4 passos para sair da zona de conforto – Portal Plural
Connect with us

Artigos

4 passos para sair da zona de conforto

Reporter Global

Publicado

em



“As pessoas estão sempre culpando suas circunstâncias pelo que elas são. Eu não acredito em circunstâncias. As pessoas que progridem nesse mundo são as que se levantam e procuram pelas circunstâncias que elas querem. E se não conseguem encontrá-las, as criam”. George Bernard Shaw, dramaturgo, romancista e jornalista irlandês, que viveu entre 1856 e 1950.

A citação está em uma das primeiras páginas do livro Top Five – Cinco atitudes que podem mudar sua vida a alavancar sua carreira, de Sérgio Mena Barreto, ex-diretor de operações da rede varejista Pague Menos e atual diretor da consultoria de RH Mena Barreto & Associados. Ele também é autor de Zona de Coragem, de 2008.

No livro, como o título sugere, Barreto define cinco atitudes que, segundo ele, podem melhorar seu desempenho e satisfação com a carreira – e a vida, de modo geral. São elas: 1) assuma o controle; 2) gerencie a energia; 3) conecte-se com maestria; 4) faça acontecer; 5) reinvente-se sempre.

O plano de ação traçado pelo autor é composto por uma série de mudanças de pensamento e comportamento. Aqui, vamos começar pelo fim, destrinchando a última atitude da lista (reinvente-se sempre), que reúne os perturbadores conselhos para sair do piloto automático, fazer perguntas e experimentar situações novas.

1. Pense em três dimensões.

Segundo o autor, as ações de desenvolvimento profissional e crescimento pessoal devem estar sempre ancoradas em pelo menos três grandes dimensões maiores, que representam seu propósito de vida.

a) Suas aspirações: seus sonhos e desejos de realizações em curto, médio e longo prazo, inclusive metas financeiras e de patrimônio.

b) Sua ecologia: a composição de seus diversos papéis pessoais e profissionais e o equilíbrio que deve existir entre eles.

c) Seu bem-estar pessoal: a sensação de equilíbrio energético e de autorrealização.

Assim, qualquer iniciativa, como um novo curso, aprendizagem de metodologia ou mesmo guinadas profissionais, devem ser submetidas ao seu crivo pessoal. Pergunte-se sempre: isso que pretendo fazer está alinhado às minhas aspirações maiores? Respeita meu equilíbrio nos diversos papéis que exerço? Amplia minha sensação de bem-estar, proporcionando autorrealização e renovando energia?

2. Crie sua equação desafiadora.

Tenha um objetivo claro e crie um plano de ação. Este objetivo deve ser ambicioso, um “sonho” tão poderoso que o inspire a realizar as ações cotidianas toda vez que lembrá-lo. Escreva-o em um papel e leia todos os dias para relacionar suas decisões triviais ao propósito maior. Se for algo muito complexo, que envolva várias etapas ou áreas diferentes, crie subtópicos para orientá-lo em direção a ele.

3. Mantenha uma agenda de desconforto.

Para fugir da sua zona de conforto – isto é, das repetições de padrões que não desenvolvem novas capacidades, apenas mantém sua vida sem surpresas –, coloque-se em situações desafiadoras diariamente.

Pode ser em momentos corriqueiros. Por exemplo, fazendo perguntas que expõem sua ignorância ao seu chefe, mas lhe garantem a oportunidade de esclarecer dúvidas. Ou ainda aceitar um desafio novo no trabalho. Do ponto de vista pessoal, pode ser pedir para um amigo lhe dizer quais são suas atitudes que mais o incomodam.

Convites para o desafio não faltam ao longo de um dia, de uma semana, de um mês. É só estar atento para não desviar, como é costume quando algo nos incomoda.

Barreto define a “zona de coragem” como desconfortável e instável. Segundo ele, ajuda a manter seu cérebro em boa forma, gerando novas sinapses e ampliando as capacidades.

4. Feche para balanço.

Pelo menos uma vez por ano, faça um balanço de sua própria vida. Leve em conta critérios objetivos de medida para saber se está se tornando quem gostaria de ser. Como se avaliasse um processo corporativo, responda a si mesmo com honestidade como andam seus resultados nos seguintes setores:

– Financeiro: aumentou seu patrimônio? Está ganhando mais dinheiro? Está fechando mais negócios?

– Desempenho: realizou mais? Entregou melhores resultados? Superou expectativas?

– Aprendizado: aprendeu coisas novas? Expandiu pontos fortes? Está sendo melhor avaliado sob o ponto de vista qualitativo.

De acordo com as respostas, crie novas metas para o ano seguinte, sempre conectadas ao objetivo principal.

Época Negócios

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

O Brasil se tornou uma nação de inadimplentes

Reporter Cidades

Publicado

em



Os números são alarmantes, principalmente porque o Brasil é o país dos juros altos. Neste cenário, os idosos estão cada vez mais afundados em dívidas, em grande parte para ajudar filhos e parentes, e acabam pagando um preço alto por isso, ou pior ainda, acabam não conseguindo arcar com todas as suas despesas, que normalmente são altas, principalmente com medicamentos, plano de saúde e alimentos.

Alguns especialistas acreditam que muitos idosos não alcançam uma aposentadoria tranquila pela falta de planejamento. Mas em alguns casos, quando há o planejamento, o mesmo acaba arruinado pela família, geralmente por filhos adultos ou parentes dependentes.

Um agravante para esses números são os empréstimos consignados. Como esse tipo de crédito é amplamente oferecido, com fácil acesso aos aposentados, muitos acabam recorrendo a eles para socorrer os familiares e as contas da casa. Ainda que utilize taxas menores, se comparadas a outros empréstimos, o crédito consignado acaba corroendo boa parte da renda do idoso.

São mais de 63,2 milhões de pessoas com contas atrasadas

Se as pessoas que têm dívidas em atraso no Brasil formassem um país, haveria uma nação maior do que a Colômbia e quase o dobro do Peru. Enquanto cerca de 63,2 milhões de pessoas vivem com contas atrasadas no Brasil, a população colombiana, por exemplo, é de 50,2 milhões de pessoas. O país imaginário só não seria maior do que o México, que tem 134,3 milhões de habitantes. Os dados são do professor do Insper, Ricardo Rocha.

O especialista utiliza as informações para abordar a troca de foco da educação financeira no Brasil. Na opinião de Rocha, é preciso olhar com atenção para todos os indivíduos, sobretudo os de mais baixa renda. “O crédito é fundamental na gestão das finanças pessoais e, de maneira correta, ajuda as famílias a construírem patrimônio. Então, é preciso gastar um pouco mais de tempo ensinando as pessoas a refletirem sobre o crédito, e não só sobre investimentos.

O endividamento das famílias, como visto, é um problema sério no Brasil. No entanto, é uma situação que, muitas vezes, pode ser corrigida com educação financeira, controle pessoal e organização, temas que são debatidos no Curso de Direito da Unijuí e que permitem a nós, estudantes, uma formação mais completa e antenada com as necessidades do mercado de trabalho!

 Luiz Carlos Nunes Castanho, acadêmico de Direito da Unijuí

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Artigos

Você sabe o quanto paga de impostos em cada compra?

A Lei 12.471/12 nos trouxe um tanto de esperança para que essa luta, que nós consumidores vivemos diariamente, seja vencida. Mas, será que isso funciona na prática?

Pável Bauken

Publicado

em



A referida lei determina que, nos documentos fiscais relativos à venda de mercadorias e serviços, deverá constar destacadamente o valor aproximado dos tributos federais, estaduais e municipais cobrados dos contribuintes. Nossa Constituição Federal ganha destaque, na medida que estabelece: “A lei determinará medidas para que os consumidores sejam esclarecidos acerca dos impostos que incidam sobre mercadorias e serviços”. Podemos presenciar então, a necessidade e o dever de informar aos cidadãos consumidores o custo tributário embutido em cada mercadoria comprada.

Apesar da regulamentação tardia do dispositivo constitucional pela Lei 12.741/12, o consumidor consegue ter noção da carga tributária que está suportando como contribuinte de fato, muito embora não seja uma tarefa simples apurar o valor exato dos tributos embutidos no preço, ante os inúmeros tributos diretos e indiretos e a complexidade na apuração destes. Precisar o valor de tributos que compõem o preço de venda é uma tarefa complexa e depende, principalmente, de que os fornecedores e os demais integrantes da cadeia comercial indiquem aos adquirentes o montante de tributos recolhidos em cada etapa da comercialização. É claro que, se isso realmente funcionar na prática, o consumidor ficará chocado ao verificar o quanto lhe é cobrado de impostos!

A Lei 12.471/12 é uma grande conquista cidadã e devemos exigi-la para que haja o mínimo de transparência fiscal em nosso País. Ademais, sonhar é sempre possível e assim sonhamos com o dia em que o governo, que já gasta uma fábula com propagandas eleitorais, possa reservar, nos canais de comunicação, alguns minutos ou disponibilizar aplicativos de fácil compreensão e manuseio, para prestar contas de sua administração de forma concisa e didática. Algo bem simples, mas capaz de informar com clareza o quanto foi arrecadado e o quanto foi gasto com educação, segurança, saúde, aposentadorias, assistência social, pagamento de juros, despesas administrativas, investimentos em infraestrutura, etc. Há muitas formas a serem estudadas para que possamos nos manter esclarecidos e informados. Além disso, nosso papel é exigir e fiscalizar a destinação do arrecadamento de tantos tributos. Não podemos deixar esta tarefa para terceiros, como cidadãos consumidores e pagadores de impostos temos o dever de participar da gestão tributária de nosso País!

Cabe a nós manter a chama acesa e não deixar de reivindicar nossos direitos. Saber o que é feito com as finanças do País (nosso dinheiro) é um deles!

Katryanne Miranda Machado, acadêmica de Direito da Unijuí

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Artigos

Os cinco erros mais comuns que todo iniciante no Marketing digital comete

Reporter Cidades

Publicado

em



É um desafio grande elencar apenas os 5 erros mais comuns quando damos início a essa aventura no mundo do Marketing digital, mas esses cinco erros me permitiram evoluir com eles e me aprimorar cada vez mais, até atingir o sucesso online:

1° erro – Acreditamos que por termos acesso à internet e já termos seguidores nas redes Sociais, podemos vender nossos produtos. Achamos que basta postar uma bela foto e pronto: a venda vai acontecer. Esse é o exato momento em que mais de 70% dos iniciantes desistem;

2° erro –  Acreditar nos milhares de Gurus que vendem soluções rápidas quase instantâneas para ganhar dinheiro, e a velha fórmula mágica de fazer determinada estratégia ou usar as redes sociais ficar milionário em pouco tempo;

3° erro – E o mais comum, é pegar o link do produto que você está tentando vender e mandar ver, sair pregando em tudo que é lado. Não pode ver uma publicação que vai nos comentários e deixa lá a sua obra registrada, achando que isso vai te trazer o tão sonhado comprador;

4° erro – Postar só propaganda do seu produto nas Redes Sociais. As pessoas odeiam propagandas, mas adoram comprar soluções! Portanto antes de postar, pesquise o que seu Público-alvo deseja, se coloque no lugar do outro, se pergunte se você gostaria de ver aquilo que você está postando.

5° erro – E o mais grave de todos: é não investir em conhecimento, achar que é uma besteira pagar um curso com um profissional que estudou muito, que já cometeu os 4 erros acima, achar que tudo é muito caro, que não precisa usar plataformas de ferramentas profissionais para automatizar seu trabalho. Acredite, se você cair nesse erro então talvez você acabe gastando muito mais tempo e dinheiro.

Esses 05 erros são os mais recorrentes e os mais primários. Existem outros muito piores, mas infelizmente ou felizmente a maioria passa por todos eles. Quem desperta para trabalhar da forma correta busca em primeiro lugar conhecimento e depois a forma de aplicar esse conhecimento. Por último, automatizar seu sistema de vendas com ferramentas que vão levar seu negócio on-line a ter uma alavancagem que não conseguimos realizar no corpo a corpo.

Então se você leu até aqui, quer dizer que é uma pessoa que quer começar da maneira correta, ou corrigir o que você acreditou que estivesse certo. Mas não se desespere, nós temos a solução para os seus problemas! Podemos te ensinar desde a maneira correta de postar na Redes Sociais, até usar o mais complexo funil de vendas. Basta que você goste de aprender e dedique um tempo a esse aprendizado.

Cadastre-se agora mesmo para testar a Plataforma Builderall por 14 dias gratuitos! Clique no banner abaixo agora mesmo!

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

© 2020 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


error: Conteúdo protegido, para ter acesso seja nosso parceiro entre em contato no whats (55) 984161736
×