poderão escolher entre várias opções criativas, como Collabs, Voiceover, Efeitos e Ferramenta de Áudio. A expectativa é ampliar os recursos de criação para produtores de conteúdo. O Instagram ressalta que os vídeos publicados antes da expansão do Remix não poderão ser remixados.

Veja como usar o recurso:

1. Escolha o vídeo desejado — é preciso estar no modo público;

2. Toque no menu com os três pontinhos no canto superior direito;

3. Escolha a opção “Remixar este vídeo”;

4. Grave sua resposta ou salve na galeria;

5. Pronto, agora o remix poderá ser editado normalmente, como já era possível no Reels.

Fonte:TecMundo

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Geral

Coronavírus perde 90% da força de transmissão pelo ar em 20 minutos

Publicado

em



De acordo com um novo estudo realizado na Universidade de Bristol (Reino Unido), em apenas 20 minutos, o coronavírus SARS-CoV-2 perde a capacidade de infectar outros seres vivos em transmissão pelo ar. Inclusive, as novas descobertas sugerem que a maior parte do vírus deixa de ser efetiva já nos primeiros 5 minutos — foram usadas três variantes no estudo.

Assim, a proximidade entre as pessoas, especialmente se uma delas está com sintomas de infecção pelo coronavírus, representa o maior risco para a transmissão. As descobertas do estudo sugerem que o uso de máscaras e o distanciamento físico continuam sendo proteções importantes para prevenir a infecção.

As vacinas disponíveis gratuitamente no Brasil, todas aprovadas por especialistas, também são parte essencial do combate à pandemia por reduzirem as chances de infecção, doença grave e morte.

Os pesquisadores desenvolveram aparelhos que podem gerar partículas minusculas do vírus que levitam por até 20 minutos entre dois anéis elétricos. Nesse ambiente, eles também controlam a temperatura, umidade e até os raios ultravioleta da luminosidade — dessa forma, eles puderam entender como funcionam os aerossóis (partículas menores que gotículas) no processo de exalação.

O estudo foi divulgado pelo jornal britânico The Guardian no dia 11 de janeiro.

Os cientistas descobriram que a temperatura do ar não faz diferença para aumentar ou diminuir a capacidade de transmissão do vírus.

O estudo sugere que as partículas virais enfraquecem assim que deixam as condições úmidas e cheias de carbono dos pulmões e, então, o vírus começa a “secar” e a possibilidade de infectar células humanas pode ser interrompida após alguns minutos. A velocidade desse processo dependerá da umidade relativa do ar no ambiente.

Seco é melhor que úmido

Em lugares mais secos, como em muitos escritórios, o vírus perdeu até metade da sua força em 5 segundos. Já em uma sauna, por exemplo, 52% das partículas infecciosas permaneceram ativas por até 5 minutos. De qualquer forma, enquanto um indivíduo infectado permanecer no ambiente, o vírus continuará reabastecendo as proximidades.

“As pessoas estão focadas em espaços mal ventilados e pensando na transmissão aérea por metros ou em uma sala. Não estou dizendo que isso não aconteça, mas acho que ainda assim o maior risco de exposição é quando você está perto de alguém”, disse o diretor do Aerosol Research Center da Universidade de Bristol e principal autor do estudo, Jonathan Reid.

O estudo ainda não revistado por outros cientistas, requisito para ser publicado em revista científica.

Fonte:TecMundo

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×