Amazonas do Daomé: o exército de mulheres que inspirou as guerreiras de Pantera Negra – Portal Plural
Connect with us

Está na rede

Amazonas do Daomé: o exército de mulheres que inspirou as guerreiras de Pantera Negra

Publicado

em



Nos quadrinhos e filmes do Universo Cinematográfico Marvel, o reino fictício de Wakanda, liderado pelo herói Pantera Negra, é lar das guerreiras Dora Milaje. Essas personagens foram inspiradas em amazonas africanas que faziam parte do exército do Reino do Daomé, importante estado regional da África que existiu de 1625 a 1894 onde atualmente fica Benin. As descendentes dessas mulheres mantêm suas tradições até hoje.

Entre seu povo, essas guerreiras eram conhecidas como Ahosi (“esposas do rei”) ou Mino (“nossas mães”). Esse grupo de elite teria sido fundado por uma rainha chamada Hangbe. Segundo a lenda, ela assumiu o trono no início do século 18, após a morte repentina de seu irmão gêmeo, Akaba. Após um curto reinado, ela foi removida à força por seu irmão mais novo, Agaja. Ele teria apagado todos os vestígios do reinado de sua antecessora, pois acreditava que apenas homens deveriam ocupar o trono.

Já um dos poucos estudos ocidentais completos sobre o Reino do Daomé, assinado por Stanley Alpern, afirma que elas foram inicialmente convocadas para proteger as portas do palácio real. Uma frase atribuída ao Rei Agaja dizia o seguinte: “Nenhum homem deve dormir dentro das paredes de qualquer um de meus palácios após o pôr do sol, exceto eu.” Por isso a guarda tinha que ser composta por mulheres. Uma carta escrita por um comerciante inglês chamado William Snelgrave mencionava a presença de quatro guerreiras com mosquetes atrás do trono do monarca.

Segundo o estudo, todas as guerreiras do Reino do Daomé eram consideradas esposas do rei, embora ele raramente mantivesse relações sexuais com elas. Em vez disso, as mulheres eram vistas como suas irmãs, filhas e soldadas. Qualquer homem que ousasse tocá-las poderia ser preso ou morto.

As amazonas africanas eram submetidas a um treinamento físico intenso e rigoroso, que incluía exercícios com armas, tendo prisioneiros como alvos de execuções. As guerreiras também ficaram conhecidas por decapitar seus inimigos. Com a ajuda delas, o Reino do Daomé conquistou nações vizinhas, expandindo seu território até a segunda metade do século XIX. No auge de seu poder, cerca de 8 mil guerreiras faziam parte do exército.

Mas o Reino começou a entrar em declínio qunado os franceses passaram a colonizar partes da África. Em uma das últimas batalhas contra os colonos europeus, em 1892, somente 17 das 434 guerreiras teriam voltado com vida. Acredita-se que as últimas das amazonas originais morreram na década de 1940.

Mas ainda hoje as descendentes das guerreiras cultivam suas tradições, transmitidas de geração em geração. O papel da atual rainha e suas amazonas é principalmente cerimonial, presidindo rituais religiosos que acontecem em um templo.


Fontes: BBC e Teen Vogue

Imagens: Domínio público, via WIkimedia Commons

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Está na rede

Vídeo emocionante: cachorro vai a velório de dono e emociona todos

Publicado

em



Um cachorro foi ao velório de seu dono, um idoso de 73 anos, e deixou todos emocionados ao não sair de perto do caixão. A decisão de levar o bichinho para o velório foi da família do idoso. O caso aconteceu em Parintins, no Estado do Amazonas.

Fonte: UOL

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Está na rede

Rock in Rio é adiado para setembro de 2022

Medida foi tomada em razão da pandemia

Publicado

em

© Alexandre Macieira/Riotur

Rock in Rio, um dos principais festivais de música do mundo, adiou sua próxima edição, marcada para setembro e outubro deste ano, para setembro de 2022. O adiamento foi provocado pela pandemia de covid-19.

O Rock in Rio mobiliza pessoas dentro e fora da Cidade do Rock. Recebemos turistas de absolutamente todos os estados, além do Distrito Federal, e também de mais de 70 países. São 28 mil pessoas trabalhando para levar festa e alegria para as 700 mil pessoas que nos visitam. Vamos preservar vidas neste momento. Em setembro de 2022, estaremos juntos de novo e prontos para o melhor Rock in Rio de todos os tempos, quando vamos celebrar a paz e a vida”, informou o presidente do Rock in Rio, Roberto Medina, em nota publicada no site do evento.

A próxima edição do festival será realizada nos dias 2, 3, 4, 8, 9, 10 e 11 de setembro de 2022. Segundo os organizadores, as negociações com as atrações estão em andamento e algumas já devem ser anunciadas no primeiro semestre deste ano.

ebc

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Está na rede

Yudi Tamashiro revela que saía do ‘Bom Dia & Cia’ e ia para o prostíbulo aos 18 anos

Publicado

em

O ex-apresentador do SBT detalhou fase conturbada aos 18 anos (Foto: Reprodução/Instagram @yuditamashiro)

Yudi Tamashiro relembrou a época em que trabalhou no ‘Bom Dia & Cia’, no SBT. Ele foi apresentador do programa de 2005 a 2012. Em entrevista ao ‘Flow Podcast’, o artista falou sobre as responsabilidades que vieram com a fama precoce, como ser o provedor do sustento financeiro da família desde cedo.

“Foi uma vida cheia de glamour, cheia de coisas positivas. Só que com responsabilidades que não eram para uma criança. Sinto que algumas coisas foram importantes de viver, mas preciso trabalhar isso dentro de mim. É horrível quando você está sofrendo e as outras pessoas apontam que a sua vida é muito boa”, desabafa Yudi na gravação.

Ele detalhou a rotina conturbada aos 18 anos. “Comecei a extravasar na noite. Foi quando eu comecei a beber, comecei a sair de segunda a segunda para a balada e ir ‘virado’ apresentar o ‘Bom Dia & Cia'”, revela.

“Eu saía do ‘Bom Dia’ e emendava um p*teiro [prostíbulo]. Mas eu mais conversava com as garotas do que fazia [sexo] mesmo. Porque eu queria dividir coisas que eu não podia dividir com outras pessoas. Conversando, eu ficava muito louco e emendava uma balada. Se não arrumasse uma menina na balada, emendava para uma casa de swing. Na casa de swing, arrumava umas meninas e levava para a minha casa. Ou então já ia virado para o ‘Bom Dia & Cia'”, completa.

Yudi diz que parou para refletir sobre a vida quando saiu do estúdio para vomitar durante um programa ao vivo. Após o episódio, ele pediu demissão da emissora de Silvio Santos. “Você está com 18 anos, você tem pique para ficar três dias virado. Fui nessa rotina e cheguei em um momento em que pensei: ‘Não. O Cássio [seu nome verdadeiro] da infância tinha um sonho de viver da arte, ter voz para influenciar outras pessoas de uma forma positiva. Para tirar a molecada de onde eu vim'”, explica.

“Vomitei a minha vida toda na privada. Foi o primeiro momento que eu senti medo, porque, até o momento, eu não sentia medo de nada. Meus pais falavam as coisas para mim e falava: ‘Eu que pago as contas, eu conquistei todas as coisas através do meu trabalho.’ Naquele momento vi que não dava mais”, finaliza.

Yahoo

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Powered by WhatsApp Chat

×