Advogada é condenada por fraude fiscal contra idosos em Santa Rosa – Portal Plural
Connect with us

Destaque

Advogada é condenada por fraude fiscal contra idosos em Santa Rosa

Avatar

Publicado

em



 

A 1º Vara Civil de Santa Rosa condenou uma advogada por fraude fiscal, a qual terá que pagar R$ 111.413,25, valor na data de 02/09/2019, segundo consta no processo 028/1.140004269-7, que não corre em segredo de justiça.

A advogada responde junto com o marido por cerca de 50 crimes civis e criminais por fraude fiscal. Os casos foram denunciados pelas vítimas ao Ministério Público Estadual e devido ao grande número de lesados passou para a coordenação do GAECO – Grupo de Atenção Especial de Combate o Crime Organizado, coordenado pelo Promotor Dr. José Garibaldi Simões Machado.

Segundo as vítimas eram ajuizadas ações no nome das mesmas sem consentimento. Ainda saques dos valores de processos ocorriam sem serem repassados aos autores. A irregularidade acontecia, pois todas as vítimas haviam realizado empréstimo na financeira do casal.

Em meio aos papéis, como termos de concessão de créditos, os clientes acabavam assinando procurações, o que permita que fossem ajuizados processos no nome delas. Os processos geralmente alegavam danos morais.

Uma operação realizada a cerca de um ano, e a época o Promotor Garibaldi destacou que entre as vítimas estão pessoas analfabetas e idosos. Um homem atuava na financeira e a esposa advogada emitia os processos. Operação do Ministério Público do Rio Grande do Sul cumpriu três mandados de busca e apreensão em 2018.

Cabe recurso da decisão.

Informações Jornal Noroeste

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Gabaritos do Enem serão divulgados nesta quarta-feira

Reporter Global

Publicado

em



 

 

Os participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2020 poderão conferir nesta quarta-feira (27) os gabaritos oficiais das provas objetivas. O Enem impresso foi aplicado nos dias 17 e 24 deste mês.

 

 

Os estudantes resolveram questões objetivas de matemática, ciências da natureza, ciências humanas e linguagens. Fizeram também a prova de redação, a única subjetiva do exame. 

Os gabaritos serão divulgados no portal do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Mesmo com os gabaritos em mãos, não é possível saber a nota no exame. Isso porque o Enem é corrigido com base na chamada TRI (teoria de resposta ao item), que leva em consideração, entre outros fatores, a coerência de cada estudante na própria prova.

Ou seja, se ele acertar questões difíceis, é esperado que acerte também as fáceis. Se isso não acontecer, o sistema entende que pode ter sido por chute. O estudante, então, pontua menos que outro candidato que tenha acertado as mesmas questões difíceis, mas que tenha acertado também as fáceis.

A previsão para a divulgação dos resultados finais é 29 de março. Nessa data, os participantes saberão também quanto tiraram na redação. No entanto, somente depois da divulgação do resultado, em data ainda a ser definida, os candidatos terão acesso à correção detalhada da prova de redação, apenas para fins pedagógicos.

Ao todo, segundo o Inep, cerca de 2,5 milhões de estudantes fizeram as provas neste ano, número que representa menos da metade dos participantes inscritos. O Enem 2020 terá ainda uma versão digital, que será aplicada nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

As notas poderão ser usadas para acessar o ensino superior e participar de programas como o Sisu (Sistema de Seleção Unificada), ProUni (Programa Universidade para Todos) e Fies (Fundo de Financiamento Estudantil).

 

 

FONTE: O Sul

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

USP cria teste popular mais barato que detecta Covid em 10 minutos

Reporter Global

Publicado

em



 

 

Pesquisadores da USP, Universidade de São Paulo, desenvolveram um teste popular capaz de detectar Covid-19 em apenas 10 minutos. O teste custa até cinco vezes menos que a média de mercado.

 

 

O denominado “Teste Popular de COVID-19” poderá ser vendido por cerca de R$ 30 assim que o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) for obtido. O preço médio dos similares de mercado está em torno de R$ 140.

Ele foi desenvolvido por pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos da Universidade de São Paulo (IQSC) e da startup paulistana Biolinker, com apoio da FAPESP.

A tecnologia poderá ser facilmente adaptada para as novas variantes virais, se necessário, disse o professor do IQSC-USP Frank Crespilho, coordenador do estudo, à Agência FAPESP.

Para baratear a produção, os pesquisadores otimizaram a quantidade de insumos utilizados e desenvolveram uma tecnologia baseada em nanopartículas que facilita a identificação dos anticorpos.

“Nós conjugamos uma nanopartícula de ouro [que dá a cor avermelhada às bolinhas] a um pedaço da proteína spike do SARS-CoV-2, que é reconhecido pelos anticorpos humanos. Esse bioconjugado é aproximadamente 1 milhão de vezes menor do que um fio de cabelo”, explicou Crespilho.

 

Como funciona

O dispositivo funciona de forma semelhante à dos testes rápidos já disponíveis nas farmácias.

Ao analisar uma gota de sangue do usuário, ele identifica a presença de anticorpos do tipo imunoglobulina G (IgG), produzidos ainda na fase aguda da doença (em média dez dias após o início dos sintomas).

Quando isso acontece, duas bolinhas avermelhadas aparecem no leitor.

“Quanto mais anticorpos há no sangue, mais forte é o tom de vermelho das bolinhas. Por esse motivo, acreditamos que o teste também poderá ser usado para monitorar a resposta da população às vacinas. Sabemos que nem todo mundo desenvolve imunidade protetora após se vacinar e também que o nível de anticorpos diminui com o tempo”,

Também conhecida como proteína de espícula, a spike forma a estrutura de coroa que dá nome à família dos coronavírus. É ela a responsável por se ligar ao receptor presente na superfície da célula humana – a proteína ACE-2 – de modo a viabilizar a infecção.

Para desenvolver a molécula usada no teste, os pesquisadores da Biolinker produziram em laboratório apenas a ponta da proteína viral, região conhecida como RBD (sigla em inglês para domínio de ligação ao receptor). De acordo com Mona Oliveira, chefe científica e fundadora da startup, foi usada uma tecnologia conhecida como DNA recombinante, que consiste em usar bactérias geneticamente modificadas para expressar a proteína viral in vitro). Essa parte do trabalho foi apoiada pelo Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) da FAPESP e também contou com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep.)

“Todos os insumos usados no dispositivo são produzidos no Brasil, o que contribui para reduzir o custo. Trabalhamos em turno dobrado para finalizar o trabalho em apenas quatro meses”, comenta Crespilho, que coordena o Laboratório de Bioeletroquímica e Interfaces da USP.

 

Ampliar a testagem no Brasil

O pesquisador Frank Crespilho disse que a intenção do teste popular é ampliar a testagem no país, para que se torne mais acessível às populações de baixa renda.

“A ideia é possibilitar a análise em massa da população a um custo bem mais competitivo e viável para a nossa realidade econômica”, afirma.

Os testes de eficácia, que revelarão a porcentagem de acerto do método desenvolvido no IQSC-USP, ainda estão sendo concluídos.

Atualmente, a equipe também trabalha para escalar a produção, para que possam ser feitos os ensaios de validação da metodologia por outros grupos de pesquisa.

A ideia é produzir cerca de 500 unidades, que serão testadas em amostras de pacientes atendidos na Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Botucatu, na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

“Também estamos em negociação com grupos do Nordeste. Finalizada essa etapa de validação, que ao todo deve levar cerca de um mês, podemos pedir o registro na Anvisa”, conta Crespilho, que recebeu apoio da FAPESP e também do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

 

 

FONTE: Só Noticia Boa

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Destaque

UPA registra mais de 45 mil atendimentos em 2020

Pável Bauken

Publicado

em



A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) encerrou o ano de 2020 com 47.723 pacientes atendidos. O número representa uma redução considerável em relação ano anterior, já que em 2019, foram mais de 60 mil pacientes atendidos. O que chama a atenção é a redução de atendimentos pediátricos, que chegaram a 5.749 ao longo de todo o ano, totalizando uma média de 479 atendimentos por mês. Em 2019, a média mensal era de 1.090 atendimentos pediátricos.

Para o gerente de Urgência e Emergência, Silvano Cervo, a suspensão das aulas presenciais durante a pandemia foi um dos fatores que explica essa redução, já que diminuíram as ocorrências de casos respiratórios entre as crianças durante o inverno. “A diminuição de atendimentos de casos respiratórios foi visível, uma vez que os pacientes com este tipo de comprometimento se dirigiram até a Unidade Dom Bosco”, explica Silvano Cervo.

Outro dado relevante, é que do total dos mais de 40 mil atendimentos, 2.649 pacientes necessitaram de internação. “Através da UPA, o Hospital Vida & Saúde, mantém a qualidade também no atendimento de Urgência e Emergência. Desde que iniciou os atendimentos, em 2014, são mais de 370 mil pacientes atendidos. De lá pra cá, muito foi feito e continuamos trabalhando para melhorar ainda mais a assistência a estes pacientes”, destaca a diretora-geral, Vanderli de Barros, ressaltando os 371.967 atendimentos realizados ao longo dos últimos seis anos.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

ENQUETE

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×