18 de setembro de 1851, lançado o jornal New York Times – Portal Plural
Connect with us

Mundo

18 de setembro de 1851, lançado o jornal New York Times

Publicado

em



 

Nos Estados Unidos, existem hoje 1700 jornais diários. Surpreendentemente, há apenas 25 anos o país dispõe de um jornal de circulação nacional. A revista econômica Wall Street Journal foi a primeira a utilizar a moderna tecnologia dos satélites para a transmissão de dados.

Desde 1980, também o New York Times (NYT) é distribuído, em versão reduzida, no oeste e sul dos EUA. A história do NYT, um dos jornais de maior tiragem dos Estados Unidos, com mais de um milhão de exemplares, começou na metade do século XIX.

Há 149 anos, no dia 18 de setembro de 1851, surgiu a edição de estréia do New York Daily Times – nome original do NYT. Fundado por Henry Jarvis Raymond e George Jones, inicialmente tinha apenas quatro páginas, era impresso num depósito de Manhattan e dirigia-se com sucesso ao público interessado em informações neutras.

Quando os editores favoreceram o candidato democrata à presidência da república em 1884, Grover Cleveland, o jornal perdeu o apoio dos republicanos, com os quais havia simpatizado desde a fundação. A tiragem caiu para escassos nove mil exemplares e o jornal esteve próximo da falência.

A salvação veio em 1896, na pessoa de Adolph Ochs, um jovem editor de ascendência alemã. Ele comprou o New York Times e, até sua morte em 1935, consolidou a linha editorial adotada ainda hoje pelo jornal sob o slogan: “All the News That´s Fit to Print” (todas as notícias que podem ser impressas se encontram no NYT).

Ochs, cuja família ainda hoje dita os destinos do jornal, registrou seus princípios num testamento: “O NZT deve ser dirigido como jornal independente, comprometido apenas com o bem público – sem considerar vantagens ou ambições pessoais, reivindicações de partidos políticos, preconceitos ou preferências pessoais”.

O NYT comprovou sua independência ao longo dos anos. Em 1871, seus repórteres denunciaram inúmeros casos de corrupção na cidade. As reportagens eram publicadas, apesar do boicote dos anunciantes, das ameaças pessoais e ofertas de suborno, chegando a provocar a renúncia de um grupo de políticos conhecidos pelo nome “Tweed Ring”.

Em 1971, o jornal desafiou o governo de Richard Nixon, ao publicar, junto com o Washington Post, documentos secretos da guerra do Vietnã, hoje conhecidos pelo nome de “Pentagon Papers”.

Não só a recessão econômica nos EUA lançou o NYT numa crise, no início dos anos 90. Na época, a internet começou a revolucionar a transmissão de notícias e, devido ao noticiário atual de diferentes estações de TV a cabo, cada vez mais as manchetes do jornal chegavam aos leitores através de outras fontes.

Diante do fato de que apenas 10% das reportagens do jornal eram exclusivas, o editor-chefe Arthur Sulzberger Jr. optou pela estratégia de tentar atrair novos leitores com melhores histórias de fundo.

Mas, por mais cores, entretenimento e serviços que a publicação ofereça, cada vez menos pessoas lêem jornal. Para conter essa tendência, desde 1996, o velho NYT também está disponível “online” e, desde o ano passado, tenta conquistar o público jovem, com a colorida revista New York Times Upfront.

Tendo em vista a linha editorial dos outros três grandes jornais diários de Nova York – os sensacionalistas Daily News, New York Newsday e New York Post, que oferecem uma mistura de sexo, crime e apresentação simplista dos assuntos políticos -, o NYT facilmente pode se apresentar como diário cosmopolita, embora certas dependências políticas e econômicas também o forcem, às vezes, a transgredir regras básicas do jornalismo.

Fonte DW

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Ex-aliado de Hugo Chávez morre de Covid-19 na prisão na Venezuela

Publicado

em



O general Raúl Baduel, considerado um dos presos políticos mais emblemáticos da Venezuela por ter sido ministro da Defesa do presidente Hugo Chávez, morreu de Covid-19 sob custódia, informou o procurador-geral nesta terça-feira (12).

“Lamentamos o falecimento de Raúl Isaías Baduel de parada cardiorrespiratória, decorrente da Covid-19”, escreveu o procurador, Tarek Saab, no Twitter. Ele havia tomado apenas a primeira dose da vacina.

 

Baduel, que faleceu aos 66 anos, ajudou a restituir o poder a Chávez, após o golpe de Estado de abril de 2002, que o tirou brevemente do cargo, mas logo se tornou seu adversário.

O ex-ministro cumpriu quase oito anos de pena por corrupção e depois de ser posto em liberdade, em 2015, voltou a ser detido, acusado de conspirar contra o atual presidente, Nicolás Maduro, que o destituiu da Força Armada e o rebaixou.

Hugo Chávez e Raúl Baduel, lado a lado, em cerimônia em Maracay, Venezuela, em 2006 — Foto: Jenny Fung/AFP

 

ONG critica tratamento a Baduel

“Com a morte de Raúl Isaías Baduel já são dez os presos políticos mortos sob custódia”, disse o advogado Gonzalo Himiob, da ONG Fórum Penal, dedicada a defender presos políticos.

“A responsabilidade sobre a vida e a saúde de qualquer detido recai sobre o Estado. Exige-se continuamente tratamento médico para os presos. Quase nunca há uma resposta adequada”, reforçou Himiob em uma mensagem em sua conta no Twitter.

Dois dos filhos de Baduel também foram detidos sob acusações de conspiração, o primeiro deles Raúl Emilio, que agora está em liberdade. Josnars Adolfo Baduel foi detido por suposta participação em uma incursão marítima em maio de 2019 que tentava a saída de Maduro. Ele continua detido.

Fonte: G1. 

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Índia recomenda vacina Covaxin contra Covid-19 para crianças a partir de 2 anos

Publicado

em



A Índia recomendou nesta terça-feira (12) o uso emergencial da vacina contra Covid-19 da Bharat Biotech para a faixa etária de 2 a 18 anos, no momento em que o segundo país mais populoso do mundo expande sua campanha de vacinação para incluir crianças.

O país vacinou totalmente cerca de 29% dos 944 milhões de adultos elegíveis, de acordo com dados do governo, que incluem a aplicação de mais de 110 milhões de doses da Covaxin, da Bharat Biotech.

A empresa, no entanto, ainda está em processo de garantir seu nome em uma lista de uso emergencial da Organização Mundial da Saúde, uma decisão que é esperada para o final deste mês.

Sem a aprovação da OMS, a vacina de duas doses dificilmente será aceita como uma vacina válida em todo o mundo.

Vários países têm trabalhado para autorizar vacinas para crianças. Os Estados Unidos liberaram a vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos e o painel consultivo do regulador dos EUA se reunirá no final deste mês para discutir a vacina para crianças entre 5 e 11 anos de idade.

Embora a Covid-19 seja conhecida por geralmente causar doença leve em crianças, existe o risco de complicações raras pós-doença.

“Crianças com comorbidades devem ser vacinadas o mais rápido possível, agora que uma vacina com imunogenicidade em crianças e um grande banco de dados de segurança em adultos está disponível”, disse o Dr. Gagandeep Kang, professor do Christian Medical College, Vellore.

Fonte: G1.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Mundo

Morre, aos 54 anos, o rinoceronte-branco mais velho do mundo

Publicado

em



Toby, o rinoceronte-branco mais velho do mundo, morreu aos 54 anos em um zoológico no norte da Itália, informou uma porta-voz do estabelecimento nesta terça-feira (12).

“Ele desmaiou no caminho de volta para seu abrigo noturno e depois de cerca de meia hora seu coração parou”, disse à AFP Elisa Livia Pennacchioni, do Parco Natura Viva, um zoológico perto da cidade de Verona, no norte do país.

Toby será embalsamado e exibido no museu de ciências MuSe de Trento, onde se juntará a Blanco, um leão branco do zoológico que morreu há cinco anos, disse Pennacchioni.

Rinocerontes-brancos normalmente vivem até os 40 anos quando em cativeiro e até 30 anos na natureza.

A morte de Toby, após o falecimento de sua companheira Sugar em 2012, deixa o Parco Natura Viva com apenas um rinoceronte-branco: Benno, de 39 anos.

Toby era um rinoceronte-branco do sul, que depois do elefante é o maior mamífero terrestre, medindo até 2 m de altura e 4 m de comprimento e pesando mais de 3.500 kg.

Pertence a uma das cinco espécies de rinocerontes que não são consideradas ameaçadas de extinção, com uma população estimada em cerca de 18.000, de acordo com WWF.

No entanto, apenas dois espécimes da subespécie do rinoceronte-branco do norte sobrevivem no mundo, em uma reserva natural do Quênia, que são monitorados 24 horas por dia por guardas armados, disse o grupo ambientalista.

Fonte: G1.

[mailpoet_form id="1"]
Continue Lendo

Trending

PLURAL AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LTDA
ME 33.399.955/0001-12

© 2021 PORTALPLURAL.COM.BR Todos os direitos reservados.


×

Entre em contato

×